Hoje é dia de feira: frutas e legumes frescos!

6 05 2015

Carlos Mancuso,aquarela s papel,27 x 30cm, ass. dt. 80Sem título, 1980

Carlos Mancuso (Brasil, 1930)

Aquarela sobre papel, 27 x 30 cm





Crepúsculo, soneto de Agnelo de Souza

6 05 2015

 

 

Night-Taos-Pueblo-by-Pedro-Joseph-de-LemosNoite, Pueblo Taos, 1921

Pedro Joseph de Lemos (EUA, 1882-1954)

pastel e carvão sobre papel tecido cinza

 

 

Crespúsculo

 

 

Agnelo de Souza

 

 

Hora crepuscular! Tarde. Agonia.

Dobres de sinos, murmurar de prece!

Luz benfazeja que desaparece,

Deixando na alma funda nostalgia.

 

Serenamente vai morrendo o dia

E o véu da noite sobre a terra desce!

É o véu sombrio que ela mesma tece

Para o noivado da melancolia!

 

Hora de tédio e de recolhimento,

Hora criada para o meu tormento,

Hora feita de prantos e gemidos!…

 

Dentro de ti e pela noite densa,

Passam gemendo, nessa mágoa imensa,

Sonhos desfeitos, corações partidos.

 

 

Em: Panorama da poesia norte-rio-grandense, Rômulo C. Wanderley, Rio de Janeiro, Edições do Val: 1965, p. 155.








%d blogueiros gostam disto: