Sem melar as mãos, poesia infantil de Francisco Azevedo

4 08 2012

Margarida toma sorvete, ilustração de Maurício Sousa.

Sem melar as mãos

Francisco Azevedo

Nesta vida

a gente vai tomando sorvete

como pode.

O pescoço torto

lambe em volta

pra não cair respingo.

De repente, suspense:

a língua salva

em segundos

o excesso que escorre.

Os olhos não enxergam

um palmo adiante do nariz:

riscos e cuidados

sujeira por um triz.

Ao final

(Mesmo de colher)

só os raros chegam

sem melar as mãos.

— Me alcança um guardanapo, vai.

(New York, 1982)

Em: A casa dos arcos, Francisco Azevedo, Paz e Terra: 1984, Rio de Janeiro

Francisco José Alonso Vellozo Azevedo, (Rio de Janeiro, RJ , 23/2/1951) –  formado em direito, diplomata, escritor, roteirista, cinematógrafo e poeta.

Obras:

Contra os moinhos de vento, poesia e prosa, 1979

A casa dos arcos, poesia, 1984

O arroz de palma, romance, 2008

Doce Gabito, romance, 2012

Unha e carne, teatro

A casa de Anaïs Nin, teatro


Ações

Information

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s




%d blogueiros gostam disto: