Brasil que lê: fotografia tirada em lugar publico

8 09 2013

???????????????????????????????Na refrescante sombra do Jardim Botânico no Rio de Janeiro, esta senhora lê “Ayuverdic Healing”, na manhã deste domingo.




Imagem de leitura — Iszák Perlmutter

8 09 2013

Iszák Perlmutter, In the Parlour (1907-1910)Na sala, 1907-1910

Iszák Perlmutter (Hungria, 1866-1932)

óleo sobre tela, 115 x 85 cm

Coleção Particular

Iszák Perlmutter nasceu em Budapeste, na Hungria em 1866, de família judia.  Estudou na Gusztáv Magyar Mannheimer e com Bertalan Karlovszky. Foi para Paris, onde por alguns meses estudou na Academia Julian em 1891.  Voltando a Hungria, tornou-se aluno de Sándor Bihari.  Voltou a viajar em 1894.  Depois de retornar a Paris, deslocou-se para a Holanda, onde morou de 1898 a 1904, época em que pintou muitas das paisagens que conhecemos, e também se dedicou à pintura de gênero.  Estabeleceu residência em Szolnok  e mais tarde em Besztercebánya no seu retorno à Hungria. Participou em 1905 da Bienal de Veneza [Esposizione Internazionale d’Arte della Città di Venezia] e de novo da Bienal de Veneza em 1909, 1910, 1914 e 1922. Seus quadros refletem a influência do Impressionismo francês e do surrealismo. Seu auto-retrato encontra-se na Galeria degli Uffizi em Florença. Faleceu em Budapeste em 1932.





Língua portuguesa, poesia de Raquel Naveira

8 09 2013

Erico Santos (Brasil) Sala de Estar, 1988, ost, 40x 50 cm, wwwericosantos.comSala de estar, 1988

Érico Santos (Brasil, 1952)

óleo sobre tela, 40 x 50 cm

Acervo pessoal do artista

www.ericosantos.com

Língua Portuguesa

Raquel Naveira

Língua Portuguesa,

Tuas regras são as cordas da minha harpa,

Duras e firmes,

Que procuro dedilhar

Desde a infância.

Que prazer reconhecer tuas notas graves e agudas!

Ata-me nos teus laços afinados,

Na tua lei tensa

E criarei poemas

Como pássaros.

Que delícia o esforço de cortar,

Esticar,

Retesar!

Livra-me da frouxidão,

Da lassidão de cometer pecados

Contra ti.

Língua Portuguesa,

Tuas regras são as cordas de minha harpa,

Torna meu canto angélico,

Feito de forma e beleza,

Oferenda consagrada a ti,

Ao Tejo,

Às espumas do mar.

Em: Casa e Castelo, Raquel Naveira, São Paulo, Escrituras: 2002, p.71








%d blogueiros gostam disto: