Palavras para lembrar — James Bryce

6 04 2012

Coucou, 2010

Françoise Collandre (França)

acrílica sobre tela,  73 x 60 cm

O valor de um livro é para ser medido pelo que se retira dele”.

James Bryce





Uma verdadeira história de re-nascimento, para nos alegrar nessa Páscoa!

6 04 2012

Quatro dos dezoito patinhos zarros de Madagascar, nascidos em cativeiro.

Dezoito patinhos, filhotes de zarros, os patos selvagens mais raros do mundo, nativos de Madagascar e em processo de extinção, nasceram ontem em um centro de reprodução em cativeiro, onde estão sendo monitorados. Com esse pequeno número de filhotes, cientistas deram um passo incrível para a recuperação da espécie, já que com esta “explosão populacional”, aumenta-se em 30% toda a população mundial conhecida, do gênero Aythya innotata, hoje  reduzida a 60 patos adultos.

No final dos anos 90, cientistas acreditavam que os zarros de Madagascar estivessem extintos.  No entanto, alguns espécimes foram redescobertos em 2006, depois que uma expedição ao Lago Matsaborimena – também conhecido como Lago Vermelho – revelou a existência de 22 zarros.  Só 22 desses patos cor de canela que pareciam livres na natureza.

Os grupos Wildfowl and Wetlands Trust e Durrell Wildlife Conservation Trust, que coordenaram o projeto de reprodução, disseram que esse tipo de iniciativa pode salvar as espécies em extinção.  As duas entidades de conservação da natureza lançaram uma missão de emergência para garantir a sobrevivência da espécie em 2009. O objetivo era coletar ovos para começar um programa de reprodução em cativeiro. Eles pegaram 24 ovos dos ninhos do Lago Matsaborimena. Inicialmente os ovos foram sendo chocados dentro de uma banheira de hotel, enquanto o centro de reprodução estava sendo construído em Antsohihy, na ilha próxima da costa da África.

Os filhotes que nasceram nestas condições inusitadas agora estão dando à luz a sua primeira ninhada. “Estes patinhos representam um passo incrível na luta para salvar os zarros da extinção“, diz o biólogo Glyn Young, da Durrell Wildlife Conservation Trust.

Ambientalistas dizem que a espécie continua a ser extremamente vulnerável à extinção de eventos únicos como a poluição ou surto da doença.

Dr. Glyn Young, um biólogo de conservação com Durrell Wildlife Conservation Trust, um dos parceiros no programa de melhoramento, disse: “Sete anos atrás, as pessoas pensavam que este pássaro já estivesse extinto, mas a descoberta de uma população pequena e agora a chegada desses patinhos levou a esperança real de que as aves possam um dia voltar à natureza novamente.”

O projecto de conservação, que também envolve o Wildfowl e Wetlands Trust (WWT), o Fundo Peregrine, Asity Madagascar e o governo de Madagáscar, estuda a população selvagem de zarros para entender por que ela está em declínio e onde seria o melhor lugar para liberar o grupo de criado em cativeiro.

Entre as preocupações dos cientistas  está a taxa de sucesso muito baixa de reprodução, quando deixados à natureza, por exemplo, no Lago Matsaborimena, o último lugar natural e selvagem onde eles se congregaram.

Peter Cranswick, diretor de recuperação de espécies em WWT, disse: “Embora Lake Matsaborimena seja o último esconderijo para os patos, está longe de ser ideal como um habitat.  Nossas investigações iniciais sugerem que há pouco alimentoe isso pode ser responsável pela baixa sobrevivência dos patinhos, nascido no lugar. Na verdade, eles estão morrendo de fome”

Cranswick disse que a equipe havia identificado alguns lagos onde as condições físicas eram potencialmente boas  como lugares reprodutores para os zarros.  Mas como acredita-se que a pesca  seja um fator responsável pelo declínio da população de patos zarros  e as comunidades locais dependem da pesca, o sucesso de um esquema de reintrodução dos patos à natureza depende de apoio local, das comunidades e de se encontrar uma solução que beneficie a moradores e aos pássaros.

Fontes: Terra, The Daily Mirror








%d blogueiros gostam disto: