Imagem de leitura — Lole Ferrada Sullivan

9 10 2011

Lendo, 2010

Lole Ferrada Sullivan (Chile, 1962)

http://www.artelista.com

Lole Ferrada Sullivan nasceu em Santiago, Chile, em 1962. Entrou na Faculdade de Belas Artes em 1979, mas teve seus estudos interrompidos pela ditadura de Pinochet, 3 anos mais tarde. Em 2001 retorna à pintura depois de trabalhar como ilustradora para editoras, e passa a ensinar história da arte.  Mais tarde passa a ensinar pintura e arte para crianças.





Manhã de sol no Rio de Janeiro, passeio no Jardim Botânico

9 10 2011

Jardim Botânico, aléia das palmeiras reais, entrada principal.

A primavera chegou quente e ensolarada.  Hoje a máxima parece ter chegado aos 30ºC  — pelo menos foi o que prometeram nos jornais — pelo calor eu diria que foi mais, mas é possível que a temperatura tenha caído rapidamente porque a tarde se cobriu de nuvens.  Foi, no entanto, uma bela manhã para um passeio no Jardim Botânico.  Tenho a felicidade de morar próximo desse belíssimo parque e o prazer de andar por suas aléias é constante.

Entrada para o Jardim Oriental, dentro do Jardim Botânico, no Rio de Janeiro.

O jardim oriental passou por uma grande reforma nos últimos anos.  Está hoje mais ZEN.   Tem mais pedras, exibe aquela  simplicidade de pureza de formas que não tinha anteriormente. Diminuíram a extensão da ponte vermelha.  Parece a mesma, mas se contarmos o número de segmentos, vemos que a ponte ficou menor, menos extensa. Uma foto mais antiga que tenho, de um outro ângulo, talvez ajude a mostrar a diferença.  E o  entorno do lago está bastante mudado, vejam abaixo.

O novo Jardim oriental tem muitos caminhos de pedras.

Foto mais antiga, de 2007, do mesmo lago, outro ângulo, no Jardim Oriental do Jardim Botânico.

Acredito que a ponte antiga seja uma interpretação mais romântica do que seria um jardim oriental.  Enquanto que a disposição mais moderna, incluindo o comprimento menor da ponte, sejam mais realistas quanto a estética oriental.  Gosto mais da interpretação romântica, com uma ponte mais esticada, apesar de não desgostar da que temos hoje.

Raizes de uma andiroba.

Aléia das andirobas.

E assim terminou o passeio de hoje, numa das minhas aléias favoritas: árvores gigantescas, com raízes imponentes.  Lembre-se de não plantar uma andiroba ao ladinho da sua casa…  Mas próximo à divisa do seu terreno ficaria maravilhosa!  Sim, é natural do Brasil.





Um show de equilíbrio para um domingo de descanso.

9 10 2011










%d blogueiros gostam disto: