Imagem de leitura — Marianne Stokes

21 10 2014

 

 

Marianne Stokes,(1855-1927) Candlemas DayFesta da Candelária, c. 1901

Marianne Stokes (Áustria, 1855-1927)

têmpera sobre painel de mogno, 41 x 34 cm

Tate Gallery, Londres





Patrimônio Cultural da Humanidade: Mosteiro de Batalha

21 10 2014

 

 

 

batalha-monument

 

Portugal:

 

Mosteiro de Batalha

 

O monastério dominicano da Batalha foi construído em comemoração à vitória portuguesa sobre os espanhóis na batalha de Aljubarrota em 1385, como resultado de uma promessa feita pelo rei João I, pela vitória. Tornou-se o principal projeto de construção da monarquia portuguesa pelos dois séculos que se seguiram. Um estilo gótico de linguagem exclusivamente portuguesa se desenvolveu nesse período, influenciado pela arte manuelina. A construção desse mosteiro é um extraordinário exemplo dessa arquitetura gótica-manuelina.





O califa e o ancião, texto de Latino Coelho

21 10 2014

 

 

an_arab_horseman-large 13Um cavaleiro árabe, 1865

Gustave Boulanger (França, 1824-1888)

óleo sobre tela

Coleção Particular

 

O Califa e o Ancião

Latino Coelho

 

Ia o califa Harum-al-Raschid por um campo, aonde andava a folgar à caça, quando sucedeu de passar por pé dum homem já muito velho, que estava a plantar uma nogueirinha. Então disse o califa aos do seu séquito:
— “Em verdade, bem louco deve ser este homem em estar a plantar agora esta nogueira, como se estivesse no vigor da mocidade, e contasse como certo vir a gozar dos frutos desta planta.” Indo-se então o califa em direitura ao velho, perguntou-lhe quantos anos tinha. “– Para cima de oitenta”, respondeu o velho; “mas, Deus seja louvado, sinto-me ainda tão robusto e saudável, como se tivesse apenas trinta.” “– Sendo assim”, redarguiu o califa, quanto pensas tu que ainda hás de viver, pois que nessa idade já tão adiantada estás a plantar uma árvore que por natureza só daqui a largos anos dará fruto?” “– Senhor, disse o velho, tenho grandes contentamentos em a estar plantando, sem inquirir se serei eu ou outros atrás de mim quem lhe colherá os frutos. Assim como nossos pais trabalharam por nos legar as árvores que nós hoje desfrutamos, assim é justo que deixemos outras novas, com que nossos filhos e netos venham a utilizar-se e a enriquecer-se. E, se hoje nos sustentamos dos frutos do seu trabalho e se foram nossos pais tão cuidadosos do futuro, como havemos de retribuir em desamor aos nossos filhos o que de nossos pais recebemos em carinho e previdência ? Assim, semeia o pai para que o filho possa vir a colher.”

 

[Exemplo de narrativa demonstrativa]

 

Em: Flor do Lácio,[antologia]  Cleófano Lopes de Oliveira, São Paulo, Saraiva: 1964; 7ª edição. (Explicação de textos e Guia de Composição Literária para uso dos cursos normais e secundário) p. 201

 

Texto usado hoje em alguns colégios no 6º ano do ensino fundamental.








%d blogueiros gostam disto: