As nossas postagens de maior sucesso!

30 11 2011

O banco dos leitores, ilustração alemã, sem autoria conhecida.

Meus amigos sempre me perguntam quais são as postagens mais lidas no blog.  É uma coisa difícil de responder, porque depende muito da época.  E também da popularidade de um assunto.  Mas para satisfazer aos curiosos, fui até a contagem e verifiquei as postagens abaixo de minha autoria que são as mais acessadas do blog, nos últimos meses.  Abaixo, em ordem de popularidade, todos com mais de 200 visitas diárias, alguns com muito, muito mais:

1º –

Mais algumas sugestões de livros para jovens e adolescentes.

2 º-

Jacques-Louis David e Vik Muniz, unidos pelo lixo.

3º –

Sugestões de livros para adolescentes mais velhos

4º –

Outras citações visuais de Vik Muniz: um pedido de responsabilidade política e social.

5º –

Depois dos équidnas, vejamos o ornitorrinco (platipus)

6º –

Cinco livros do Romantismo I: A Moreninha

7º –

A baleia e suas pernas, novo passo para entender a evolução

8º –

A Batalha de Anghiari de Leonardo da Vinci, pintura mural será descoberta!

9º –

Olimpíadas 2016 – um símbolo na medida carioca

10º

Göbekli Tepe: a descoberta do Jardim do Éden?






Imagem de leitura — Boris Dmitrievich Grigoriev

29 11 2011

Retrato de senhora, s/d

Boris Dmitrievich Grigoriev ( Rússia, 1886-1939)

óleo sobre tela

Boris Dmitrievich Grigoriev nasceu em São Petersburgo, na Rússia em 1886.  Há pouca informação sobre sua vida.   Estudou na Academia Imperial de Artes de São Petersburgo.  Morou em Paris de entre 1912-1913.  Depois viajou pela Alemanha, França, Estados Unidos e América do Sul, antes de firmar residência no sul da França.  Mais conhecido por sua obra como retratista. Morreu jovem aos 52 anos, em 1939.





A Peregrina está no Facebook! Venha! Seja nosso fã!

29 11 2011

A partir de hoje, estamos no Facebook.  Entre lá e saiba do que anda acontecendo.  Seja um dos nossos amigos do FB!





A descoberta de Sutil, de Theobaldo Miranda Santos, uso escolar.

29 11 2011

Bandeirantes, gravura do século XVIII.

Miguel Sutil foi um dos primeiros bandeirantes que atravessaram os sertões de Mato Grosso.  Em outubro de 1720, encontrava-se ele no povoado de Nossa senhora da Penha, onde tinha inciado uma plantação de milho e mandioca.

Durante muito tempo, Sutil havia procurado ouro na região sem nada conseguir.  Certo dia, achava-se ele no interior da mata, longe de casa, quando sentiu fome.  Ordenou então, a dois índios carijós, que trouxera em sua companhia, que percorressem a floresta em busca de mel de abelhas e palmito.

Lá se foram os índios obedientes à ordem do chefe.  Passaram-se muitas horas sem que eles voltassem.  Sutil ficou impaciente. A fome aumentava a nada havia ali para comer.

O sol descambava no horizonte.  Os pássaros recolhiam-se aos seus ninhos.  E os índios não apareciam.  Sutil estava furioso com a demora dos indígenas.

De repente, ouviu-se um barulho no mato e surgiram, afinal, os dois carijós.  Vinham correndo.  Traziam nas mãos alguma coisa que o bandeira não distinguiu.

Sutil interpelou-os com energia.  Os índios nada responderam.  Mas mostraram ao chefe o que traziam.  Suas mãos estavam cheias de ouro!

Mal rompeu o dia, Sutil dirigiu-se ao lugar onde os índios haviam encontrado o ouro.  Lá chegando, quase desmaiou de emoção.  O ouro, em grande quantidade, brilhava na superfície da terra.  Num só dia, o bandeirante e os índios recolheram mais de duas arrobas de ouro!

E assim foi descoberta uma das minas de ouro mais ricas da região centro-oeste do Brasil.

Em: Vamos estudar? — 3ª série primária – de Theobaldo Miranda Santos, edição especial para os estados Goiás e Mato Grosso,  Rio de Janeiro, Agir: 1961





Quadrinha da pescaria

28 11 2011

Pescaria inesperada, cartão postal de 1928.

Que o bom pescador se queixe

de sua vida bem penosa

é justo: lidar com peixe

é missão bem espinhosa.

(Túlio de Ayala)





Imagem de leitura — Monika Aladics

27 11 2011

Leitura de verão, 2004

Monika Aladics (Hungria, 1967)

acrílica sobre tela

Monika Aladics

Monika Aladics nasceu na Hungria em 1967.  Aos 13 anos, em 1980, emigrou para a Alemanha, onde estudou e completou a sua formação artística na Schwanthaler Art School em Munique.   Sua pintura se caracteriza pelas cenas urbanas particularmente aquelas de Berlim, onde trabalha.





Quadrinha sobre as queimadas

27 11 2011

De tudo um pouco faltando,

a coisa ficando preta:

são queimadas acabando

Fauna e Flora do Planeta!

(Zé de Souza)








%d blogueiros gostam disto: