Dia de Tiradentes, 21 de abril, quadrinhas para uso escolar

20 04 2012

Liberdade ainda que tardia…

Dia de Tiradentes

quadrinhas para comemorar o Dia de Tiradentes

Por ter sido descoberto

Por Pedro Alvares Cabral,

O Brasil, caros colegas,

Pertenceu a Portugal.

Ouvi dizer que homens bravos.

Chefiados por Tiradentes,

Receberam nesse tempo,

O nome de inconfidentes.

Os nossos inconfidentes

Nutriam um ideal:

Desejavam separar

O Brasil de Portugal.

Joaquim Silvério dos Reis

Traiu os inconfidentes,

Destruindo dessa forma,

O sonho de Tiradentes.

No dia Vinte-e-Um de Abril,

Sob vivas estridentes,

Foi, no Rio de Janeiro,

Enforcado Tiradentes.

O exemplo que Tiradentes

Nos deu a Vinte-e-um de Abril

É a página mais linda

Da História do Brasil.

Quadrinhas para uso escolar de Walter Nieble de Freitas.





Palavras para lembrar — Sutton Elbert Griggs

19 04 2012

Romance (2),  2006

Miháy Bodó ( Hungria, 1957)

óleo sobre tela, 130 x 162cm

www.artebodo.com

“Às vezes necessitarmos de mais coragem para ler alguns livros do que para lutar na guerra”.

Sutton Elbert Griggs





Cabral, poema de Raquel Naveira

19 04 2012

Cabral

(a Pedro Álavares Cabral)

Cabral,

Navegador,

Bom soldado,

Cristão,

Leal,

Chefe ideal

Da esquadra de Portugal.

Partiram as treze naus,

Semanas e semanas no oceano,

Com medo de dragões,

Serpentes aladas

Que brotavam dos sonhos maus.

As caravelas ligeiras

Singravam os mares,

Uma sumira;

De repente, algas marinhas,

Aves nos ares,

De terra à vista,

O sinal.

Em: Casa e Castelo, Raquel Naveira, São Paulo, Escrituras: 2002, [Poemas dos livros Casa de Tecla e Senhora].





Imagem de leitura — Didier Lourenço

19 04 2012

O livro

Didier Lourenço (Espanha, 1968)

óleo sobre tela, 127 x 198 cm

Didier Lourenço nasceu em Premia de Mar, próximo a Barcelona, na Espanha,  em 1968.  Começou sua vida artística no ateliê de gravuras de seu pai, aprendendo a arte da litografia a partir de 1987.  Simultaneamente começou a pintar em tela e sobre papel, e passou a fazer parte da cena artística catalã.  Em 1988 fez sua primeira exposição solo e publicou a primeira série de litografias de seu trabalho.   Hoje é um artista plástico conhecido por sua pintura, suas litogravuras e esculturas.





Fábula: A raposa e as uvas, texto de Monteiro Lobato

18 04 2012

A raposa e as uvas, ilustração JACOT.

A raposa e as uvas

Certa raposa esfaimada encontrou uma parreira carregadinha de lindos cachos maduros, coisa de fazer vir água à boca. Mas tão altos que nem pulando.

O matreiro bicho torceu o focinho.

Estão verdes — murmurou. Uvas verdes, só para cachorro.

E foi-se.

Nisto deu o vento e uma folha caiu.

A raposa ouvindo o barulhinho voltou depressa e pos-se a farejar…

Quem desdenha quer comprar.

Em: Fábulas, Monteiro Lobato, São Paulo, Ed. Brasiliense:1966, 20ª edição.

José Bento Monteiro Lobato, (Taubaté, SP, 1882 – 1948).  Escritor, contista; dedicou-se à literatura infantil. Foi um dos fundadores da Companhia Editora Nacional. Chamava-se José Renato Monteiro Lobato e alterou o nome posteriormente para José Bento.

Obras:

A Barca de Gleyre, 1944

A Caçada da Onça, 1924

A ceia dos acusados, 1936

A Chave do Tamanho, 1942

A Correspondência entre Monteiro Lobato e Lima Barreto, 1955

A Epopéia Americana, 1940

A Menina do Narizinho Arrebitado, 1924

Alice no País do Espelho, 1933

América, 1932

Aritmética da Emília, 1935

As caçadas de Pedrinho, 1933

Aventuras de Hans Staden, 1927

Caçada da Onça, 1925

Cidades Mortas, 1919

Contos Leves, 1935

Contos Pesados, 1940

Conversa entre Amigos, 1986

D. Quixote das crianças, 1936

Emília no País da Gramática, 1934

Escândalo do Petróleo, 1936

Fábulas, 1922

Fábulas de Narizinho, 1923

Ferro, 1931

Filosofia da vida, 1937

Formação da mentalidade, 1940

Geografia de Dona Benta, 1935

História da civilização, 1946

História da filosofia, 1935

História da literatura mundial, 1941

História das Invenções, 1935

História do Mundo para crianças, 1933

Histórias de Tia Nastácia, 1937

How Henry Ford is Regarded in Brazil, 1926

Idéias de Jeca Tatu, 1919

Jeca-Tatuzinho, 1925

Lucia, ou a Menina de Narizinho Arrebitado, 1921

Memórias de Emília, 1936

Mister Slang e o Brasil, 1927

Mundo da Lua, 1923

Na Antevéspera, 1933

Narizinho Arrebitado, 1923

Negrinha, 1920

Novas Reinações de Narizinho, 1933

O Choque das Raças ou O Presidente Negro, 1926

O Garimpeiro do Rio das Garças, 1930

O livro da jangal, 1941

O Macaco que Se Fez Homem, 1923

O Marquês de Rabicó, 1922

O Minotauro, 1939

O pequeno César, 1935

O Picapau Amarelo, 1939

O pó de pirlimpimpim, 1931

O Poço do Visconde, 1937

O presidente negro, 1926

O Saci, 1918

Onda Verde, 1923

Os Doze Trabalhos de Hércules,  1944

Os grandes pensadores, 1939

Os Negros, 1924

Prefácios e Entrevistas, 1946

Problema Vital, 1918

Reforma da Natureza, 1941

Reinações de Narizinho, 1931

Serões de Dona Benta,  1937

Urupês, 1918

Viagem ao Céu, 1932

———————————-

Esta fábula de Monteiro Lobato é uma das centenas de variações feitas através dos séculos da fábulas de Esopo, escritor grego, que viveu no século VI AC.  Suas fábulas foram reunidas e atribuídas a ele, por Demétrius em 325 AC.  Desde então tornaram-se clássicos da cultura ocidental e muitos escritores como Monteiro Lobato, re-escreveram e ficaram famosos por recriarem estas histórias, o que mostra a universalidade dos textos, das emoções descritas e da moral neles exemplificada.  Entre os mais famosos escritores que recriaram as Fábulas de Esopo estão Fedro e La Fontaine.

——————————





Palavras para lembrar — Garrison Keillor

18 04 2012

Calor, s/d

Anna Oneglia (EUa, 1951)

óleo sobre tela, 80 x 55 cm

www.annaoneglia.com

“O livro é um presente que você pode abrir uma vez e sempre”.

Garrison Keillor





Quadrinha do descobrimento do Brasil

18 04 2012

 

Ilustração de autoria desconhecida.

Cabral olhando o infinito,

Viu um cruzeiro de luz

E chamou a nossa Terra

de Ilha de Santa Cruz.

(Walter Nieble de Freitas)





Palavras para lembrar — W. Fusselman

17 04 2012

Senhora lendo revista, 1999

Willie Birch (EUA, 1942)

“Hoje um leitor, amanhã um líder”.

W. Fusselman





Quadrinha do falatório

17 04 2012

Falatório, ilustração Maurício de Sousa.

A mais tremenda das armas

pior do que a durindana,

atende, meus bons amigos,

se apelida – a língua humana.

(Fagundes Varela)





Imagem de leitura — Alice Neel

13 04 2012

Hubert Satterfield, 1958

Alice Neel (EUA, 1900-1984)

óleo sobre tela

Alice Neel nasceu na Pensilvânia em 1900. Estudou na Philadelphia School of Design for Women à noite, enquanto trabalhava durante o dia para ajudar a manter os pais. Casou-se em 1925 com o pintor cubano Carlos Enríquez, em seguida mudou-se com o marido para Havana.  Mas não permaneceram lá por muito tempo.  Retornaram aos EUA.  Logo, logo se separaram, em 1930, Carlos retornando para Cuba.  A perda de marido e filha, adiconado ao período de Depressão econômica do paísm trouxe à sua pintura  já expressionista um tom ainda mais carregado emocionalmente.  Passado os anos difíceis de repressão econômica, Alice Neel começa a desrutar de algum reconhecimento, tornando-se reconhecida na década de 1960.  Faleceu em 1984 já aclamada entre uma das melhores pintoras americanas.








%d blogueiros gostam disto: