Imagem de leitura — Elisabeth Vigée-Lebrun

9 03 2012

Retrato de Viscondessa de Vaudreuil, 1785

Elisabeth Vigée-Lebrun ( França, 1755-1842)

óleo sobre madeira

Marie Elisabeth-Louise Vigée-Lebrun nasceu em Paris em 1755.  Seu pai, de quem recebeu as primeiras instruções, era pintor.  Depois ela se tornou aluna de Gabriel François Doyen, Jean-Baptiste Greuze, Claude Joseph Vernet, entre outros mestres do período. Tornou-se profissional, pintando retratos profissionalmente, ainda adolescente.  Tornou-se o artistas plástico mais famoso do início a meados do século XVIII.Em 1776, casou-se com Jean-Baptiste-Pierre Le Brun, um pintor e negociante de arte. Vigée-Le Brun deixou um legado de 660 retratos e 200 paisagens. Faleceu em 1842.





Palavras para lembrar — Jeremy Collier

9 03 2012

A pequena lua amarela, s/d

Denis Chiasson (Canadá, contemporâneo)

óleo sobre tela, 60 x 30 cm

“Os livros nos dão apoio na nossa solidão e nos livram de sermos um peso para nós mesmos”.

Jeremy Collier





Quadrinha da língua portuguêsa

9 03 2012

Nossa terra e a terra lusa,

Na doce língua que as liga,

São cordas nas mãos da musa,

Cantando a mesma cantiga.

 –

(Dorothy Jansson Moretti)

 





O lobisomem, texto de Gustavo Barroso

9 03 2012

O lobisomem

Gustavo Barroso

Uma das crenças mais corriqueiras dos nossos sertões é, certamente, a dos lobisomens. Raro é o homem do nosso campo, maximé nas regiões do Nordeste, que piamente não acredita nas façanhas dos lobisomens.

Na sua opinião, todos os homens muito pálidos, opilados, que eles chamam de “amarelos”, “empambados” ou “comelonges”, transformam-se em lobisomens nas noites de quinta para sexta-feira.  Para esse efeito, viram a roupa às avessas, espojam-se sobre o estrume de qualquer cavalo ou no lugar em que este espojou.  Crescem-lhe logo as orelhas, que caem sobre os ombros e se agitam como asas de morcegos. A cara torna-se horrível, meia de lobo, meia de gente. E os infelizes saem correndo pelas estradas, loucamente, a rosnar, cumprindo o seu fado.

Contam no sertão cearense que uma mulher era casada com um homem “amarelão” e ia uma feita de viagem com ele, a pé, por um lugar deserto. Era noite de quinta para sexta-feira e fazia luar. Estavam hospedados debaixo de uma árvore, onde tinham pendurado as redes. Alta noite, ela, acordando, viu o esposo levantar-se e entrar no mato. Pensou que ele fosse a qualquer necessidade e não ligou importância ao fato. Tornou a adormecer. Acordou com o barulho que em torno fazia uma fera e viu, horrorizada, o monstro meio lobo, meio gente, que avançou para ela e lhe dilacerou furiosamente o xale de lã vermelha com que se cobria. Gritou, apavorada, pelo marido, que custou muito a aparecer.  O tal monstro, felizmente, fugiu ao seu primeiro grito.

O esposo disse não acreditar na história e que tudo não passara de um sonho. Entretanto, ao outro dia, chegando em casa, o homem dormia a sesta. Ela olhou-o uma vez, ao passar junto da sua rede.  Estava de boca aberta e entre os dentes havia fiapos de lã vermelha do seu xale. Fora ele o lobisomem.

Em: Criança Brasileira: admissão e 5ª série, Theobaldo Miranda Santos, Rio de Janeiro, Agir: 1949.

Vocabulário:

Corriqueiras – comuns; habituais

Maximé – principalmente

Piamente – ingenuamente

Espojam-se – lançam-se; rebolam-se

Estrume – esterco, dejeções

Feita – ocasião, vez

Gustavo Dodt Barroso (Fortaleza, CE, 1888 — Rio de Janeiro, RJ, 1959) Advogado, professor, político, contista, folclorista, cronista, ensaísta e romancista. Membro da Acadêmia Brasileira de Letras.








%d blogueiros gostam disto: