Nossas cidades — Alfenas

6 04 2015

 

 

JOSÉ MARIA DE ALMEIDA (1906-1995)Igreja Matriz em Alfenas-MG,1967,ost,39 x 55Igreja da Matriz, Alfenas, MG, 1959

José Maria de Almeida (Portugal/Brasil, 1906-1991)

óleo sobre tela, 39 x 55 cm





Está difícil para todo mundo! Até para os museus europeus!

6 04 2015

A Visit to the Munich Pinakothek (1917). Charles Friedrich Alfred Vetter (German, 1858-1936). Oil on canvas.Uma visita à Pinacoteca de Munique, 1917

Charles Friedrich Alfred Vetter (Alemanha 1858-1936)

óleo sobre tela

 

O jornal americano The New York Times publicou um artigo Seeing a Cash Cow in Museums Precious Art, sobre as dificuldades que museus no mundo inteiro estão tendo para manter suas coleções intactas sem que os governos de seus países, resolvam vender alguma peça do acervo para pagamento de dívidas.

É desesperador para nós que trabalhamos com cultura e com história cultural ver que o alto valor de obras de arte em coleções públicas pode servir de tentação para que se resolva problemas de gestão governamental, usando a liquidação do passado, a história daquela cultura, do local ou do país.

Como lembra o diretor do museu da Westfália, Hermann Arnold, vender uma peça ou a parte de uma coleção, que se encontra em um museu ou galeria pública, é semelhante a vender a história da sua família.  Você faria isso?  Você venderia aquele colar de ouro miudinho da sua bisavó com um santinho esmaltado, ou cruz, ou crucifixo ou ainda a estrela de Davi, que você se lembra ter visto no colo de sua avó, depois no de sua mãe e finalmente, o receberia e colocaria em volta de seu próprio pescoço? É claro que não.  Faz parte de quem você é.  Da ligação entre as gerações.  Mostra o elo que você é entre o futuro e o passado.  Marca a sua existência para você e para seus descendentes.

 

Nicholas Chistiakov, Casal no museu, 2013, ost, 90x120cm, ColPart, GBCasal no museu, 2013

Nicholas Chistiakov (Belarus/EUA, 1981)

óleo sobre tela,  90 x 120cm

Coleção Particular, Grã-Bretanha

 

 

Há que se pensar em soluções criativas para o problema.  No ano passado o Museu de Arte de Detroit, no estado de Michigan nos EUA, esteve às vésperas de liquidar sua coleção para saldar as dívidas com os aposentados municipais de Detroit.  O museu não tinha nada a ver com esses aposentados.

Aqueles que falam mal dos capitalistas, e dos empresários no mundo ocidental, poderiam aprender um pouquinho com a lição dada por esses mesmos elementos “da insensível burguesia”.  Movidos pela responsabilidade de manter o acervo de um dos melhores pequenos museus nos Estados Unidos, Detroit Institute of Art, empresários da cidade se cotizaram e conseguiram pelo menos retardar a venda, enquanto se espera que o governo encontre outra maneira de subsidiar os recursos das aposentadorias do município.  Foram 27 milhões de dólares, muito menos do que a venda do acervo do museu traria, mas trouxe esperança. [Wall Street Journal].

 

 

claudio dantas 14Prodígio

Cláudio Dantas (Brasil, 1959)

óleo sobre tela, 120 x 160 cm

 

 

Alguns museus na Inglaterra já se desfizeram de obras de seus acervos.  E o governo português se encontra em impasses judiciais sobre a venda de 85 Mirós apreendidos na nacionalização de Banco Português dos Negócios.  A coleção estimada em 36 milhões de euros, no ano passado, enche os olhos daqueles que querem resolver de maneira fácil o débito governamental de 110 bilhões de euros.  Desfazendo-se de algumas propriedades o governo conseguiu 11 bilhões de euros e se vê salivando com o prospecto desses meros 36 milhões de euros.

O que não está entrando na conta é o valor do patrimônio cultural para as gerações de futuros portugueses. Tampouco leva-se em consideração os outros tantos 36 milhões de euros, renováveis perpetuamente, que esses Mirós poderiam trazer em turismo a um país que depende muito desta indústria e que está sempre – como qualquer país estaria — tentando trazer turistas de melhor qualidade, de maior poder aquisitivo. Uma vez incorporada na cultura, essa coleção assim como qualquer outra, teria valor inestimável, centenas, milhares de vezes mais produtivo do que a passageira solução de um problema fiscal que governos têm a obrigação de saber resolver.  Isso é válido para Portugal, Inglaterra, França, Alemanha, EUA, Brasil e qualquer outro país que esteja enamorado dessa solução fácil demais para ser realmente verdadeira.

Se o pior acontecer, perdemos para sempre a possibilidade de compreendermos o nosso próprio percurso no planeta.  Porque uma vez vendidos, esses patrimônios culturais entrarão nas coleções particulares dos novos-ricos chineses, sauditas, se não forem parar em total obscurantismo nos portos francos de Singapura ou Genebra.

Há de haver uma solução que sirva melhor ao todo — a todos os cidadãos.





Conselho para o escritor iniciante I, por Carolynn Madden

6 04 2015

 

Amir  Timergaleiev, Portrait of a man with a pipe, 2006Retrato de homem com cachimbo, 2006

Amir Timergaleiev (Rússia, contemporâneo)

óleo sobre tela

 

Torne-se obcecado com o seu livro

De tudo que você pode escolher fazer na vida, escrever um romance deve ser uma das decisões mais quixotescas. Você irá sacrificar dias de folga, feriados, sua vida social em função de se sentar sozinho, em um cômodo, inventando coisas, escrevendo-as, até que por volta das 100.000 palavras trabalhadas no texto, você o apresente a um editor, sabendo o tempo todo, que as chances de publicação estão contra você.

 

[Tradução é minha]

 

Para ler o artigo todo: LINK








%d blogueiros gostam disto: