Palavras para lembrar — Arthur Schopenhauer

25 05 2012

Sem título, 1896

Paul Charles Chocarne Moreau (França, 1855-1931)

óleo sobre tela

“Ler é equivalente a pensar com a cabeça de outrem no lugar da sua própria”.

Arthur Schopenhauer





Quadrinha do bombeiro

25 05 2012

Bolinha vai apagar incêndio, ilustração de Marjorie Henderson Buell.

Mesmo quando o fogo o abrasa,
o bombeiro com cuidado,
salva a tudo,numa casa,
por ser sempre bem treinado.

(Clevane Pessoa de Araújo Lopes)





Imagem de leitura — Linda Apple

25 05 2012

Tradição, 2010

Linda Apple (EUA)

óleo sobre tela 30 x 30 cm

www.applearts.com

Linda Apple nasceu nos Estados Unidos e cresceu no estado de Ohio.  Desde cedo gostava de desenhar e pintar.  Sua família lhe deu apoio para a carreira artística.  Estudou na Faculdade Columbus of Art & Design, graduando-se em 1964.  Viajou pela Europa: França, Itália, Grécia, Suécia e também pelo México, Canadá e no sudoeste dos EUA. Nos últimos 40 anos, seu trabalho ganhou reconhecimento internacional.





O conselho do Doutor Doido, conto tradicional brasileiro

25 05 2012

Contando histórias, ilustração de Maurício de Sousa.

O conselho do Doutor Doido

Um rapaz rico e solteiro desejava casar-se e começou a procurar noiva.  Um dia mandou preparar sua carruagem e passou por uma rua da cidade. Mandou parar, desceu e entrou numa casa.  Saiu uma mulher bonita e agradável.

— Senhora dona, me alcance um copo d’água!

A mulher foi buscar um copo d’água e agradou muito o rapaz que ficou satisfeito. Voltando para casa pensou em casar com ela.

No outro dia foi pedir água numa outra casa e saiu-lhe uma mulher ainda mais bonita e mais agradável. O rapaz ficou contente e achou que devia casar com ela.

No outro dia foi pedir de beber num rancho de palha onde foi servido por uma mocinha muito acanhada e bem parecida. O rapaz ainda gostou mais desta do que das outras. Para decicir procurou o padre vigário e pediu um conselho. O sacerdote disse:

— Vá procurar o Doutor Doido na Cidade Fulana. Ele não presta atenção a ninguém e vive passeando para lá e para cá, numa calçada. Diga o que quer e ouça o que ele disser.

O rapaz tomou sua carruagem e tocou-se para a Cidade Fulana. De tarde um criado do hotel levou-o para a tal rua onde ele viu o Doutor Doido andando para cima e para baixo, falando alto. O rapaz aproximou-se e contou o seu caso.

— Estou querendo casar e achei três mulheres que me agradam. Uma é mulher dama, outra uma viúva e a terceira uma moça donzela. Com quem devo dar a mão de esposo?

O Doutor veio cá e foi lá, e sem parar a marcha, respondeu:

— Quem sempre foi, sempre é. Besta velha não se acostuma em pasto novo! Quem nunca foi, vai-se fazer!

O rapaz tomou a carruagem, voltou e casou com a moça.

***

Em: Contos Tradicionais do Brasil (folclore), Luís da Câmara Cascudo, Rio de Janeiro,Ediouro: 1967

 

 








%d blogueiros gostam disto: