Imagem de leitura — Joanna Lignou

14 03 2014

Joanna Lignou (Greece)  into-the-book-worldDentro do livro, s.d.

Joanna Lignou (Grécia, contemporânea)

Joanna Lignou





Rio de Janeiro a caminho dos 450 anos!

14 03 2014

Antônio Orleans e Bragança, Jardim Botânico - RJ,2008,46 x 61 cm – AquarelaJardim Botânico, 2008

Antônio de Orléans e Bragança (Brasil, 1950)

Aquarela sobre papel, 46 x 61 cm





Uma história, duas versões, uma experiência rica e inesquecível

14 03 2014

KAWASE HASUI (1883 - 1957) - RAIN AT SHINAGAWA (Tokyo) , Woodcut, 1931.Chuva no Shinagawa, Tóquio, 1931

Kawase Hasui (Japão, 1883-1957)

Xilogravura policromada

Às vezes o acaso nos traz experiências interessantes. Tudo o que se precisa é ter o bom-senso de abrir as portas ao que acontece.  Há quatro semanas saí de casa para ir ao cinema.  Gosto muito de cinema, mas não me consideraria uma conhecedora profunda.  Nada além de ir regularmente ver a grande tela.  Há semanas que merecem mais de um filme.  Há semanas como a do Carnaval no Rio de Janeiro que merecem seis ou sete filmes!  Pois eu havia lido no jornal uma resenha muito interessante de um filme japonês. Gosto muito dos filmes orientais: japoneses, chineses e indianos. Gosto de me expor a outras estéticas.  Sempre que possível  vou atrás de filmes produzidos em lugares exóticos.  Como sou uma pessoa meio distraída, daquelas que faz uma coisa pensando em outra, que nunca sabe bem onde colocou o telefone celular e tem que telefonar do fixo para o seu próprio celular para achá-lo, saí de casa e fui ver o filme japonês sem prestar muita atenção à lista do jornal.

105706.jpg-r_640_600-b_1_D6D6D6-f_jpg-q_x-xxyxx

Era uma vez em Tóquio foi o filme que vi.  Não era o filme que eu imaginava ir ver. Cópia antiga, restaurada. Preto e branco. Tela pequena e uma história fascinante de um Japão pós-guerra, aparecendo ainda  conservador, diferente do Japão que conhecemos hoje, moderno, produzindo bens que nos seduzem. Homens e mulheres  em trajes tradicionais, cenas de natureza bucólica. A história é sensível.  Reflete as mudanças no Novo Japão de pós-guerra.  Filhos que saem de casa, de pequenos vilarejos e vão para Tóquio. Chegando lá transformam-se.  Casam-se, formam famílias e na procura pela sobrevivência nessa nova ordem social, não têm mais tempo para os pais. É um filme belíssimo, de grande sensibilidade na caracterização dos personagens, antiquado mas com uma magnífica fotografia. Dirigido por Yasujiro Osur o filme foi votado como melhor filme de todos os tempos numa pesquisa do British Film Institute com 358 diretores de todo o mundo. Se é ou foi “o melhor filme de todos os tempos”, não posso dizer, porque não tenho conhecimento para isso. Mas fiquei bastante impressionada e feliz de tê-lo conhecido.

24

Passados cinco dias me encontro em outra parte da cidade vendo o filme que tinha a intenção de ver originalmente, Era uma vez em Tóquio.  Tenho uma memória visual bastante boa, graças à minha profissão. É assim que historiadores da arte fazem associações entre artistas e suas obras.  Logo na primeira cena eu notei que estava vendo o mesmo filme. [A primeira cena tem uma alusão direta ao filme original no posicionamento da câmera]. Mas dessa vez o filme era a cores e em um Japão moderno.  Chamava-se agora, Uma família em Tóquio. Dirigido por Yôji Yamada, é uma refilmagem do anterior, celebrando o que Yasujiro Ozu fizera em 1953. E foi uma experiência extraordinária.  Foram duas horas encantadoras em que pude apreciar muito mais do que o filme, mais do que sua fotografia, do que o roteiro.  Pude rever a história de novo, perceber as mudanças feitas,os detalhes e relembrar os ângulos de onde as cenas haviam sido filmadas.  Não me lembro de ter tido uma experiência tão rica ou gratificante no cinema anteriormente.

Para quem se interessa em classificar, em ordenar o mundo, vou frustrá-los porque não consigo me decidir sobre a versão de que mais gosto. O filme de 2013 mostra um Japão bem mais descontraído, mais moderno.  No entanto sua paisagem permanece singularmente bucólica e as tradições familiares, ainda que tenham sofrido mudanças, parecem requerer o mesmo grau de sensibilidade no trato.  As situações estão adaptadas, há mudanças em alguns personagens, há outro que aparece, mas não senti nenhuma perda emocional com o que foi engendrado para a versão moderna. Psicologicamente o filme é fiel à primeira versão.  Estou acostumada a ver filmes baseados em romances. Vez por outra vejo refilmagens.  Recentemente vi a refilmagem de Cape Fear (1991), na televisão.  Mas não conhecia a primeira filmagem de 1962. Não me interessou.  Achei teatral demais.  Parte do que me seduziu nessa “experiência japonesa”, foi justamente não conhecer o primeiro filme e depois de cinco dias ver o segundo. Com a facilidade que temos hoje, pela internet, e se você é curioso sobre cinema, recomendo fazer o download desses dois filmes e vê-los em ordem. Acredito que venha a ser uma experiência inesquecível.








%d blogueiros gostam disto: