Pintor Rafael Falco, ilustrador da Revista Caça e Pesca

9 07 2012

Jaguatirica na árvore, Capa da Revista Caça e Pesca de abril de 1943, ilustração de Rafael Falco.

Quando hoje fazemos uma pesquisa sobre qualquer assunto, a primeira ideia que nos chega é consultar a internet.  Lá, deve haver alguém que se preocupou com o assunto que nos aflige.  Nem sempre é o caso.  Principalmente quando tratamos das artes visuais no Brasil. Há pouca informação. Não é de todo culpa daqueles que usam a internet, nem é  por falta de interesse. É que temos que nos reeducar.  Aprender a dividir conhecimentos, algo raro num país em que por tantos séculos o saber, o conhecimento eram a maneira de se manter classes sociais distintas.  Somar forças ainda é a melhor maneira de se combater um mal. Ainda bem que a internet chegou, democratizando a cultura.  Sem ela, a postagem de hoje não existiria não fossem os esforços de muitos e principalmente de duas pessoas: 1) do artista plástico, arquiteto, mestre em arqueologia pelo MAE/USP, Paulo Araújo de Almeida.  Dele são todas as fotos das capas das revistas Caça e Pesca.  2) ao médico e cirurgião Benedito Martins de Lacerda, descendente de Rafael Falco, cujas pesquisas sobre a família e o paradeiro das obras de Falco contribuíram para essa postagem e ainda irão aumentar o nosso conhecimento sobre esse pintor brasileiro no futuro. Dele são alguns dados pessoais sobre a famíia do pintor.  A minha pesquisa se resumiu até hoje a uma ida à Biblioteca Nacional onde minhas esperanças de maior informação não foram de todo vãs, mas ficaram aquém do esperado.  De qualquer maneira, segue aqui o que já se conseguiu a respeito.  Aqueles que estão pegando esse bonde andando, sugiro que leiam as postagens sobre o pintor Rafael Falco nesse blog.

Pesca de rio, Capa da Revista Caça e Pesca de janeiro de 1943, ilustração de Rafael Falco.

Rafael Falco nasceu em Oran, na Argélia em 1885 [Dicinário de Pintores Brasileiros, Walmir Ayala, 2 volumes, Rio de Janeiro, Spala: 1986]. Filho de Gaspar Falco e de Antonia Falco Jaén, ela de família originária de Alicante na Espanha, [informações da família de Rafael Falco]. A família diz que o pai de Rafael foi um soldado Zuavo, do exército francês.  Os zuavos eram soldados da infantaria da Argélia, a serviço do exército francês, desde 1830.  Tinham um uniforme diferenciado e eram todos nascidos na Argélia.  Eram comandados por um militar francês, mas eram argelinos – que na época era território francês.  Como Oran também era uma cidade com grande população de espanhóis – até hoje a influência espanhola pode ser sentida na cidade em sua Plaza de Toros, entre outras construções típicas da região – é possível que tanto o pai como a mãe de Rafael Falco fossem realmente naturais da Argélia, trazendo a cidadania francesa por terem nascido em território de domínio francês. [No entanto, veja ao final do parágrafo a informação que sua neta conseguiu na documentação de imigração.] Se o casal sempre residiu em Oran, ou não, ainda está para ser documentado.   O casal teve seis filhos entre eles Rafael.  A família emigrou para o Brasil a tempo de Rafael Falco passar a infância em Taubaté, onde fez seus primeiros estudos.  Sua neta Isabelle, que generosamente dividiu conosco algumas informações, pesquisou e encontrou documentação em São Paulo sobre a data de chegada da família no Brasil: 1890.  Nesses documentos a família consta como de origem espanhola. Por esses documentos sabemos que Rafael Gaspar Falco tinha cinco anos quando chegou ao Brasil.

Pesca noturna, Revista Caça e Pesca, novembro de 1943, ilustração de Rafael Falco.

“Transferindo residência mais tarde para São Carlos (SP) passou a lecionar na Escola Normal dessa cidade.  Sua tela, ‘Tiradentes ante o carrasco’, exposta no XVI Salão Paulista de Belas Artes, recebeu o Prêmio Prefeitura de São Paulo, e depois de passar alguns anos no Palácio Tiradentes, foi transferida para o Palácio do Planalto, em Brasília, tendo sido aproveitada para ilustrar as notas novas de cinco mil cruzeiros, emitidas pelo Tesouro Nacional.”  [Dicinário de Pintores Brasileiros, Walmir Ayala, 2 volumes, Rio de Janeiro, Spala: 1986].  A família de Rafael Falco menciona que foi um familiar, Emmanuel, sobrinho de Rafael Falco, quem serviu de modelo para Tiradentes nessa obra.

Caça, Revista Caça e Pesca, abril de 1944, ilustração Rafael Falco.

Walmir Ayala em seu Dicinário de Pintores Brasileiros lista as principais coletivas do pintor:

1939 – Salão Paulista de Belas Artes, medalha de bronze, São Paulo (SP)

1940 – Salão Palista de Belas Artes, pequena medalha de prata, São Paulo (SP)

1951 – Salão Paulista de Belas Artes, Prêmio Prefeitura de São Paulo (SP)

1960 – Salão Paulista de Belas Artes, Prêmio Assembléia Legislativa, São Paulo (SP)

1961 – Salão Paulista de Belas Artes, medalha de prata, São Paulo (SP)

1965 – Salão Paulista de Belas Artes, Prêmio Prefeitura de São Paulo (SP)

Caça à onça pintada, Revista Caça e Pesca, junho de 1943, ilustração Rafael Falco.

Já Theodoro Braga, no livro de referências bibliográficas, Artistas Pintores no Brasil, São Paulo, Ed. São Paulo, 1942. lista as seguintes fontes bibliográfcas para Rafael Falco.  Isso quer dizer, para quem não está acostumado com esses termos, ele lista os seguintes artigos que se referem à obra de Rafael Falco.

Catálogo do VII– 1940, Salão Paulista de Belas Artes

Diário Popular, São Paulo, 20 de dezembro de 1939.

Revista da Semana, Rio de Janeiro, 8 de abril de 1939.

Belas Artes, Rio de Janeiro, abril de 1938, nº 35-3, página 3

O Estado de São Paulo, São Paulo, 12 de fevereiro de 1941, página 8

O Revelador, São Paulo, Janeiro de 1942, Ano IX, nº 1

Diário Popular, São Paulo, dezembro de 1941

Grupo Escolar em Taubaté, (São Paulo), 1904

Escola Normal Secundária de São Carlos, SP, 1911

Catálogo VIII — 1942, Salão Paulista de Belas Artes, página 39

Catálogo do V e do VI, 1938-1939, Salão Paulista de Belas Artes

Pescador, Revista Caça e Pesca, agosto de 1943, ilustração Rafael Falco.

A família de Rafael Falco encontrou uma foto do pintor ainda jovem, de 1904, do Clube Taubateense. Mas ainda não a recebi.  A família também já entrou em contato com a escola em São Carlos, que confirmou possuir algumas obras de Rafael Falco, todas no momento em estado precário, necessitando restauro.  Assim, aos poucos talvez possamos reconstituir parte da trajetória desse artista que como muitos outros, foi um competente pintor, que caiu no esquecimento por não estar entre os mais inovadores. No entanto, a nossa história cultural deve uma grande porção a esses artistas que estabeleceram para muitos, alguns princípios estéticos rudimentares.  O caso de Rafael Falco é emblemático de muitos outros artistas que se dedicaram à ilustração para ajudar nas contas do fim do mês. Sua obra talvez tenha sido a única forma de arte que muitas pessoas, menos ligadas aos movimentos artísticos, tenham conhecido, entre elas caçadores e pescadores que viram, que entraram em contato, mês após mês, com as capas bem feitas, ilustrativas da época.

Já está mais do que estabelecido, fora do Brasil, que foram ilustradores — aqueles responsáveis pelas capas de revistas de grande circulação —  que acabaram estabelecendo uma linguagem estética que aproximava a pessoa comum das obras de arte.  Exemplos existem às centenas desses “educadores visuais”: Norman Rockwell, William Morris, Beatrix Potter, George Barbier, entre muitos e muitos outros.  Alguns, como o pintor surrealista belga René Magritte, dedicaram-se não só às páginas de revistas, mas às capas de partituras musicais, folhinhas, rótulos de bebidas, cartazes e assim modificaram, ajustaram, formaram o gosto do público à sensibilidade estética da época.

Ataque de porcos do mato, Capa da Revista Caça e Pesca, setembro de 1941, ilustração de Rafael Falco.

Falta no Brasil um levantamento dedicado a esses trabalhadores incansáveis.  Falta reconhecimento de sua importância como linha de frente na batalha da educação estética.

Não dá para sabermos ainda as técnicas de trabalho de Rafael Falco.  Muitos de sua geração usavam a aquarela sobre papel — que melhor se ajustava às necessidades de impressão a cores das capas de revistas.  Grande parte dos ilustradores em outros países usam a aquarela.  Mas recentemente tive acesso aos trabalhos do ilustrador Henry [Hy] Hintermeister, nascido na Suiça, que tendo emigrado para os Estados Unidos, fazia algumas cenas quase cômicas de suas ilustrações bastante divulgadas nos anos 1920 a 1950 — como capas de revistas — em óleo sobre canvas.  Isso não é tão comum.  Qualquer informação sobre a técnica de Rafael Falco será bem-vinda e eventualmente partilhada por aqui.

Agradeço mais uma vez a Paulo Araújo de Almeida, a Benedito Martins de Lacerda e a Isabelle Polz que generosamente dividiram suas informações para que essa postagem ficasse mais completa.

Partida, Revista Caça e Pesca, janeiro de 1943, ilustração Rafael Falco.

—–

NOTA: O nome do pintor pode aparecer como Rafael Falco, Raphael Falco ou Raphael Gaspar Falco.  Para quem quiser aprofundar a pesquisa essas três variações precisam ser testadas.  Como todos os documentos de época também eram na sua maioria escritos à mão há que decifrá-los.  Também há possibilidade de erros na transcrição de um documento para outro pode gerar diferenças em como se escreve um nome ou sobrenome.








%d blogueiros gostam disto: