A lista dos dez melhores livros

24 07 2013

Arie Azene (Israel)Bistrô Café

Arie Azene (Israel, 1934)

Serigrafia, 55 x 90cm

Quem resiste às listas?  Eu não consigo.   No final do mês de janeiro de 2012, a publicação virtual Brain Pickings publicou a lista de livros favoritos de todos os tempos de acordo com 125 escritores que foram entrevistados.  Vale lembrar que esta é uma revista virtual, representativa das culturas anglo-americanas, consequentemente as preferências dos escritores são voltadas aqueles escritores que causam impacto nessas sociedades, que são lidos obrigatoriamente pelos alunos de escola, livros que marcam presença.  A lista se tivesse sido feita na França certamente teria uma relação diferente de livros e autores mais importantes, assim como a nossa lista, cá pelo Brasil,  provavelmente incluiria alguns desses escritores, é óbvio, mas muitos outros de autores brasileiros.

A definição de MELHORES também precisa  ser bem entendida.  Não estamos aqui, falando de livros de importância para o mundo da arte literária, em geral, mas daqueles livros que têm significação importante para o leitor.  Pode até não ser a obra prima de um específico escritor, mas estar listado justamente por ter embalado sonhos, falado à alma, tocado o coração daqueles que se deram ao trabalho de listar seus favoritos.

Não vou repetir a lista dos favoritos dos séculos XIX e do século XX.  Se você está interessado, clique no link acima e veja a lista. Foram considerados  romances, coleções de contos, peças de teatro e poemas. Vou fazer observações sobre duas outras listas, publicadas no mesmo artigo de Maria Popova:

TOP TEN AUTHORS BY NUMBER OF BOOKS SELECTED —

[Os dez autores melhor colocados pelo número de livros selecionados]

  1. William Shakespeare — 11
  2. William Faulkner — 6
  3. Henry James — 6
  4. Jane Austen — 5
  5. Charles Dickens — 5
  6. Fyodor Dostoevsky — 5
  7. Ernest Hemingway — 5
  8. Franz Kafka — 5
  9. (tie) James Joyce, Thomas Mann, Vladimir Nabokov, Mark Twain, Virginia Woolf — 4
TOP TEN AUTHORS BY POINTS EARNED

[Os dez autores melhor colocados pelo número de pontos ganhos]

  1. Leo Tolstoy — 327
  2. William Shakespeare — 293
  3. James Joyce — 194
  4. Vladimir Nabokov — 190
  5. Fyodor Dostoevsky — 177
  6. William Faulkner — 173
  7. Charles Dickens — 168
  8. Anton Chekhov — 165
  9. Gustave Flaubert — 163
  10. Jane Austen — 161

Notem que há duas mulheres listadas com obras mencionadas, mas só Jane Austen, que tem 5 livros mencionados entre os 10 melhores, aparece na lista de pontos e  acaba em 10º lugar.   James Joyce que teve 4 obras  mencionadas, aparece em 3º lugar por pontos.  Pelo visto não vale a pena escrever muitos excelentes livros.  Pode-se escrever poucos, talvez nem tão apreciados por todos e ainda assim ter uma boa posição entre os 10 +.  Henry James, dessas listas, um dos meu favoritos, foi mencionado por 6 de suas obras.  Seis!  e não aparece na listagem de pontos.  Nem Kafka, lembrado por 5 publicações.  Oh, pobre William Shakespeare, com 11 trabalhos mencionados, ficou em 2º lugar pelo número de pontos coletados, perdendo para Tolstoy.  É por isso que essas listas estão sempre sendo feitas e estarão sempre atraindo a atenção de quem gosta de ler e de defender seus autores preferidos.  Elas são completamente subjetivas; elas refletem não só as preferências pessoais como o momento de cada um dos entrevistados.

Se você fizer uma lista dos livros que mais tiveram significado para você quando adolescente e depois outra lista para cada cinco anos após a adolescência, tenho certeza de alguns autores ou livros permanecerão presentes, mas outros estarão sendo adicionados desbancando ícones do passado. Essa é uma das belezas da leitura:  ela pode preencher ou refletir as nossas necessidades emocionais e mudar a medida que mudamos interiormente.





O Dogue — fábula de Lachambeaudie — (imitação) de Paula Brito

24 07 2013

arthur_wardle_-_press_gang_1902_os_24x30

Capataz, 1902

Arthur Wardle (Inglaterra, 1860-1949)

óleo sobre tela, 60 x 75 cm

O Dogue

Fábula de Lachambeaudie

(Imitação)

Paula Brito

Um Dogue belo, gordo e luzidio,

Dos que mui raro são aqui no Rio,

Num arrabalde de Paris, sozinho

Ia, calado, andando o seu caminho;

Um rústico aldeão, porém, ao vê-lo

Procurando a maneira de entretê-lo,

Atira-lhe uma pedra e diz — carrega;

O cão olha para ela e nem lhe pega.

No mesmo instante ao cão uma criança

Se chega e de o amimar tendo a lembrança,

Dá-lhe uma flor, na qual o Dogue pega,

E contente de si a flor carrega.

—–

Neste fato se vê que a grosseria

Té mesmo ao cão doméstico arrepia;

Assim os homens são! — Os ensinados

Servem para ensinar os malcriados.

Em:  O Espelho: revista de literatura, modas, indústria e artes, n. 9,  30 de outubro de 1859, p.11. da edição em facsímile, Rio de Janeiro, MEC:2008, p. 121

———–

Paula Brito  (Brasil, 1809-1861)








%d blogueiros gostam disto: