A chuva, poesia infantil de Bastos Tigre

2 08 2013

Chuva, guarda-chuva, vento, acidente, margret borissCartão postal com ilustração de Margret Boriss.

A chuva

Bastos Tigre

— Mamãe! Que chuvinha enjoada!

Me deixou toda molhada,

Sapato, roupa e chapéu!

Não serve mesmo pra nada

Esta água que cai do céu…

— Não digas tal, minha filha:

A chuva é uma maravilha

Pois ela molhando o chão,

Faz crescer a couve, a ervilha,

O arroz, o milho, o feijão.

A chuva, molhando a terra,

Cobre de flores a serra,

Amadurece o pomar,

E a semente que se enterra

A chuva é que faz brotar.

Por isso é que a chuva é boa

E a terra seca a abençoa…

— Sim, Mamãe, compreendo bem.

Mas por que é que a chuva, à toa,

Cai nas calçadas também?

Em: Antologia Poética de Bastos TigreBastos Tigre, 2 volumes, Rio de Janeiro, Francisco Alves: 1982, 1º volume, p. 241.








%d blogueiros gostam disto: