Os vaqueiros, texto de Ariosto Espinheira

14 08 2012

Boiadeiro, s/d

Zélio Andrezzo (Brasil, 1948)

Óleo sobre tela

O vaqueiro

Ariosto Espinheira

Nos campos de criação de nossa terra vivem homens simples e bons, que cuidam de nossos rebanhos. São os campeiros e os vaqueiros, que moram em cabanas de madeira ou de barro, cobertas de palmas de coqueiros, ou de sapé.

De perneiras, calças largas, guarda-peito, gibão (espécie de casaco curto) e chapéu de couro curtido; cinto de couro donde pende a faca comprida; uma longa vara com ponta de ferro; montados em cavalos pequenos e fortes; pernas descansadas nas pontas dos pés, presos aos estribos de ferro batido; guampa (chifre trabalhado a canivete, preso por uma tira de couro, que serve de copo) e laço, pendurados na sela, os campeiros e os vaqueiros passam os dias, e às vezes as noites, vigiando os animais que pastam.

Se algum animal foge ou se a boiada debanda, os vaqueiros correm velozes, sem ver os perigos, vencendo todos os obstáculos, até cercar e reunir todos os animais.

Viajam, às vezes, dias e dias, conduzindo o gado para os matadouros, onde é morto para fornecer carne e outros produtos às cidades.

Nas horas de descanso, os vaqueiros tocam a viola e a flauta, cantando e fazendo desafios. São homens destemidos, que vivem sem o conforto das cidades, debaixo de sol escaldante, com poucos recursos, trabalhando pela nossa terra.

Em: Criança Brasileira, admissão e 5ª série, Theobaldo Miranda Santos,  Rio de Janeiro, Editora Agir: 1949.





Palavras para lembrar — Fortune Magazine

14 08 2012

Tyler e o pai, hora da leitura, 1990

Stephen Arthur Gjertson (EUA, 1949)

óleo sobre tela

“Algumas pessoas mentem, roubam e traem para subirem na vida… e pensar, que tudo que precisam fazer é LER.”

Fortune Magazine





Quadrinha da casa onde cresci

14 08 2012

Ilustração Lívia.

Recordo o velho sobrado…
meus pais… a infância inocente…
e as essências do passado
vão perfumando o presente!…

(Arlindo Tadeu Hagen)








%d blogueiros gostam disto: