Palavras para lembrar — Mark Haddon

28 02 2013

dimitris voyiazoglou, the horosope reader II

Leitora de horóscopo

Dimitris Voyiazoglou (Grécia/Holanda, contemporâneo)

“Ler é uma conversa.  Todos os livros falam.  Mas um bom livro também escuta”.

Mark Haddon





O gabinete do médico, texto de Aurélio Pinheiro

28 02 2013

Edwaert Collier Vanitas Still Life 17th century. Edwaert CollierVanitas, 1669

Edwaert Collier (Holanda, 1642-1710)

óleo sobre madeira, 32 x 27 cm

O gabinete do médico

Aurélio Pinheiro

O Dr. Elesbão recebeu-nos com um sorriso sereno, em sua fecunda biblioteca, de altas, solenes estantes de mogno. Era uma grande sala, branca, de espiritualizante claridade, com as janelas abertas para o nascente. Sobre a larga mesa de estudos havia livros esparsos, papéis, vários objetos e um tinteiro de prata com uma águia de asas distendidas na ânsia de um vôo fremente. Junto à mesa, num dunquerque de ébano, pousava uma caveira sobre um suporte niquelado. Pelos cantos, colunas de mármopore ostentavam estatuetas e jarrões, e atrás da cadeira do Mestre surgia o busto de Hipócrates, saliente e austero como o de um deus pensativo. Entre duas estantes um pêndulo alto e negro marcava as horas, antecedendo-as de um minuete do tempo do Rei-Sol. Nas paredes dois quadros a óleo: — uma cabeça de velha a sorrir com brandura e uma álacre marinha… Um sofá de molas envolvido em capa de linho branco e algumas cadeiras de jacarandá com espaldares em alto relevo, completavam o severo mobiliário.

Em: Flor do Lácio,[antologia]  Cleófano Lopes de Oliveira, São Paulo, Saraiva: 1964; 7ª edição. (Explicação de textos e Guia de Composição Literária para uso dos cursos normais e secundário), página 23.

Aurélio Waldomiro Pinheiro (RN 1882 – RJ 1938) médico, jornalista, poeta, escritor.Formado em medicina , pela Faculdade de Medicina da Bahia, graduando-se em 1907.  Retorna ao Rio Grande do Norte (Macau), onde além de clinicar colabora com o jornal O Mossoroense.   Em 1910 muda-se para Parintins no Amazonas. Faleceu em Niterói, no Rio de Janeiro em 1932)

Obras:

Gleba tumultuária, prosa, 1927

O desterro de Umberto Saraiva, romance, 1928

Macau, romance, 1932-34

À margem do Amazonas, prosa, 1937

Em busca do ouro, prosa, 1938

Dicionário de sinônimos da língua nacional, s/d








%d blogueiros gostam disto: