A flor, poema de Afonso Louzada

12 01 2013

20120923gogh-60

Vaso com oleandro e livros, 1888

Vincent van Gogh (Holanda,1853-1890)

óleo sobre tela 60 x 73 cm

Metropolitan Museum, Nova York

A flor

Afonso Louzada

Talvez marcando o poema, em livro antigo,

encontrei uma flor já ressequida.

Velha história de amor… penso comigo,

pondo-me a ler a página esquecida.

Quem à flor nesse livro deu abrigo,

quem sabe? procurou tê-la escondida –

do amor sentindo o grande abraço amigo,

para a própria saudade comovida.

E o que ficou daquele amor profundo?

Talvez agora, já não resta nada

De tudo que era sonho e que era vida.

Sob o silêncio lúgubre do mundo,

Apenas essa flor abandonada –

marcando a velha página esquecida.

Em: Sonetos, Afonso Louzada, Rio de Janeiro, 1956, 2ª edição aumentada.





Palavras para lembrar — Daniel Pennac

12 01 2013

Ernesto Scheffel, Hamburgo Velho [fornodepao], 1956, ost, 290x138,5cm, Hamburgo Velho

Forno de pão  [Hamburgo Velho], 1956

Ernesto Scheffel (Brasil, 1927)

óleo sobre tela, 297 x 138 cm

“A virtude paradoxal da leitura é que ela nos abstrai do mundo para encontrar nele algum sentido.”

Daniel Pennac








%d blogueiros gostam disto: