“A valise do professor”, de Hiromi Kawakami

8 06 2014

 

 

NicolasChaperonhermesVenus & Hermes; painting by Nicolas ChaperonHermes e Vênus

Nicolas Chaperon (França, 1612-1656)

óleo sobre tela, 110 x 134 cm

Museu do Louvre, Paris

 

 

Meu conhecimento da tradição literária japonesa é nula. Conheço alguns escritores contemporâneos, mas não o suficiente para poder colocar a obra de Hiromi Kawakami em contexto. Assim, minha leitura de A valise do professor é feita pelos padrões e associações ocidentais. A história de uma simplicidade cativante, contada de modo direto sem rebuscados, de fácil leitura, retrata a vida de duas pessoas solitárias, que se reconhecem, que mantêm um relacionamento morno, e que encontram, no final, uma maneira mais íntima de se relacionarem. Elas são: Tsukiko uma mulher de 38 anos, solteira, que passa muitas de suas noites em um bar, sozinha, bebendo e comendo, sem grandes amigos e o Professor, de quem ela havia sido aluna, que viúvo, também, leva uma vida semelhante, só. Encontram-se em um bar e aos poucos desenvolvem uma amizade, fortemente enraizada na alimentação e na bebida. Apesar dos mais de 30 anos de idade que os separam, Tsukiko e o professor desfrutam de uma relação satisfatória para ambos.

 

2706a28d-9261-4e67-8d03-cbae1ef1b422

Este é um romance delicado de grande sensibilidade às diferentes exigências que cada um tem para se relacionar com o mundo. Por trás dessa simples história há algo que nos preenche, que nos fascina. Talvez seja porque corresponde ao que trazemos no seio da cultura ocidental: o arquétipo de Mercúrio ou Hermes como psicopompo, um ser que guia a nossa percepção sobre o mundo que nos cerca e media os nossos desejos inconscientes. Neste romance o professor exerce esse papel, o de guia, o papel de psicopompo, abrindo o caminho para que uma nova Tsukiko apareça e saia de seu casulo, que bata asas e viva a vida. E o ponto alto dessa instrução vem com introdução dela ao amor. O professor como um bom guia da alma, oferece novas oportunidades para que Tsukiko aprimore seus sentidos. Ele a acompanha e a ensina a transitar entre os extremos que a vida lhe apresenta. E oferece também uma passagem segura para o conhecimento de sua própria alma. Até mesmo na lida com o submundo ele a guia — dos sonhos e pesadelos à aceitação da morte.

 

Hiromi-Kawakami-c-Tomohiro-Muta-1013x1024Hiromi Kawakami

O título, que se refere à valise que o professor leva consigo a todos os lugares, corresponde ao arquétipo, pois trabalha com o símbolo da transição, o levar algo de um lugar ao outro. Não importa o conteúdo dessa valise, o que importa é que é o símbolo da viagem, da transição entre dois mundos esteja presente. Quando Tsukiko finalmente recebe a valise e a preserva, sabemos que ela entendeu e está pronta para assumir o papel do professor. Está, de agora em diante, incumbida em ser a facilitadora entre mundos, para quem dela necessite.

 

 





Domingo, um passeio no campo!

8 06 2014

ANDERSON CONDE - café,ost,2009,80x100cmCafé, 2009

Anderson Conde (Brasil, 1967)

óleo sobre tela, 80 x 100cm

www.andersonconde.com.br





Dia 8: Infância, desafio da escrita, #PHpoemaday

8 06 2014

 

 

velocípede, o corredor,O corredor de velocípede. Autor desconhecido, possivelmente russo.

 

Tema: infância

 

O corajoso

Com um chapéu de jornal
Em seu triciclo vermelho
Miguel comemora o Natal
Se esquecendo do conselho
De João, irmão mais velho:
“Preste muita atenção!
Há problemas no jardim,
Perto da antiga paineira
Tem desnível quase certo,
Um descuido e um belo tombo
Acabam com a brincadeira”.
Miguel não se preocupa
Pedala entregue ao seu sonho,
Corpo e alma em disparada,
Reproduzem a corrida
Que na sua imaginação
Lembra a da televisão.
Passeia pelo jardim
Faz curvas de um lado a outro,
Veloz, parece ter asas.
De repente, eis que surge,
O buraco da paineira.
Invés de se desviar,
Cuidadoso como urge,
Miguel se imagina voar
Acelera e sem olhar
Vai ao chão, ponta-cabeça.
Foi um “Deus nos acuda!”
A família surpreendida
Pelos gritos da criançada,
Veio correndo de casa.
Estatelado no chão
Mais surpreso que ferido
Miguel sem perder o estilo
Ainda contou vantagem!
O corte no joelho direito
Precisou de intervenção
Foram três pontos pequenos
E uma grande bandagem,
Que Miguel logo tornou
Em medalha de coragem!

 

 

©Ladyce West, Rio de Janeiro, 2014

 








%d blogueiros gostam disto: