Imagem de leitura — Pablo Uranga y Diaz de Arcaya

15 10 2011

Retrato do pintor Ignacio Zuloaga, 1893

Pablo Uranga y Diaz de Arcaya (Espanha 1861-1935)

óleo sobre tela, 67 x 54 cm

Museu Goya, Castres, França

Pablo Uranga y Diaz de Arcaya nasceu em Vitória, no País Basco, na Espanha.  Descobrindo talento para a pintura deixa sua terra natal em direção a Paris, por volta de 1889-1890.  Lá se alia ao pintor basco Ignacio Zuloaga (Eibar, 1870 – Madri, 1945)e com mais dois outros espanhóis dividem aposentos.   Sua amizade com Zuloaga continua, mesmo depois que este amigo tem maior sucesso do que Uranga.  Vão para Nova York juntos em 1924 quando Zuloaga é convidado para sua exposição nos EUA.  Em seguida Uranga retorna ao País Basco, onde se casa e constitui família na aldeia de Elgueta, próximo de onde nasceu, lugar onde permanece até a morte em 1935





Palavras para lembrar — Marcel Proust

15 10 2011

Menina lendo na poltrona, 2009

Ruth Addinall (Nigéria, 1960)

www.ruthaddinall.co.uk

“Na realidade, todo leitor é, quando lê, o leitor de si mesmo. A obra não passa de uma espécie de instrumento ótico oferecido ao leitor a fim de lhe ser possível discernir o que, sem ela, não teria certamente visto em si mesmo”.

Marcel Proust





Não à censura de Monteiro Lobato! Leia Gilberto Freyre sobre a censura, parte III

15 10 2011

Reproduzo aqui, a terceira parte  uma coletânea de textos de Gilberto Freyre, escritos entre 1948 e 1951  para a revista O Cruzeiro, em que o sociólogo esclarece alguns pontos sobre a censura.

Nacionalismo e internacionalismo nas histórias em quadrinhos

(parte III)   –    Gilberto Freyre

Dizem-me que um jornal do Rio está fazendo, com quadrinhos, histórias não de bandidos nem de rufiões mas de grandes homens e até de santos.  E alcançando sucesso.

Foi o ponto de vista que defendi em parecer na Câmara dos Deputados em 1948. Se não consegui que, por estímulo do Governo, se fizesse uma história em quadrinhos da Constituição de 1946 – como lembrei na Comissão de Educação e Cultura – ao menos esbocei, entre homens de responsabilidade nacional, uma reabilitação daquele gênero novo de histórias para meninos e mesmo para gente grande.

E estou certo de que essa reabilitação começa já a fazer-se; de que os homens de bom-senso e de alguma imaginação, principiam a ver na história de quadrinhos uma arma  moderna – moderna, mas nada secreta: ao contrário – que tanto pode ser posta ao serviço de Deus quanto do Diabo.  Que tanto pode servir para interessar o menino, o adolescente, o adulto em aventuras de “gangsters” como nas aventuras de Santos Dumont ou nas do General Cândido Rondon.  Ou nas de Santo Inácio de Loiola ou nas de São Jorge.  Santos em lutas contra dragões.  Inventores às voltas com o mais pesado que o ar.  Desbravadores de regiões do Brasil povoadas apenas por selvagens.

Assuntos fascinantes para as histórias de quadrinhos são também vidas como a de José Bonifácio, a de Mauá, a de Osvaldo Cruz, a de Vital Brasil.  Campanhas como a da Abolição.  Documentos aparentemente prosaicos, mas, na verdade, cheios de sugestões poéticas como a Constituição de 1946.

O que é preciso é que não se deixe só ao serviço do vício, da canalhice, do comercialismo o que pode ser posto também ao serviço da virtude, da boa educação do menino e do adolescente, da sã recreação do público.  Mas para isso é preciso, antes de tudo, que certos mediocrões enfáticos se desprendam da idade de que a Igreja, o Governo, a Escola, o Partido Político, o Jornal, para serem respeitáveis, devem ser cinzentamente convencionais.  Inimigos de toda espécie de pitoresco ou de novidade.

O exemplo que devem seguir é o dos Jesuítas do século XVI que, no serviço de Deus, se utilizaram das armas mais escandalosamente novas da publicidade. Novas e pitorescas.

Em: Pessoas, coisas e animais, de Gilberto Freyre, — ensaios e artigos reunidos e apresentados por Edson Nery da Fonseca,  São Paulo, edição especial MPM Casablanca-Propaganda: 1979.





Trova da ambição

15 10 2011

Ilustração francesa de Au clair de la lune.

Quantos há que, alucinados

pela ambição, pelos ciúmes,

querendo apanhar estrelas,

só apanham vagalumes!…

(Décio Valente)








%d blogueiros gostam disto: