O corvo e a raposa, poema e fábula, Bocage

24 02 2013

1289703457Ilustração de John Rae.

O corvo e a raposa

Bocage

——————-(tradução de La Fontaine)

 –

É fama que estava o corvo

Sobre uma árvore pousado

E que no sôfrego bico

Tinha um queijo atravessado.

Pelo faro, àquele sítio

Veio a raposa matreira,

A qual, pouco mais ou menos,

Lhe falou desta maneira:

– Bons dias, meu lindo corvo;

És glória desta espessura;

És outra fênix, se acaso

Tens a voz como a figura.

A tais palavras, o corvo,

Com louca, estranha afouteza,

Por mostrar que é bom solista

Abre o bico e solta a presa.

Lança-lhe a mestra o gadanho

E diz: – Meu amigo, aprende

Como vive o lisonjeiro

À custa de quem o atende.

Esta lição vale um queijo;

Tem destas para teu uso.

Rosna então consigo o corvo

Envergonhado e confuso:

– Velhaca, deixou-me em branco;

Fui tolo em fiar-me dela;

Mas este logro me livra

De cair noutra esparrela.





Palavras para lembrar — Tahar Ben Jelloun

24 02 2013

Beside the summer sea

Ao lado do mar de verão,1896

Philip Burne-Jones (Inglaterra, 1861-1926)

Aquarela sobre papel, 46 x 26 cm

Samuel and Mary R. Bancroft Memorial, 1935

Delaware Art Museum, Wilmington, DE

” Um livro é o nascimento de uma viagem, o traçado de um itinerário”.

Tahar Ben Jelloun








%d blogueiros gostam disto: