Imagem de leitura — Henry Caro-Delvaille

13 10 2011

Mulheres lendo, 1910-1911

Henry Caro-Delvaille (França, 1876-1928)

óleo sobre tela, 66 x 81 cm

Henry Caro-Delvaille nasceu em Bayonne, na França em 1876.  Estudou na Escola de Belas Artes de sua cidade natal até 1897 quando passou a estudar no ateliê de Léon Bonnat em Paris. Além de se dedicar à pintura, aos  retratos, à pintura  gênero e às paisagens, Caro-Delvaille ficou famoso por suas hablidades como decorador.  Foi agraciado com a Legião de Honra do governo francês em 1910.  Em 1917  vai para os Estados Unidos onde permanece até 1925, assegurando-se de importantes encomendas de retratos  e de decoração da elite da sociedade americana.  Retorna então à França onde falece três anos mais tarde , em Paris, em 1928.





Velha anedota, soneto de Artur Azevedo

13 10 2011

Homem elegante ao espelho, c. 1930

Leon Gordon ( Rússia, 1889 — EUA, 1943)

óleo sobre tela, 90×80 cm

Velha anedota

Artur Azevedo

Tertuliano, frívolo peralta,

Que foi um paspalhão desde fedelho,

Tipo incapaz de ouvir um bom conselho,

Tipo que morto não faria falta;

Lá um dia deixou de andar à malta,

E, indo à casa do pai, honrado velho,

A sós na sala em frente a um espelho,

À própria imagem disse em voz bem alta:

— Tertuliano, és um rapaz formoso!

És simpático, és rico, és talentoso!

Que mais no mundo se te faz preciso?

Penetrando na sala, o pai sisudo

Que por trás da cortina ouvira tudo,

Severamente  respondeu: — Juizo!

Em: Poesia brasileira para a infância, ed. Cassiano Nunes e Mário da Silva Brito, São Paulo, Saraiva:1968.

Artur Nabantino Gonçalves de Azevedo (São Luís, 1855 — Rio de Janeiro, 1908)  dramaturgo, poeta, contista e jornalista. Foi diretor do teatro João Caetano.  Membro da Academia Brasileira de Letras.

Obras:

Sonetos, 1876

Contos fora de moda, 1901

Contos efêmeros

Contos possíveis, 1908

Rimas, 1909

Para o teatro escreveu mais de duzentas peças.





Não à censura de Monteiro Lobato! Vejam como pensa Gilberto Freyre

13 10 2011

John Gannam, (EUA 1907-1965), Lendo os quadrinhos, aquarela e guache, anúncio para uma companhia de lençóis.

Voltei a ler ontem, no Dia da criança, a respeito da pressão de alguns grupos sobre o Ministério da Educação para que livros de  Monteiro Lobato sejam banidos  das nossas salas de aula, em particular, Caçadas de Pedrinho.  É triste ver que ainda há aqueles que acreditam em censura, que esse monstro, muito mais feio do que qualquer coisa que se possa ler em Monteiro Lobato,  continue  a ser uma opção para pensadores de pequeno alcance.  Logo aqui, num país que já sofreu tanto com esse mal.  É mais triste ainda que queiramos apagar das nossas memórias o pequeno mas forte lastro cultural deixado por nossos antepassados.  É ainda mais patético que consideremos os nossos  professores tão  fracos e  incapazes que não acreditamos nas suas habilidades de explicar nas salas de aula as diferenças de atitudes que hoje existem em comparação com  aquelas que já tivemos um dia.  Porque é nisso que implica essa censura.  Com esse foco passo a reproduzir aqui, uma coletânea de textos de Gilberto Freyre, escritos entre 1948 e 1951  para a revista O Cruzeiro, em que o sociólogo esclarece alguns pontos sobre a censura.

Nacionalismo e internacionalismo nas histórias em quadrinhos

 (parte I)   —    Gilberto Freyre

Há quem deseje emendar a Constituição para aí estabelecer a censura prévia à literatura destinada às crianças e adolescentes.  Alegam que é uma literatura toda especial.  Sustentam que essa censura não põe em perigo a “verdadeira literatura”.

Engano.  Quem diz literatura para crianças e adolescentes, não deixa de dizer literatura.  Repito aqui o que já disse na Câmara quando ali apareceu a estranha idéia: as fronteiras entre gêneros literários  são vagas.  Vagas seja qual for o critério que se estabeleça para fixá-las. Inclusive o critério de públicos e público a que se destine cada gênero  — menino ou gente grande, mulher ou homem, moço ou velho.

Rigorosamente, a literatura é uma só.  Sua divisão em subgrupos é arbitrária ou convencional.  Sujeito à censura um gênero, a ameaça recai sobre o todo.  Quando se atinge a literatura para crianças e adolescentes é a literatura inteira que se ameaça. Mesmo porque são numerosos os livros para crianças e adolescentes que são também livros para gente grande.

Há anos, quando entre nós exagerou-se tanto o perigo chamado vermelho, isto é, comunista, que à sombra desse exagero cresceu o extremo oposto, houve quem começasse enxergar “comunismo” em obras-primas da literatura brasileira e da universal.  Inclusive em livros que são lidos com igual encanto por crianças, adolescentes e pessoas grandes.  Por pessoas que lêem soletrando e por doutores que sabem latim.  Pois livros como “Viagens de Gulliver”, o “Don Quixote”, o “Robinson Crusoé”, os romances e aventuras de Robert Louis Stevenson, os de Cooper sobre índios, os de Walter Scott sobre castelos antigos, as próprias “Fábulas” de La Fontaine, ninguém sabe se são para crianças ou para gente grande.

E lembro-me, a este propósito, de fato que fez, há anos, muito estrangeiro rir-se a custa do Brasil: o de ter certa autoridade estadofortista das que se julgaram com o direito de intervir na vida intelectual do país, condenado como perigosas à mocidade brasileira páginas imortais de Mark Twain.  Note-se que essa autoridade era pessoa dota, professor do Pedro II até.

Pato Donald não gosta do que os sobrinhos estão lendo,  ilustração Walt Disney.

Repito aqui o que já disse na Câmara, tentando alertar os deputados contra um perigo que se aproxima de nós com pés de lã, disfarçando em “proteção à moral” ou “resguardo do bom gosto”: consagrada pela constituição a censura prévia à literatura chamada infanto-juvenil são os Mark Twain, os Robert Louis Stevenson,, os Cervantes, os De Foe, os Swift, os La Fontaine, os Andersen, os Walter Scott, os Cooper, os Monteiro Lobato, as Lúcia Miguel Pereira, os José Lins do Rego, os Luiz Jardim, que podem vir a ser condenados amanhã como “comunistas”, “corruptores da juventude”, “daninhos” ou “perniciosos” à formação da mocidade.  O conceito de que é “pernicioso” em literatura ou em arte é vário e elástico.  O conceito do que é decente ou decoroso, também. Na época Vitoriana, entre os ingleses mais rígidos no seu moralismo, não se dizia perna de mesa ou perna de cadeira na presença de senhoras para não sugerir a imagem de perna de mulher.  Também varia o conceito da literatura que convém, segundo os preconceitos do país, convém ao desenvolvimento da personalidade dos filhos.  No meu tempo de menino, muito pai brasileiro condenava com aspereza os romances de detetive do tipo das “Aventuras de Sherlock Holmes” considerando-os não apenas inconvenientes à formação moral dos filhos como “vulgares”, “perniciosos”, “daninhos”.  Quando algum meninote era apanhado por um pai mais rigoroso com um fascículo de Conan Doyle nas mãos, era como se estivesse praticando feio pecado.  Era como se estivesse lendo as histórias mães ou avós dos quadrinhos.  Entretanto, Sherlock Holmes é considerado uma das criações mais interessantes da literatura inglesa dos fins do século XIX e dos começos do atual; e do ponto de vista ético e educativo, tido por leitura saudável e boa.

Dos grandes poetas brasileiros de hoje há um que às vezes escreve poemas para crianças.  É Manuel Bandeira.  Mas o poeta Manuel Bandeira num dos seus poemas refere-se a certo cachorrinho que fazia pipi no jardim.  Temo que por essas e outras liberdades de palavra sua poesia pudesse vir a ser condenada como “indecente”, “vulgar”, “perniciosa” para a mocidade se, amanhã estabelecida na Constituição a censura prévia a literatura infanto-juvenil, essa fosse exercida pedagogos ou policiais estreitos ou arcaicos em suas idéias de moralidade ou vulgaridade.

A verdade é esta: todos podemos estar de acordo quanto ao que seja baixa vulgaridade ou pura obscenidade na literatura ou na arte.  Mas há um ponto em que a vulgaridade é aparente: o que há é realismo.  Há zonas de confusão fácil entre os dois.  E na discriminação o censor simplista poderá imaginar-se na defesa ou no resguardo do que o bom gosto tem de essencial, quando está apenas defendendo convenções já arcaicos e até estreitos preconceitos de grupo político, literário ou economicamente dominante.

De modo que, estabelecida num país como princípio constitucional, a censura prévia à palavra, em qualquer de suas expressões literárias, a censura prévia ou pensamento, em qualquer de suas formas de criação ou de crítica, a ameaça se estende sobre o sistema inteiro de liberdade de consciência, de pensamento, de idéia, de criação artística, sobre o qual repouse a organização democrática do mesmo país.

E desgraçada da sociedade com aspirações a democrática que, para viver decentemente, para conservar-se moralizada, para desenvolver sua cultura, para manter sua religião, não disponha de outros meios de conservação e desenvolvimento desses valores morais, intelectuais, estéticos, religiosos, senão o braço forte do gendarme e o lápis vermelho do censor. Recursos para os dias excepcionais ou da calamidade: nunca para os normais e comuns.  Nos dias normais quem deve guardar a mocidade, educá-la, aperfeiçoá-la, é menos o Estado, através dos seus policiais e dos seus censores, que a comunidade inteira por meio de suas instituições de cultura articuladas umas com as outras para fins socialmente construtivos.  

Em: Pessoas, coisas e animais, de Gilberto Freyre, — ensaios e artigos reunidos e apresentados por Edson Nery da Fonseca,  São Paulo, edição especial MPM Casablanca-Propaganda: 1979.





Quadrinha infantil sobre os dentes

13 10 2011

Coma bem, coma de tudo,

Pois a nossa dentição

Em grande parte depende

Da boa alimentação.

(Walter Nieble de Freitas)








%d blogueiros gostam disto: