Rodrigo Gurgel libera o Prêmio Jabuti e nos dá esperanças!

6 12 2012

—-

—-

Ghislaine Gagna dans un jardim florentin

Em um jardim florentino, 2008

Ghislaine Gagna (França)

óleo e pastel sobre tela

80 x 100 cm

Ghislaine Gagna

Confesso que andei muito curiosa a respeito do crítico literário Rodrigo Gurgel.  Não o conhecia.  Só ouvi falar nele depois da controvérsia sobre sua participação na seleção do Prêmio Jabuti.  Depois disso, procurei por ele, passei no blog Rodrigo Gurgel algumas vezes, simpatizei bastante com suas opiniões.  No início desta semana, li a entrevista que ele deu a Márcia Abos, do jornal O GLOBO [ 3/12/2012] e me enfureci.  Não com Rodrigo Gurgel – esse sobrenome anda muito famoso hoje em dia e sempre do lado certo — mas com a arrogância das questões colocadas pela jornalista, inconformada com a diferença de opinião do crítico literário em comparação com a dos demais membros do juri.

As perguntas começaram  pedindo que ele enunciasse os critérios que usou para dar notas na segunda etapa do prêmio.   [É importante notar, no entanto, que a pergunta não foi feita aos  outros integrantes do júri].  E continuou:  “Mas você avaliou o romance de Ana Maria Machado”?  e depois,  em ordem, a entrevistadora pergunta: Você ao dar nota zero, definiu sozinho a categoria. Esperava que isso acontecesse?Decepcionou-se com “Infâmia”, de Ana Maria Machado; Fez uma espécie de leitura às cegas? E finalmente, a joia de toda a entrevista: Depois da polêmica, arrepende-se de suas notas?

Mas o que quer a jornalista Márcia Abos? Pelas perguntas  fica a sensação de que Ana Maria Machado já era considerada a vencedora,com o livro Infâmia,  mesmo antes dos votos terem sido contados.  Rodrigo Gurgel  foi, então,  o estraga-prazeres, um lunático, um jurado que não sabia o que fazia?   Mas por que?  Por que ele não gostou do livro de Ana Maria Machado? Por que não se submeteu à corrente que precisava premiar a autora?

Escritores têm bons e maus momentos.  Têm livros bons e ruins.  Será que Ana Maria Machado está acima desse patamar?  Por que a opinião de um crítico, conceituado o suficiente para fazer parte do júri do Jabuti, tem que concordar com a opinião dos outros?  Neste prêmio ninguém é para ser premiado pela obra passada.  E tampouco pela obra ainda não produzida.  O que teoricamente está em julgamento é aquele livro, específico.  Este ano eram Infâmia de Ana Maria Machado, Ninhonjin  e outros.  Mas nessa entrevista não houve a pergunta mais important de todas, ao entrevistar Rodrigo Gurgel:  Quais as características do romance de Oscar Nakasato,  Ninhonjin, que agradaram ao critico Rodrigo Gurgel, que levaram este escritor a ganhar o prêmio?  Mas esta pergunta, a única realmente válida nesse caso, não foi feita.  E ainda, Ninhonjin, o vencedor do prêmio, não foi mencionado durante a entrevista publicada, exceto na introdução da seguinte maneira:  “O crítico literário Rodrigo Gurgel, o polêmico jurado C da categoria romance do mais antigo e tradicional prêmio de literatura no Brasil, explica em entrevista ao GLOBO por que [sic] distribuiu notas zero para romances de autores consagrados, como Ana Maria Machado, e notas dez para obras de estreantes, como Oskar Nakamoto”.  Como assim?  O premiado não mereceu uma única menção?  Afinal o que teria esse livro para receber nota 10? E Rodrigo Gurgel polêmico? Por que não gostou de certos livros? Aos olhos de quem?

A entrevista acabou aí.  Acusatória.  Não deveria haver uma opinião divergente; o resultado eram favas contadas. Foi uma cobrança pública de um voto. Como se para ser jurado no Prêmio Jabuti  o crítico tivesse a obrigação não de votar no que acreditasse ser o melhor, mas no que outros imaginavam ser o romance que deveria ganhar. “Há algo de podre no Reino da Dinamarca”, no mundo literário, nos prêmios, quando se espera que só certos autores, abençoados pelas igrejinhas, pelas coronéis editoriais, pela moldes políticos ou críticos da moda sejam os premiados.

O Prêmio Jabuti anda por demais nas manchetes dos jornais.  Recentemente sofreu grande pressão quando premiou Chico Buarque de Holanda.  Talvez, se mais críticos como o independente Rodrigo Gurgel fizessem parte do júri, o prêmio deixasse as manchetes de escândalo nos jornais para realmente abrir caminhos para uma verdadeira literatura brasileira, tão estagnada hoje pelos espartilhos das versões críticas da moda.


Ações

Informação

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s




%d blogueiros gostam disto: