Domingo, um passeio no campo!

17 05 2015

 

 

Nilton Bravo - Paisagem - 43 x 57 cm - OST - Ass. CIDPaisagem

Nilton Bravo (Brasil, 1937)

óleo sobre tela, 43 x 57 cm





Joinville: Colônia Dona Francisca, texto de James C. Fletcher

17 05 2015

Decio soncini, ensolarado, 2010Ensolarado, 2011

Décio Soncini (Brasil, 1953)

acrílica sobre tela, 80 x 80 cm

Coleção Raul Forbes

www.soncini.com.br

 

 

 

“A colônia Dona Francisca é um novo empreendimento, cuja origem pode ser exposta em poucas palavras. Em 1843 o Príncipe de Joinville casou-se com Dona Francisca, a irmã do Imperador do Brasil. Recebeu, então, como dote, grande extensão de terras cobertas de matas na província de Santa Catarina. Não faz muitos anos, numa das estações de água da Alemanha, o Príncipe encontrou-se com o Senador Schroeder, de Hamburgo, que lhe propôs um plano para valorizar o seu dote — isto é: conceder uma certa porção das terras para uma companhia, que nela fundaria uma colônia. O Príncipe concedeu nove léguas quadradas, reservando uma certa quantidade de acres para si próprio, nas melhores situações. A companhia se constituiu, e concordou em trazer uns mil e seiscentos colonos com um dado prazo de tempo. De março de 1851 a março de 1855, o número estipulado no contrato havia sido atingido. A maioria dos colonos eram alemães-suíços, embora franceses e alemães estivessem representados por considerável minoria. A vila de Joinville contém cerca de sessenta casas; nas regiões adjacentes há cento e vinte, e outras em construção. Deduzidas as mortes há aproximadamente mil e quinhentos habitantes nessa colônia; por outro lado, há um considerável número de franceses, e franceses-suíços, nas colônias adjacentes fundadas pelo Príncipe de Joinville em suas próprias terras. Dois terços da totalidade dos colonos são sem dúvida protestantes, e o outro terço é constituído por católicos.

Qual será o sucesso da colônia, esperemos para ver. (…)”

 

 

Kidder e Fletcher, publicação “O Brasil e os brasileiros“.

 

 

Em: Pinheirais e Marinhas, Paraná e Santa Catarina, coleção Histórias e Paisagens do Brasil, seleção de Ernani Silva Bruno, São Paulo, Cultrix: 1959, pp: 62-3

 

 

NOTA: James C. Fletcher esteve no Brasil entre os anos de 1851 e 1865, prosseguindo os trabalhos de propaganda do Protestantismo empreendidos vários anos antes por seu colega Daniel P. Kidder.





Natureza Maravilhosa! — Jiboia verde

17 05 2015
etbJiboia verde, serpente do Amazonas. Foto:Flickr.

Essa beleza gosta de dormir enroscada nas árvores.  Não é venenosa.  É uma serpente constritora, ou seja, mata por enforcamento. Vive de pequenos animais, como roedores, pequenas aves, lagartos e demais répteis. Tem muitos nomes populares: araramboia, cobra-papagaio, jiboia-verde e muitos outros. Mas seu nome científico é Corallus Caninus. É natural da Amazônia.

PARA SABER MAIS





Imagem de leitura — Einar Jolin

17 05 2015

 

Einar Jolin Young Woman Reading an Art MagazineJovem lendo revista de arte, 1919

Einar Jolin (Suécia, 1890-1976)

 








%d blogueiros gostam disto: