Filhotes fofos — puma branco

8 12 2011

Foto: Associated Press.

Um filhote de puma foi apresentado ao público pelo zoológico Attica Parque, nas proximidades de Atenas, na Grécia. Com apenas um mês de vida, o raro filhote branco recebeu uma mamadeira com leite de uma funcionária do parque. Batizado com o nome de Casper, ele pesa 2 kg.  De acordo com a União Internacional para a Conservação da Natureza, a espécie está na lista dos animais ameaçados de extinção. Originário do continente americano, o felino pode ser encontrado desde o Canadá até países da América do Sul, inclusive o Brasil.





Humilde estrebaria — soneto de Clóvis Ramos

8 12 2011

Anunciação aos pastores, 1634

Rembrandt van Rijn (Holanda, 1606-1669)

Gravura em metal, 26 x 22 cm

Grunwald Center,

Col. Universidade da Califórnia – Los Angeles,

Humilde estrebaria

Clóvis Ramos

Um fenômeno estranho acontecia

nas terras de Judá.  Eis que os pastores

ouviram vozes de anjos em louvores

ao pequenino filho de Maria.

A noite era de míticos fulgores,

noite serena, noite de poesia.

Sobre as palhas de humilde estrebaria,

dormitava Jesus por entre flores.

Uma estrela de brilho nunca visto,

aparecera nessa noite e os Magos

vieram de longe em caravanas de ouro…

“Glória a Deus nas alturas!” Glória ao Cristo!

Maria – Mãe – porém, em prantos e afagos,

temia a sorte de seu filho louro.

. . . . .  . . . .

Em: A Poesia Maranhense no Século XX,  organização  e ed. Assis Brasil, Rio de Janeiro, Sioge/Imago: 1994.

Clóvis Pereira Ramos nasceu em Tabatinga no Amazonas, em 1922. Foi advogado, contador, poeta,  ensaísta, historiador.  Nasceu no Amazonas, mas fez seus primeiros estudos no Maranhão.  Não seguiu a carreira militar depois de se formar pelo Colégio Militar de Fortaleza, ao invés, formou-se em perito contador pela Academia de Comércio do Maranhão. Mais tarde, em 1955, formou-se em direito no Rio de Janeiro.





Ainda bem que só falamos o Português!

8 12 2011

Construção da Torre de Babel, 1260

Iluminura da Bíblia Morgan

[também conhecida como Bíblia Maciejowski]

Pierpoint Morgan Library, Nova York

Pouco damos valor a uma das coisas que mais nos distingue: somos um país de dimensões continentais, que fala uma única língua.  Só um outro país de dimensões continentais tem essa vantagem: os Estados Unidos.  Nem o Canadá, nem a Rússia, nem a China, nem a Índia…. Talvez essa tenha sido uma das melhores e maiores heranças que os portugueses nos deixaram.  Falamos a 6ª língua mais falada do mundo.  O português é uma língua romana, bem estruturada, complexa como todas as línguas romanas, uma língua falada em quatro cantos do mundo.  A vantagem que não percebemos no nosso dia a dia é que nos comunicamos de norte a sul,  sem qualquer problema, com variações regionais mínimas, e que essa herança cultural é uma das partes mais importantes que nos une.   As línguas formam a maneira como pensamos.  Elas refletem as nossas prioridades e os nossos valores.

Esse assunto me veio à mente, hoje, quando li sobre o desenlace da guerra das línguas, na Bélgica, que deixou aquele país por 535 dias (quase dois anos!) sem governo, para finalmente eleger um primeiro-ministro francófono [que fala francês], o primeiro líder francófono em 30 anos.

Aí é que começamos a pensar na nossa sorte, porque a Bélgica tem só 30.528 km2 quadrados e 3 línguas!  Imaginemos, uma área um pouco maior do que o estado de Alagoas, mas menor do que o estado do Espírito Santo, com uma população de 10.7 milhões de habitantes [menos gente que a cidade de São Paulo].  Todos têm a mesma nacionalidade, são obrigados a obedecer às mesmas leis, cantam o mesmo hino nacional, lutam nas guerras lado a lado, mas não se entendem,  não se unem, por causa da barreira linguística [economia, religião e geografia também entram na lista das barreiras].  Mas consideremos só as línguas, — que é a maneira como eles definem o problema — são três delas: francês, flamengo e alemão.  Para ilustrar as dificuldades dessa barreira, vamos usar o exemplo do primeiro-ministro eleito, empossado anteontem pelo rei da Bélgica, Alberto II.  Elio Di Rupo, cuja língua materna é o francês, fala fluentemente o italiano e o inglês, mas comete muitos erros — que ferem os ouvidos de seus outros conterrâneos  — quando se esforça para falar o flamengo.  Pelo menos os erros gramaticais dos nossos políticos não são um reflexo de divisões culturais no país.  Eles só refletem o que os políticos não andam fazendo pela educação.








%d blogueiros gostam disto: