A Boneca — poesia de Presciliana Duarte de Almeida

30 10 2012

Bonecas, ilustração de Maud Taub.

A Boneca

    A Bemvinda Feitosa

Que boneca tão bonita
Aquela que ontem ganhei!
Pus-lhe um vestido de chita,
Que eu mesma fiz e cortei.

Seu cabelinho é tão louro
Como cabelo de milho.
Minha boneca é um tesouro,
Tem sapatos e espartilho!

Vou lhe fazer uma cama,
Vou lhe bordar um lençol,
Para tão mimosa dama
Farei fronhas de molmol.

Depois, para o batizado,
Hei de arranjar uma festa:
Um altar muito enfeitado,
Em meio de uma floresta…

Convidarei as amigas
Com quem costumo brincar,
E muito lindas cantigas
Hei de com elas cantar.

Há de haver presunto e bala,
Sorvete para a madrinha,
E desse dia de gala
Minha boneca é a rainha!

Presciliana Duarte de Almeida

Presciliana Duarte de Almeida (MG, 1867 – SP, 1944) Pseudônimo: Perpétua do Valle. Nascida numa família literária, Presciliana era prima de Júlia Lopes de Almeida e Adelina Lopes Vieira.  Vai para São Paulo depois do casamento, onde funda, em 1889, a revista feminista A Mensageira – revista literária dedicada à mulher brasileira.  Colabora na revista Educação, em 1902, e na revista A Alvorada,  em 1909. Participa da fundação da Academia Paulista de Letras em 1909 onde ocupa a cadeira nº 8, escolhendo a poetisa Bárbara Heliodora, sua trisavó, como patrona. Morreu aos 77 anos, em São Paulo, em 1944.

Obras:

Rumorejos, 1890

Sombras, 1906

Páginas Infantis, 1908

O Livro das Aves, 1914

Vetiver, 1939





Palavras para lembrar — Helen Simonson

29 10 2012

Mulher lendo no banho

Chen Bolan ( China, 1955)

óleo sobre tela

“Não importa o que se leia, autores preferidos, assuntos específicos, desde que se leia alguma coisa.  Não é importante nem mesmo possuir livros”.

Helen Simonson





UK: conhecimentos sobre cientistas em declínio

29 10 2012

Luizinho, Zezinho e Huguinho chegam em casa com novidades.  Ilustração de Walt Disney.

Uma recente pesquisa na Inglaterra soou um alarme sobre o ensino das ciências naqueles país. Proporcionalmente, poucos dos 1.000 jovens entrevistados souberam reconhecer alguns dos maiores e mais importantes inventores e descobridores do mundo das ciências, cientistas que revolucionaram nosso entendimento do mundo.  Além disso, esses jovens têm informações erradas sobre diversos inventos científicos.  Uma pequena porção dos resultados dessa pesquisa, feita pela  Haier’s Let Children Dream comparceria do Museu de Ciências do Reino Unido,  foi publicada hoje no jornal The Independent.

Entre os itens que causaram surpresa:

— só 45% dos entrevistados reconheceram Albert Einstein.

— só 37% conseguiram identificar Charles Darwin.

— só 38% identificaram Thomas Edison

— só 25% identificaram Louis Pasteur.

— só 39% identificaram Isaac Newton;

No entanto,

— 68% dos entrevistados conseguiram identificar corretamente Mark Zuckerberg, o criador do Facebook.

Que esse alerta sirva também para os nossos pais e professores? Como anda o seu conhecimento de ciências?

FONTE: The Independent





Pátria, poema de Pedro Canísio Braun

28 10 2012

Pátria

Pedro Canísio Braun

Entre as coisas mais bonitas
De tantas que Deus nos deu
Há uma que se destaca
É a Pátria onde se nasceu.

Pátria não é um sentimento
No sentido figurado
Pátria é um recanto de terra
Que nos deixa enfeitiçado.

Pátria é o ar que se respira
Comida que mata a fome
É a coragem de assinar
Cidadão antes do nome.

Por fim Pátria é a natureza
Campo, serra, sol e mar
Pedaço de céu na terra
Que Deus nos deu para amar.





Helen Simonson e “O Major Pettigrew”, um revolucionário dos costumes sociais

28 10 2012

Aldeia inglesa

Peta Carley ( EUA, contemporânea)

óleo sobre tela

Uma preciosa contribuição à ficção inglesa contemporânea foi feita por Helen Simonson na aventura  passada no interior da Inglaterra, onde um major do exército britânico de 68 anos, aposentado e viúvo, se encontra, para surpresa própria, na expectativa de um novo romance com a dona de uma loja de conveniência em um pequeno vilarejo em Sussex.   A última façanha do Major Pettigrew [Rocco: 2010] é uma narrativa recheada de grande senso de humor, que nos leva do sorriso à gargalhada sonora; onde testemunhamos as dificuldades das decisões apropriadas e os tropeços sociais do protagonista, que por timidez, por limitações da boa educação atrapalha-se quando mais quer impressionar, numa clássica tensão entre desejo de acerto e comportamento social antagônico, como rege a comédia inglesa.

Ainda que pertencente à tradição da comédia de costumes tão bem explorada por Jane Austen,  Major Pettigrew divide com “Mr. Darcy” do romance do século XIX algumas poucas  características: o interesse pela pessoa inesperada; aptidão de ignorar os costumes sociais da época; inabilidade de se expressar da melhor maneira possível em circunstâncias delicadas e a galhardia.   Enquanto em Orgulho e Preconceito sorrimos mentalmente com as observações de “Lizzie”, neste romance, podemos rir às gargalhadas com a deficiência de coordenação entre a vontade e a ação do herói e pretendente amoroso.

A tensão nessa comédia é grande, causada pelo frequente embaraço do personagem.  A pressão entre a situação vivida e a vontade do Major é tanta que muitas vezes Pettigrew lembra em seu comportamento Basil Fawlty, personagem principal do programa Fawlty Towers da BBC, da década de 1970, onde no texto escrito e desempenhado por John Cleese há descompasso semelhante, se bem que na comédia para a televisão as ambições de Basil Fawlty, gerenciando seu pequeno hotel não tenham nada em comum com as situações vividas pelo major aposentado.

Muitos são os herdeiros literários de Jane Austen e eles se diferenciam não só pelo nível da crítica social como também pela época em que escrevem, porque as caracterizações na comédia de costumes dependem disso.  No século XX tivemos, entre outros, duas grandes mestras nessa arte: Barbara Pym e Elizabeth Bowen.  Helen Simonson parece mais relacionada a Barbara Pym.  Não tem o tom às vezes soturno de Elizabeth Bowen.  Como Barbara Pym, Helen Simonson manteve a trama na pequena aldeia, em personagens comuns aos vilarejos ingleses e ainda na característica de que a realidade e os planos feitos pelos personagens quase sempre têm somente um certo grau de sucesso e frequentemente aquele que não era esperado. A arte de retratar as pequenas frustrações do cotidiano de qualquer individuo, sem cair no dramalhão ou no ridículo é uma das características mais cativantes da literatura inglesa desse gênero.  Vidas prescritas pelas circunstâncias sociais, a traição de segredos mantidos a sete chaves, a transformação das vidas de personagens quando forças incontidas sobem à superfície são alguns dos pontos em comum entre todas essas escritoras.  A mestria das meias-palavras, do ofuscamento, das reticências, tão tipicamente ingleses, são nuances que nem sempre conseguem ser transportadas para outra língua ou cultura.  E aqui se faz necessário aplaudir a excelente tradução de Waldéa Barcellos que não poupa esforços para transmitir a insinuação maldosa dos personagens, o artifício literário  do não dito pelo dito.

Helen Simonson

Além do tremendo senso de humor, da análise sagaz de tipos que todos nós conhecemos, há outros aspectos que fazem dessa publicação um deleite.  Este romance é sobretudo contemporâneo nas situações, nos preconceitos, na realidade de uma Inglaterra pós império colonial.  Ter que aceitar súditos de países colonizados está na agenda social de todos  os países europeus colonizadores que no final do século XX, por causa da integração na Comunidade Europeia, tiveram que abdicar de suas colônias na África e na Ásia.  Cada um fechou o domínio colonial de maneira diferente, mas todos tiveram que aceitar em seu território muitos cidadãos que não tinham o perfil visual e cultural dos países sede.  Consequentemente temos na Europa hoje a abundância de coloridos de peles, de religiões outrora estrangeiras, de costumes alimentares diferenciados.  Como essa aceitação se faz na Inglaterra é um dos assuntos tratados por Helen Simonson, assim como: problemas de heranças, entre pais e filhos, e expectativas que temos de amigos e que eles têm de nós.  Tudo  habilmente administrado por uma escritora que diverte e dá ao leitor uma pausa e espaço para refletir sobre esse novo mundo: uma bem-vinda moratória aos jargões óbvios do politicamente correto.  Por tudo isso,  este é um livro para ser lido e degustado.





Quadrinha da solidão

25 10 2012

Trem, ilustração de George Willamson.

Na velha Estação de Trem,

que a Solidão dominava,

eu acenei a ninguém,

fingindo que alguém chegava…

(Otávio Venturelli)





Gorilas de volta ao habitat natural

25 10 2012

Pela primeira vez, uma família inteira de gorilas irá retornar ao seu habitat natural. O grupo de onze membros da espécie gorila ocidental das terras baixas, que está em um zoológico no condado de Kent, na Inglaterra, irá para uma reserva natural, no Gabão. A família inclui um macho de 30 anos, de aproximadamente 100 quilos, que havia sido salvo das mãos de caçadores ilegais, cinco fêmeas e cinco filhotes de idades que variam de 6 anos a 8 meses, que foram criados em cativeiro.

Cinquenta e um primatas já foram soltos na selva individualmente em áreas seguras de proteção animal, no período de 1996 e 2006,  pela mesma instituição —  The Aspinall Foundation.  Esses animais foram soltos depois de viver em cativeiro, mas nunca isso foi tentado com um grupo tão grande quanto esse.  A fundação Aspinall  atua no Gabão e no Congo, países onde os gorilas foram caçados até sua extinção. Ela irá fornecer medicamentos e comida extra para ajudar na adaptação deles.

Na selva, este grupo será nômade e se movimentará pela floresta em busca de comida, provavelmente a cada dois dias. A família deve ser liberada em janeiro de 2013.

Damian Aspinall, que criou a fundação, disse que a única justificativa para se manter animais em cativeiro no século XXI seria para participar de programas de reprodução de espécies em perigo de extinção para depois reintroduzí-las à vida selvagem.  A Fundação Aspinall já cruzou 135 gorilas, 33 rinocerontes negros, 123 leopardos, 33 gibões de Java, 104 macacos langures de Java e 20 elefantes africanos nos seus programas de acasalamento em cativeiro.

FONTE: Terra e Heart








%d blogueiros gostam disto: