Imagem de leitura — Emanuel Phillips Fox

8 03 2012

O caramanchão, 1910

Emanuel Phillips Fox ( Austrália, 1865-1915)

óleo sobre tela

Emanuel Phillips Fox nasceu em Melbourne, Austrália em 1865. Estudou arte na National Gallery School em Melbourne de 1878 a 1886 com o pintor G. F. Folingsby.  Em 1886 viajou para Paris onde se inscreveu como aluno na Académie Julian. Estudou também na École des Beaux-Arts de 1887a 1890 em Parus onde foi aluno de dois dos maiores pintores clássicos da época:com William-Adolphe Bouguereau e Jean-Léon Gérôme. Adotou, depois disso,  o impressionismo e quando retornou à Austrália em 1892 abriu a Melbourne Art School com Tudor St George Tucker, onde ensinou as idéias e tecnicas que havia aprendido na Europa.  Tornou-se um dos mais influentes pintores australianos do início do século XX.  Faleceu em outubro de 1915.





O verde do meu bairro — a alamanda

8 03 2012

Grade de proteção a um edifício com alamanda.

Cá pelas minhas bandas as trepadeiras ornamentais estão tomando conta dos jardins.  Muito popular vermos, por cima das grades que protegem os edifícios, a  Alamanda, ou como minha avó chamava, Dedal de dama.

Gosto bastante do movimento verde dos jardins aqui no Rio de Janeiro.  Muros e gradís estão cada vez mais bonitos, embelezados por uma grande variedade de trepadeiras,  que nessa época do ano – alto verão — derramam um colorido vibrante por sobre o que poderíamos considerar aspectos menos estéticos das cercas, muros e grades de proteção das casas e edifícios.

A Alamanda é uma ótima planta para esse fim.  Eu mesma, quando morei num outro apartamento, num outro edifício, em Copacabana, coloquei a Alamanda “chorando” da fachada dos meus janelões no 10º andar para o andar de baixo.  Planta de muito efeito ornamental, ela precisa, pelo menos por aqui, de pouca atenção, de muito sol, e não pode ser molhada demais.   No meu caso, num longo patamar de 4 metros de comprimento, ela precisava de um pouco mais de atenção, porque estávamos à beira mar e o ar salgado nem sempre incentiva as plantas a darem o melhor de si.

Suas flores, em formato conico  têm 5 pétalas.

Descobri que ela pode ser encontrada em quase todo o território nacional, menos naqueles lugares – e são poucos – cujas temperaturas podem chegar sistematicamente abaixo de 7º centígrados. Ela é uma trepadeira muito utilizada no paisagismo porque não só tem flores bonitas e abundantes, como porque sua folhagem brilhante e espessa, com folhas ovais, pode ser também bastante decorativa. Precisa ser cultivada em pleno sol, em solo fértil, rico em matéria orgânica e com regas regulares.

Agora, prestem atenção, não deve ser plantada onde criancinhas pequenas e filhotes de animais possam querer experimentar comer de suas belas flores e folhas, porque é uma planta tóxica.

—–

Características:

  • Nome Científico: Allamanda cathartica
  • Sinonímia: Allamanda herndersonii
  • Nome Popular: Alamanda, dedal-de-dama, carolina, alamanda-amarela
  • Família: Apocynaceae
  • Divisão: Angiospermae
  • Origem: Brasil
  • Ciclo de Vida: Perene

Para mais informações consulte aqui: O Jardineiro

 Então, que tal sugerir ao seu síndico o plantio dessa bela trepadeira e embelezar também a sua moradia, ou a sua rua?




Palavras para lembrar — Rose Macaulay

8 03 2012

Susie em Chicago, 1993

Carlos Aldana (Guatemala, 1938)

Aquarela, 17 x 25 cm

“Muita gente lê e gosta de ficção.  Não sobrecarrega a inteligência e a inteligência da maioria de nós já está tão sobrecarregada que qualquer material que evite essa imposição é bem-vindo”.

Rose Macaulay





Nesse 8 de março algumas das minhas escritoras favoritas!

8 03 2012

Mulher lendo, s/d

Bertha Wegmann (Dinamarca, 1846-1926)

óleo sobre tela

Hoje, quando comemoramos o Dia Internacional da Mulher faço minha homenagem listando escritoras cujos livros se tornaram favoritos meus nos últimos anos.  Tenho muitos outros na lista de meus favoritos, mas coloquei aqui aqueles que, por razões diversas, voltam a me assediar com imagens, pensamentos, mesmo depois de meses ou até anos da leitura de sua última página. Talvez até seja injusto falar de escritoras.  Devo dizer livros escritos por mulheres que me tocaram por uma razão ou outra.  Vou me limitar aos livros em português, ainda que mais ou menos 50% das minhas leituras seja feita em outras línguas.

Não vou colocar aqui nenhuma ordem de preferência.  Assim a lista vai em ordem democraticamente alfabética.  [É possível que ao longo do dia eu ainda corrija essa lista, pois escrevo diretamente ao blog sem nenhuma premeditação, sem nenhum rascunho.

Ayaan Hirsi Ali

Infiel: a história de uma mulher que dasafiou o islã, Editora Cia das Letras: 2007

Doris Lessing

As avós — Editora Cia das Letras: 2003

Fal Azevedo

Minúsculos assassinatos e alguns copos de leite — Editora Rocco: 2008

Felipa Melo

Este é meu corpo — Editora Planeta do Brasil: 2004

Frances de Pontes Peebles

A costureira e o cangaceiro — Editora Nova Fronteira: 2009

Gina B. Nahai

Chuva Dourada – Editora Ediouro: 2007

Maria Dueñas

O tempo entre costuras — Editora Planeta do Brasil: 2010

Muriel Barbery

A elegância do ouriço — Editora Cia das Letras: 2008

Rosa Montero

A louca da casa, Editora Agir: 2003

História do rei transparente, Editora Ediouro: 2006

Xinran

Enterro Celestial,  Editora Cia das Letras: 2004





O trenzinho, poesia infantil de João de Deus Souto Filho

8 03 2012

Trenzinho, ilustração de Dean Bryant.

O trenzinho  

João de Deus Souto Filho

O trenzinho piui
Apita aqui e ali
Levando gente
Levando carga
Levando graça
Pro meio da praça


O trenzinho piui
Apita aqui
E apita ali
Piui, piui,
Piuipiriripipi!!!

Em: Jornal de Poesia

João de Deus Souto Filho, Geólogo e educador. Nasceu em 1957 na cidade de Carolina, MA.  É formado em Geologia pela Universidade Federal da Bahia, pós-graduado em Geo-Engenharia de Reservatórios de Petróleo pela UNICAMP (1994), Formado em Letras (Licenciatura) pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (1999). Desenvolve trabalho sobre a importância da formação de uma consciência de preservação dos recursos hídricos.

Obras infantis:

O quintal do Seu Nicolau, 1992

O aprendiz de jardineiro, teatro, 1992

O passeio da Cinderela, teatro, 1992

Brincadeira de palavras, inédito

Na ponta da pena, inédito.








%d blogueiros gostam disto: