O álbum, poesia de Almeida Garrett

28 11 2012

Opalescência, s/d

Lynn Renée Sanguedolce (EUA, 1959)

óleo sobre tela, 100 x 75cm

www.lynnrenee.com

O álbum

Almeida Garret

Minha Júlia, um conselho de amigo;

Deixa em branco este livro gentil:

Uma só das memórias da vida

Vale a pena guardar, entre mil.

E essa n’alma em silêncio gravada

Pelas mãos do mistério há-de ser;

Que não tem língua humana palavras,

Não tem letra que a possa escrever.

Por mais belo e variado que seja

De uma vida o tecido matiz ,

Um só fio da tela bordada,

Um só fio há-de ser o feliz.

Tudo o mais é ilusão, é mentira,

Brilho falso que um tempo seduz,

Que se apaga, que morre, que é nada

Quando o sol verdadeiro reluz.

De que serve guardar monumentos

Dos enganos que a esp’rança forjou?

Vãos reflexos de um sol que tardava

Ou vãs sombras de um sol que passou!

Crê-me, Júlia: mil vezes na vida

Eu co’a minha ventura sonhei;

E uma só, dentre tantas, o juro,

Uma só com verdade a encontrei.

Essa entrou-me pela alma tão firme,

Tão segura por dentro a fechou,

Que o passado fugiu da memória,

Do porvir nem desejo ficou.

Toma pois, Júlia bela, o conselho:

Deixa em branco este livro gentil,

Que as memórias da vida são nada,

E uma só se conserva entre mil.

Em: Folhas Caídas, Almeida Garrett, Porto, Editorial Domingos Barreira: s/d





O Natal em poucas palavras — Washington Irving

28 11 2012

Pedidos de Natal, ilustração Priscilla Pointer (EUA, 1924) propaganda de linha branca.

“O Natal é a época de acender o lume da hospitalidade na entrada, a brilhante chama da caridade no coração.”

Washington Irving





A lagarta, soneto de Bastos Tigre

28 11 2012

Pequeno encanto

Donald Zolan (EUA, contemporâneo)

óleo sobre tela

www.zolan.com

A lagarta

Bastos Tigre

Por sobre as ramas da árvore coleia

A lagarta. E a colear, viscosa e lenta,

O seu aspecto as vistas afugenta

E de tocá-la a gente se arreceia.

Verde-negra, amarela, azul, cinzenta,

Quando o sol as folhagens incendeia,

Sobe a aquecer-se, e à luz solar, aumenta

O asco de vê-la repulsiva e feia.

Mas eis que a encerra do casulo a tumba;

Não penseis que, de todo, ela sucumba

No seu sepulcro eternamente presa.

Qual, do corpo, alma livre, desprendida,

É borboleta: evola-se a outra vida,

Voando feliz, na glória da beleza.

Em: Antologia Poética, Bastos Tigre, volume I, Rio de Janeiro, Ed. Francisco Alves:1982








%d blogueiros gostam disto: