Imagem de leitura — Jeffrey Batchelor

24 11 2011

 

Sem título

Jefffrey T. Batchelor (EUA, 1960)

óleo sobre tela

Jeffrey Batchelor nasceu na Carolina do Norte em 1960.  Estudou na Universidade daCarolina do Norte em Greensboro, e saiu em 1987 para prosseguir com sua carreira de cenógrafo para o teatro.   Depois de anos de experiência partiu para a pintura, onde Batchelor se encontra no limiar entre o ultra realismo e o surrealismo, usando tecnicas diversas do pincel ao airbrush.





Como você encara a noite?

24 11 2011

O pesadelo, 1781

Henry Fuseli (Suiça, 1741-1825)

óleo sobre tela, 102 x 126 cm

Instituto de Belas Artes de Detroit, EUA

“A humanidade se divide entre os que se acalmam ao ir para a cama à noite e os que ficam aflitos na hora de dormir.  Os primeiros concebem os seus leitos como ninhos protetores, enquanto os outros sentem que o abandono do cochilo é um perigo.  Para uns, o momento de se deitar pressupõe a suspensão das preocupações; em outros, ao contrário, as trevas provocam o despertar de maus pensamentos, e, se dependesse deles, dormiriam de dia, como os vampiros.  Você já sentiu o terror das noites, a angústia dos pesadelos, a escuridão sussurrando com hálito frio em sua nuca que, mesmo sem saber quanto tempo resta, você não passa de um condenado à morte?  E, no entanto, na manhã seguinte, a vida volta a explodir com sua alegre mentira de eternidade”.

Parágrafo de abertura do livro Instruções para Salvar o Mundo, de Rosa Montero, Rio de Janeiro, Nova Fronteira: 2011.





Ressuscitada das cinzas? Rãzinha não está extinta!

24 11 2011

Israel divulgou a foto de um sapo encontrado esta semana que pertence a uma espécie que se acreditava estar extinta há 50 anos. O sapo pintado de Hula foi visto em um parque natural do país, e agora está sendo mantido em um tanque dentro da Reserva Natural do Vale Hula, no norte de Israel, único habitat do animal.

Pouco se sabe sobre o animal. Alguns cientistas especulam tratar-se de uma espécie canibal, já que na década de 1940, um sapo foi flagrado devorando outro da mesma espécie.  Após seu desaparecimento por anos, o sapo pintado de Hula foi declarado extinto em 1996.

Fonte: Terra





Em férias, poesia infantil de Zalina Rolim

24 11 2011

Jardim florido, ilustração de Charles Robinson.

Em férias

Zalina Rolim

No campo a gente madruga;

Deixa‑se a cama cedinho,

Quando a aurora acorda o ninho

E o orvalho às plantas enxuga.

O céu é todo rubores;

Toda a campina, um veludo…

E ondeia e espalha‑se em tudo

O aroma vivo das flores.

Sai das verdes profunduras

Barulho d’ água, ligeiro,

Como um som de voz fagueiro,

Falando de cousas puras.

E deleita e aviva o olfato,

O cheiro forte e sadio,

Que vem das margens do rio

E dos verdores do mato.

Os burricos vão espertos,

Num trote, campina em fora,

Alongando o olhar, que explora

Longínquos plainos desertos

E as vozes dos pequeninos

Ressoam festivamente,

No frescor do ar transparente,

Em vivos sons cristalinos.

Na frente, o mais corajoso,

— Chapéu na mão, pronto e ledo,

Explora o campo, sem medo,

Todo radiante de gozo.

E, farejando o caminho,

Pendente a língua vermelha,

O cão, no olhar, o aconselha

A dar a rédea ao burrinho.

Das frescas moitas cheirosas,

Tintas de alegres matizes,

Erguem o vôo as perdizes,

Batendo as asas plumosas.

E mil insetos, zumbindo

No ar puro da madrugada,

Sonorizam toda a estrada

Num concerto estranho e lindo.

Maria Zalina Rolim Xavier de Toledo — nasceu em Botucatu (SP), em 20 de julho de 1869.

Professora alfabetizadora transferiu-se com a família para São Paulo em 1893.

Educadora, entre 1896 e 1897, exerceu o cargo de vice-inspetora, do Jardim da Infância anexo à Escola Normal Caetano de Campos, em São Paulo.

Escreveu para diversas revistas femininas e jornais como A Mensageira, O Itapetininga, Correio Paulistano e A Província de São Paulo.

Faleceu em São Paulo, em 24 de junho de 1961.

Obras:

1893 – O coração

1897 – Livro das Crianças

1903 – Livro da saudade (organizado nesta data para publicação póstuma)





Quadrinha sobre o amor

24 11 2011

Morcegos amorosos, ilustração Maurício de Sousa.

Amor é igual a uma seta
lançada sem direção!…
não tem alvo, não tem meta,
não escolhe coração.

 (Plínio Motta)








%d blogueiros gostam disto: