Quadrinha da minha infância

31 05 2012

Brincadeiras de criança, ilustração Anton Pieck.

Dos meus tempos mais risonhos

descubro, agora, os segredos:

– cabia um mundo de sonhos

no meu mundo de brinquedos!

(João Freire Filho)





Palavras para lembrar — Montesquieu

30 05 2012

Senhora lendo, 1916

Maurice Marinot (França, 1882-1960)

óleo sobre tela

“Não conheço nenhum problema que uma hora de leitura não alivie”.

Charles de Montesquieu





Quadrinha da paz interior

30 05 2012

Até logo, ilustração de Marcel Marlier de 1953.

Caminhei por longa estrada

em busca de um pouso amigo.

Descobri na caminhada:

descanso é ter paz consigo.

(Miguel J. Malty)





Imagem de leitura — János László Aldor

29 05 2012

Sonhando acordada, s/d

Janos László Aldor (Hungria, 1895-1944)

óleo sobre tela, 64 x 98 cm

Janos László Aldor nasceu em Nagyimánd,na Hungria em 1895. Em 1919 concluiu o curso de arquitetura, mas como pintor foi autodidata.  A partir de 1914 começou a expor seus quadros regularmente.  Ficou conhecido pelos retratos de mulheres.  Faleceu em 1944.





Quadrinha do destino humano

29 05 2012

Tio Patinhas está apaixonado, ilustração Walt Disney.

Há nos destinos humanos
diferenças capitais.
Se muito sofre quem ama
quem não ama sofre mais.


(Osório Dutra)





Palavras para lembrar — Dawn Adams

29 05 2012

Berna lendo, 1997

Frank Leenhouts (Holanda, 1955)

óleo sobre tela, 60 x 50 cm

www.frankleenhouts.net

“Mostre-me os livros de que ele gosta e eu conhecerei o homem bem melhor do que através de seus amigos mortais”.

Dawn Adams





Berço, poesia de Bernardino Lopes

29 05 2012

O tropeiro na escadinha de São Chico de Baixo, década de 1980

Alberto Braga (Brasil, ?-?)

óleo sobre tela, 50 x 40 cm

Berço

B. Lopes

Recordo: um lago verde e uma igrejinha,

Um sino, um rio, um pontilhão, e um carro

De três juntas bovinas que ia e vinha

Rinchando alegre, carregando barro.

Havia a escola, que era azul e tinha

Um mestre mau, de assustador pigarro…

(Meu Deus! que é isto? que emoção a minha

Quando essas cousas tão singelas narro?)

Seu Alexandre um bom velhinho rico

Que hospedara a Princesa; o tico-tico

Que me acordava de manhã, e a serra…

Com o seu nome de amor Boa Esperança,

Eis tudo quanto guardo na lembrança

Da minha pobre e pequenina terra!

Em: Poesia Brasileira para a Infância, Cassiano Nunes e Mário da Silva Brito, São Paulo, Saraiva:1968.

Bernardino Lopes, pseudônimo B. Lopes (Rio Bonito, RJ, 1859 — RJ,1916) foi um poeta brasileiro de diferentes tendências literárias na passagem do século XIX ao XX.  Foi funcionário do Correio Geral,  Membro da boemia intelectual carioca foi um poeta de transição do fim do romantismo.  Ficou muito conhecido pelos seus sonetos parnasianos.  Tem grande afinidade com os simbolistas.

Obras:

Cromos (1881) – 2ª Edição 1896

Pizzicatos – “Comédia Elegante” (1886)

D. Carmen, (1894)

Brasões (1895)

Sinhá Flor (1899)

Val de Lírios (1900)

Helenos (1901)

Plumário (1905)

Poesias Completas (1945)





Imagem de leitura — Charles A Buchel

28 05 2012

Ursula Bloom num passeio a Walton-on-the-Naze, 1932

Charles A Buchel (Alemanha, 1872 – Inglaterra, 1950)

óleo sobre tela

Charles August  Buchel nasceu em Mainz, na Alemanha em 1872, mas emigrou para a Inglaterra ainda criança. Estudou arte na Royal Academy Schools. Trabalhou por muito tempo como artistia gráfico, desenhando programas teatrais, cartazes publicitários, programas de teatro.  Também se dedicou às ilustrações para revistas de teatro.  Por ter trabalhado junto ao teatro acabou sendo conhecido como o retratista do mundo teatral de sua época.  Ursula Bloom, retratada acima era uma conhecida novelista. Talvez tenha sido responsável pela primeira representação gráfica de Peter Pan, em um cartaz para a peça teatral em 1904.   Faleceu em 1950.





Quadrinha dos erros de português

28 05 2012

Pato Donald lê carta, ilustração Walt Disney.

As suas cartas, Senhora,

releio-as de quando em vez,

mas nelas só vejo agora

os erros de português…

(Paulo Emílio Pinto)





Uma encontro com Chaia Zisman

28 05 2012

Hilary at Kalkan, 2010

Austen Pinkerton (Inglaterra, contemporâneo)

Acrílica sobre tela, 30 x 40 cm

Em um apartamento do Rio de Janeiro com vista para um dos pontos mais conhecidos pelos turistas, a Praça General Osório em Ipanema, a escritora Chaia Zisman recebeu o nosso grupo de leitura [Papa-livros] para um bate-papo numa tarde ensolarada de maio.  Esta foi uma ocasião especial.  Não é sempre que temos a oportunidade de nos encontrar, face a face, pergunta a pergunta, com alguém cujo livro lemos e discutimos nos nossos encontros.  O Espelho de Chaia Zisman havia sido a nossa leitura de abril deste ano, e por causa do contexto histórico esse romance  havia atiçado a nossa curiosidade sobre a pesquisa feita pela escritora. A parte passada no primeiro século depois do descobrimento havia nos levado a uma longa conversa sobre a escassez de informações sobre a época e queríamos conhecer mais da escritora que nos familiarizara com os primórdios da nossa história.

A medida que conversamos com  a escritora  descobrimos que sua habilidade literária corre paralela à expressão artística através das artes plásticas.  Em ambas sua sensibilidade é notável.  Formada em Direito pela Faculdade Nacional do Rio de Janeiro, Chaia Zisman depois de anos de prática desistiu da carreira de advogada em parte porque sua veia artística não podia mais ser calada, não podia mais ser contida.  Dedicou-se às artes tendo frequentado o Instituto de Artes Visuais do Parque Lage,  aqui no Rio de Janeiro.  Seus quadros a óleo na sala de estar do apartamento dão testemunho à habilidade da pintora de veia expressionista, senhora de uma palheta vibrante e alegre.  Mas, surpreendentes foram suas xilogravuras policromadas que alargam, dão espaço, empurram os limites da gravura em madeira, frequentemente caracterizados por tonalidades de grande contraste.  As gravuras de Chaia Zisman  têm nuances de cor e de traçado, de grande sofisticação e beleza.

No entanto, a vida interferiu.  Chaia precisou se desfazer do espaço que dedicara ao seu ateliê, enquanto demandas familiares requisitaram sua total atenção por um longo período.   Como passatempo, nessa época, resolveu escrever alguns causos de família, agrupados numa publicação privada para dar de presente a todos.  Foram 100 cópias.  Só.  Mas uma acabou nas mãos de um editor, que reconhecendo o valor de uma narrativa bem feita, tornou esse passatempo no primeiro livro da escritora. Lá se foram mais 3.000 cópias.  Iniciava-se assim, auspiciosamente, a escritora de O Espelho.

A saga da família do judeu português Emanuel Oliveira ,que começa na Europa antes do Brasil ser descoberto, mas continua aqui no Brasil pelas  gerações seguintes até o século XX, é narrada com riqueza de detalhes e  grande dinâmica.  O romance, publicado em 2006, foi até o momento, a última aventura literária da escritora carioca, que consultou de tudo um pouco, de publicações estrangeiras a teses de doutoramento para poder situar o mais corretamente possível seus personagens em situações verossímeis sem trair os fatos históricos. O fio condutor dessa  aventura, que compreende cinco séculos, são os espelhos ricamente adornados, verdadeiras joias trabalhadas com pedras preciosas que Emanuel dá às suas três filhas.  Acompanhamos os destinos desses espelhos e quando chegamos à costa brasileira, começarmos a refletir sobre as fortes raízes de origem cristã-nova e judaica da cultura brasileira.

Chaia Zisman

Quando perguntada sobre seu próximo romance, Chaia Zisman nos disse que “ele está pronto, no computador, mas ainda não sei se irei publicá-lo”.  O segredo é a alma do negócio em qualquer lugar do mundo, por isso esperamos que o novo romance chegue às livrarias em breve.  Fãs da ficção de Chaia Zisman aqui no Brasil e no exterior nós sabemos que existem às centenas.  A própria autora se surpreendeu com a boa recepção que teve nas universidades americanas.  Agora só nos resta esperar.  Enquanto o fazemos podemos nos entreter e aprender muito também com seus outros romances históricos: Além do Tempo de 1997 ou Estórias que fazem história, de 1993, que como sua mais recente obra também vêm repletos de vinhetas retratando não só o comportamento social de uma época como verdadeiros sketches psicológicos de personagens, ricos o suficiente para dar asas à imaginação de quem os lê, como se fossem sementes de futuros contos ou histórias.

A gentileza e tranquilidade com que Chaia Zisman nos recebeu, acompanhada de sua cadelinha Vida,  nos deixou gratos.  E a maneira singela como nos contou de sua vida como artista plástica e escritora serviram para mostrar que de fato a escritora demonstra no seus dia a dia as raízes profundas da tradição oral de contar histórias da qual a cultura judaica tanto precisou se valer para manter a identidade cultural através dos séculos.  Essa habilidade com a palavra continua viva, com passagens bastante interessantes.  Lembram-nos que é sempre um prazer conversar com pessoa tão versada.  Na saída desejamos que esse tenha sido apenas um até logo, e não um adeus; que voltaremos em breve para conversar sobre seu novo romance.








%d blogueiros gostam disto: