Raphael Montes sobre diversão e qualidade na literatura

20 11 2015

 

 

Robert daley(EUA)-Diane, 75 x 100, col partDiane

Robert Daley (EUA,contemporâneo)

óleo sobre tela, 75 x 100 cm

www.robertdaley.com

 

 

“Na história da literatura brasileira, em algum momento, criou-se a noção de que diversão e qualidade são elementos obrigatoriamente dissociados: o que diverte não tem qualidade, o que tem qualidade não diverte. Nessa lógica deturpada, onde se situam autores como Machado de Assis, Pedro Nava e Jorge Amado? Teríamos que assumir que “Memórias póstumas de Brás Cubas”, por exemplo, é um livro de qualidade literária que não diverte ou que é um livro divertido, mas sem qualquer profundidade artística. Ambas as ideias são absurdas. Machado unia os dois lados e, assim, fazia boa literatura…”

 

Em: “A Antinarrativa”, Raphael Montes, O Globo, 18/11/2015, 2º caderno, página 6.


Ações

Information

2 responses

20 11 2015
mariel

Eu adoro sua divertida qualidade nos posts

21 11 2015
Marcos Veloso

Sem essas duas maneiras, e, mais alguns detalhes, não se constroem nada.
aliás, são as aventuras do dia dia que fazem autores observarem detalhes, sejam elas tristes ou alegres, estranhos ou suspeitos, que fazem inspirações chegar e então, belas histórias são escritas.

-NOTA:
Tem como você colocar a arte de HENRIQUE PASSOS, muito interessante sua obra, desde já agradeço.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




%d blogueiros gostam disto: