Imagem de leitura — David Teniers, o jovem

21 11 2011

O médico da aldeia, 1660

David Teniers (Países Baixos, 1610-1690)

óleo sobre madeira,  29 x 32 cm

Museu Nacional da Romênia

David Teniers, o jovem, filho do pintor David Teniers, conhecido como o velho, nasceu na Antuérpia em 1610, foi um dos pintores de maior popularidade da Escola Flamenga de pintura. Apesar de ser filho de um conhecido pintor flamengo sua maior influência na pintura foi a de Adriaen  Brower, conhecido pintor de gênero.  Dele adquiriu o gosto pela de cenas de dia a dia, cenas de tavernas e sobretudo pelos tons castanho-dourados de suas telas.  Os espaços retratados nas suas telas são mais complexos com salas aparecendo ao fundo e muito mais figuras.  Extremamente popular em sua época.  Faleceu em 1690. 





Conselho de Shakespeare

21 11 2011

A sala azul, s/d

Henry McGrane (Irlanda, 1969)

30x 40cm

www.henrymcgrane.ie

Ainda aqui, Laerte? para bordo, para bordo. Não te envergonhas? Teu navio só te espera para velejar. Recebe a minha benção, e grava na tua memória os seguintes preceitos. Guarda para ti o pensamento, e não dês execução apressadamente aos teus projectos; medita-os maduramente. Sê lhano sem te esqueceres de quem és. Quando tomares um amigo cuja afeição tenhas experimentado, liga-o a ti por vinculos de aço; mas não dês confiança irreflectidamente. Faze por evitar questões; mas se o não puderes conseguir, conduze-te de maneira que fiques sempre superior ao teu adversário. Ouve a todos, mas sê avaro de palavras; escuta o conselho que te derem, forma depois o teu juizo. No teu trajar sê tão suntuoso, quanto t’o permitam os teus meios, mas nunca afetado; rico, mas não ofuscante; o porte dá a conhecer o homem, e nesse ponto, as pessoas de qualidade em França revelam um gosto primoroso, e o mais fino tato. Não emprestes, nem peças emprestado: quem empresta perde o dinheiro e o amigo, e o pedir emprestado é o primeiro passo para a ruína. Mas sobretudo sê verdadeiro para a tua consciência, e assim como a noite se segue ao dia, seguir-se-á também, que o teu coração jamais abrigará falsidade. Adeus, que a minha benção sele em teu coração os meus conselhos.

Conselho de Polônio a Laerte, em Shakespeare,  Hamlet, Ato I, cena 3





Quadrinha da poeta

21 11 2011

Pescaria, gravura no estilo Art Deco, dos anos 20-30, autor desconhecido.

Nesta vida tão inquieta,

o meu consolo é pescar.

Sou pescadora-poeta

que pesca versos no mar!

(Gislaine Canales)








%d blogueiros gostam disto: