Paz da consciência, poesia para a infância, de Adelmar Tavares

9 03 2013

plantar, ajudando o papai, eloise wilkinIlustração de Eloise Wilkin.

Paz da consciência

Adelmar Tavares

Paz da consciência: eis a única riqueza
Da tua vida de trabalhador.
Ela fará palácio de realeza,
A cabana onde more o teu amor.

Teu dia será sempre de beleza.
Teu pão não travará pelo amargor
De o teres arrancado à alheia mesa.
Pão de trabalho é pão que sabe a flor. . .

Nas boas horas de êxtase, de calma,
Verás teu pensamento em luz serena,
E um céu, todo de estrelas, na tua alma.

E ao fundo do teu justo coração,
Como um campo verde, ao som da avena,
Ovelhas, muito brancas, dormirão. . .


Em: Poesia Brasileira para a Infância, Cassiano Nunes e Mário da Silva Brito, São Paulo, Saraiva: 1967, Coleção Henriqueta.

adelmar_tavares

Adelmar Tavares (Brasil, PE, 1888-  RJ, 1963) advogado, poeta, trovador.  Formou-se como advogado pela Universidade de Pernambuco, no Recife, sua cidade natal, em 1909, quando se nudou para o Rio de Janeiro onde trabalhou como promotor público. membro da Academia Brasileira de Letras.Faleceu no Rio de Janeiro em 1963.

Obras:

Descantes – trovas, 1907

Trovas e trovadores – conferência, 1910

Luz dos meus olhos, Myriam – poesia, 1912

A poesia das violas – poesia, 1921

Noite cheia de estrelas – poesia, 1923

A linda mentira – prosa, 1926

Poesias, 1929

Trovas, 1931

O caminho enluarado – poesia,1932

A luz do altar – poesia,1934

Poesias escolhidas, 1946

Poesias completas, 1958








%d blogueiros gostam disto: