Raphael Montes sobre diversão e qualidade na literatura

20 11 2015

 

 

Robert daley(EUA)-Diane, 75 x 100, col partDiane

Robert Daley (EUA,contemporâneo)

óleo sobre tela, 75 x 100 cm

www.robertdaley.com

 

 

“Na história da literatura brasileira, em algum momento, criou-se a noção de que diversão e qualidade são elementos obrigatoriamente dissociados: o que diverte não tem qualidade, o que tem qualidade não diverte. Nessa lógica deturpada, onde se situam autores como Machado de Assis, Pedro Nava e Jorge Amado? Teríamos que assumir que “Memórias póstumas de Brás Cubas”, por exemplo, é um livro de qualidade literária que não diverte ou que é um livro divertido, mas sem qualquer profundidade artística. Ambas as ideias são absurdas. Machado unia os dois lados e, assim, fazia boa literatura…”

 

Em: “A Antinarrativa”, Raphael Montes, O Globo, 18/11/2015, 2º caderno, página 6.





Rio de Janeiro comemorando 450 anos!

20 11 2015

 

Marcelo Vieira, ` Rio de Janeiro `, 40 cm x 50 cm, assinatura canto inferior direitoRio de Janeiro, 2015

Marcelo Vieira (Brasil, contemporâneo)

acrílica sobre tela, 40 x 50 cm





Imagem de leitura — Emery Franklin

20 11 2015

 

 

emery-franklin, my book, ostMeu livro

Emery Franklin (EUA, contemporâneo)

óleo sobre tela








%d blogueiros gostam disto: