Criando um grupo ou uma comunidade

12 04 2013

Théo (Théophile) van Rysselberghe (Bélgica, 1862 –1926) Tarde de verão, 1900-1902, ost, 98 x 130cm, Musee d'Ixelles, BélgicaTarde de verão, 1900-1902

Théo van Rysselberghe (Bélgica, 1862-1926)

óleo sobre tela, 98 x 130 cm

Musée d’Ixelles, Bélgica

Sou gregária.  Provavelmente isso explica estar quase sempre envolvida em uma ou outra organização, e ter amigos bastante diversos. Ainda no colégio fui organizadora de um jornalzinho de turma.  Depois cresceram as obrigações.  Fui escoteira.  Fui presidente da Associação de Estudantes de Pós-Graduação na universidade onde estudei nos EUA; fui membro participante da NOW, organização pelos direitos da mulher, nos EUA; organizei os comerciantes de um quarteirão para eventos em comum, quando abri minha galeria de arte/antiquário também nos EUA; participei de grupos de leitura: um de história e outro literatura; participei por três anos de um grupo de culinária; me encontrei regularmente para jogar bridge uma vez por semana, com o mesmo grupo; reuni por alguns anos (até mudar de cidade) um encontro entre amigos todos os domingos à noite para quem quisesse aparecer, num open-house, e assim por diante.

Por isso, fico sempre surpresa quando converso com conhecidos aqui no Rio de Janeiro e vejo que as pessoas, quando pensam em organizações ou em grupos, primeiro pensam nas obrigações, na seriedade, no fardo do comprometimento, como se o ato de se dar, o ato de se desprender a favor de um bem intangível fosse algo estranho.  Mas, sobretudo, as pessoas parecem pensar primeiro em começar pela parte burocrática.  Querem títulos, um presidente, um secretário e quanto de dinheiro?  Como pagamos? Mas não há nada a se ganhar?  Tenho conhecidos que toda vez que os encontro me perguntam se ainda mantenho o blog.  E por que ainda não ganho dinheiro com isso?  Como se tudo que fazemos na vida tem a ver com o dinheiro. Como se o convívio, a amizade, o companheirismo, a troca, não valessem o sacrifício.  Engano.  Talvez a minha experiência americana tenha colorido a minha maneira de ver o mundo, talvez tenha me servido para simplificar o processo, porque eles, os americanos, são pessoas muito pragmáticas e gregárias.  Quer participar de um grupo?  Comece-o.  É simples.  Mãos na massa.  Não pense na burocracia.  Comece-o pelo fazer…  Essa tem sido a minha resposta a muitos que chegam ao blog querendo participar do meu grupo de leitura, que não está aberto ao público.

Mabel Frances Layng (Inglaterra, 1881-1937)) Under the trees,c. 1920, ost, 39x 57cmDebaixo da árvore, c. 1920

Mabel Frances Layng (Inglaterra, 1881-1937)

óleo sobre tela, 39 x 57 cm

No início desta semana um artigo na revista digital UTNE me chamou atenção por justamente endereçar suas conjecturas  à proposta de fundar organizações.  A autora é uma psicoterapeuta Linda Buzzell, que concluiu ao final do artigo que “qualquer encontro comunitário, organização ou evento para ter sucesso necessita que haja empenho de corpo, mente, alma e espírito”.  E para isso listou aquilo que considera necessário.  Adapto sua lista dando ênfase às características que, na minha experiência, acho importantes, para um grupo de leitura.  Mas se a sua intenção é formar outro tipo de grupo ou associação sugiro que leia o artigo na íntegra. É muito bom. O link está AQUI.

1 – Ache um interesse em comum.  Alguma coisa que atraia as pessoas.  Se você quer um grupo de leitura, por exemplo, ache a linha de atividade que atrairá as pessoas que você quer conhecer. Exemplo: Grupo de Leitura Vida – dedicado a leitura de biografia e memórias;  Grupo de leitura de autores lusófonos; Grupo de leitura sobre executivos de sucesso; Grupo de Leitura sobre desportistas. O meu grupo de leitura, não inclui biografias, não inclui história.  É um grupo de leitura de ficção literária atual.  Nem os clássicos incluímos.  Isso nós decidimos nos primeiros encontros.  Fomos refinando, digamos assim os nossos interesses, as nossas necessidades.

2 – Seja flexível com a época do ano.  Se é mês de Carnaval, ou Natal, sugira um livro leve, uma novela, coisa de poucas páginas, reconhecendo que nem todos terão muito tempo para ler.  Mas não deixe de ter o encontro mesmo que nem todas as pessoas possam estar presentes.

3 – Novos membros do grupo. Faça um esforço para conhecer fora daquele encontro mensal o novo membro do grupo. Marque um café, um encontro informal para fazer essa pessoa se sentir parte do grupo.

4 – Celebrar — uma celebração anual digamos no aniversário do grupo ou no Natal, ou em ambas as ocasiões, onde se possa trazer algo de espiritual, uma referência ao reconhecimento de que aqueles encontros se tornam algo maior do que cada indivíduo.  O todo é sempre melhor do que as partes.

5 – Decisões –– qualquer problema a ser  resolvido deve ser feito em comum acordo, durante as reuniões.  Todos devem participar, dar suas opiniões e então votar. Nada de grupinhos, de fofoquinhas divisivas.

6 – Inclusão – inclua pessoas de todas as idades. A leitura de um livro depende muito da experiência pessoal de cada um além é claro da experiência de leitura.  Inclua os mais idosos com prazer, eles têm muito a dar e sempre surpreendem.

7 – Surpresa – encontros podem e devem ocasionalmente ter uma surpresa.  Sorteie um livro, combine uma visita a uma Feira do Livro.

8 – Não comprometa os seus encontros mensais. Temos tido a sorte e a oportunidade de ter como visitas ao nosso grupo de leitura, escritores cujos livros já lemos e discutimos.  É sempre muito excitante, uma ocasião muito especial conhecer em plano físico aquela pessoa que escreveu um livro de que gostamos.  No entanto, essas sempre foram ocasiões únicas, em que marcamos uma data específica e dividimos igualmente qualquer custo envolvido na ocasião: comes e bebes, flores e demais mimos.  Mas não comprometemos os nossos encontros.  Porque eles são OS NOSSOS ENCONTROS e de ninguém mais.  É uma questão de respeitar o nosso horário juntos, respeitar a nossa amizade.

jean-georges-ferry(França, 1851-1926) dua mulheres lendo em casaDuas senhoras lendo em casa

Jean-Georges Ferry ( França, 1851-1926)

óleo sobre tela

Coleção Particular

Lembre-se que amizades só se formam com tempo, com o encontro regular entre pessoas.  Ler e discutir livros é uma excelente maneira de se conhecer alguém, porque quando falamos do que nos impressionou, do que não gostamos ou do que foi importante para nós a respeito de um livro, mostramos quem somos e entendemos o outro com facilidade.

Aqui no blog em outra ocasião já dei o passo a passo para a gestão de um grupo de leitura.  Para maiores informações clique nesse link: Grupo de leitura:como fazer. Esta postagem marca — no próximo domingo — os 10 anos de encontros do grupo de leitura Papa-livros, cuja página, com a listagem de todos os livros que lemos nesses anos encontra-se aqui no blog. Fizemos boas amizades entre nós — somos 17.  E continuaremos a manter esses amigos por muitos e muitos anos.


Ações

Information

2 responses

12 04 2013
Regina

Agrupar é difícil, Ladyce. Nunca ouvi falar de grupo de leitura no Recife nem consegui formar. As recomendações são muito boas. Gostei da postagem.
Abraço

13 04 2013
peregrinacultural

Não desista, Regina. Comece pequenino. Duas ou três pessoas. Eu comecei com minhas primas, minha cunhada e uma amiga de mamãe e o professor de português do Harry. Este logo saiu. Uma das minhas primas gostava mais da IDEIA de ler do que de LER. Mas logo descobriu que não tinha tempo. O professor de português não ficou mais do que quatro meses, não gostou das nossas discussões. Não eram acadêmicas o suficiente. Fui falando com quem eu conhecia. Uma amiga minha de faculdade, psicoterapeuta e poeta, veio, trouxe com o tempo mais duas amigas. Ela saiu porque queria ler os clássicos. Uma das amigas dela que era psicoanalista também saiu pelo mesmo motivo, mas trouxe outra amiga cujo perfil se encaixava com o nosso. E assim foi. Por 6 anos os encontros foram na minha casa. Aos poucos cada uma pessoa foi trazendo um amigo. Logo ao final do primeiro ano havíamos passado de 6 pessoas iniciais para 10. Mas hoje, comemorando 10 anos, só 4 estão lá desde o início; Mais 2 há 9 anos. A tendência é alguém que gosta de ler, conhece um outro alguém que gosta de ler…

Uma coisa que não disse no texto — porque me esqueci — é que decidimos durante o primeiro ano, que a pessoa pode e deve vir aos encontros, mesmo que não tenha conseguido acabar de ler o livro. Acho que foi a decisão acertada, porque a pessoa se considera incluída, “amada incondicionalmente” e continua a fazer parte do grupo. O grupo precisa ser visto como uma integração social e não como um curso ou uma aula a que somos obrigados a presenciar.

As nossas reuniões são todas baseadas nas impressões de leitura. Apesar de termos duas pessoas formadas em Letras, não há a colocação “dentro da literatura”, mas sim as reações… partes que nos chamaram atenção, frases, porque certas frases nos emocionam ou servem de guia para a trama. etc. A única coisa que eu faço, como “organizadora” é ter certeza de todos são ouvidos, que todos votam, etc.

Não desista, menina.

Outra coisa interessante:

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s




%d blogueiros gostam disto: