Imagem de leitura — Julien Jacques LeClerc

12 06 2015

 

 

Julian Jacques Leclerk, une petite dame dans le trainUma senhorita no trem

Julien Jacques LeClerc (França, 1885-1972)

ilustração para La Vie Parisiènne, década de 1920





As noivas de branco…Desde quando?

12 06 2015

 

 

Casamento russo 3Casamento na Rússia, década de 1960. Ignoro a autoria dessa ilustração.

 

“Até meados do século XVII, as noivas usavam vestidos coloridos, com pedrarias e bordados. Tons vermelhos e dourados  eram os mais comuns. Foi a rainha Vitória, da Inglaterra, que inaugurou o visual da noiva mais usado até hoje — ao se casar de branco com seu primo, o príncipe Albert. Ela também acrescentou ao seu traje nupcial um véu — detalhe, na época era proibido para rainhas que, para provarem sua identidade e soberania, nunca deveriam cobrir o rosto. O mais curioso é que ela o pediu em casamento, pois não se permitia fazer esse pedido diretamente à rainha. Com a chegada da burguesia, o vestido branco ganhou outro significado: o da virgindade.”

 

Em: Sempre, às vezes, nunca – etiqueta e comportamento, Fábio Arruda, São Paulo, Arx: 2003, 8ª edição, p: 44.





Rio de Janeiro, comemorando 450 anos!

12 06 2015

 

 

RUBEM DUAILIBI - Três VW em Copacabana e Ipanema - Acrílico s tela colado e silk-screen - 100 x 100 cm - ass. inf. direito e verso - 2008 -Três VW em Copacabana e Ipanema, 2008

Rubem Duailibi (Brasil, 1935)

Acrílica e silkscreen colada sobre tela, 100 x 100 cm

 





Teto de vidro nos prêmios literários

12 06 2015

 

 

154-To-Kill-A-Mockingbird-Book-Realism-Bird-PaintingO sol é para todos *

Camille Engel (EUA, contemporânea)

óleo sobre tela, 50 x 40 cm

www.camille-engel.com

* [O título em inglês, To Kill a Mockingbird, faz trocadilho com o título do romance da escritora americana Harper Lee, conhecido no Brasil como O sol é para todos, e em Portugal como, Mataram a cotovia]

 

Um estudo por Nicola Griffith, abrangendo os principais prêmios literários em língua inglesa, nos últimos quinze anos, mostra que livros com personagens principais masculinos têm sido favorecidos nas premiações literárias. Ou seja, se o autor deseja ser premiado, seu personagem principal deve ser masculino.  Livros sobre mulheres, com personagens femininos têm menor chance de serem premiados.

O estudo revelou ainda que, contrário ao bons ventos da igualdade de direitos, há um teto de vidro nas editoras segregando mulheres nos postos mais baixos. Postos de chefia e de decisão editorial não estão  nas mãos de mulheres. Os números da pesquisa não deixam dúvida de que há uma preferência pelo ponto de vista masculino.

E, no entanto, há mais mulheres leitoras do que homens, no mundo inteiro. Assim como há mais mulheres no mundo do que homens em números absolutos. O ponto de vista feminino sobre a vida, sobre o mundo não deveria ser negligenciado.

Seria o mesmo aqui no Brasil?

 

Para o artigo inteiro: The Guardian








%d blogueiros gostam disto: