Cacto, poesia de Mauro Mota

15 06 2015

 

cactus 8

 

Cacto

 

Mauro Mota

 

 

Insólito, agressivo,

de pudor botânico:

cacto.

 

Espantalho

da chuva,

bandido xerófilo,

muitiapunhalante.

 

A língua

dura e espinhenta

lambe e fere

o ígneo vento.

 

Cacto de aço

verde árido.

Mas

com o pranto nas raízes

e o impacto cromático

da flor cactácea

que se

abre neste mormaço.

 

 

Em:  Antologia Poética, Mauro Mota, Rio de Janeiro, Editora Leitura:1968, p. 79


Ações

Information

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s




%d blogueiros gostam disto: