Reflexões de um professor/escritor em sabático, texto de Antoine Laurain

22 05 2016

 

Adam Emory Albright ( EUA,1862 - 1957)Garotos na escola

Adam Emory Albright (EUA, 1862-1957)

 

 

 

“… Após vinte e um anos de magistério, um desgaste havia começado a se fazer sentir. Um desgaste nervoso. Estimulado por seu editor e pelo parentes, Pichier havia tirado “um ano sabático” a fim de se dedicar unicamente à escrita. Mas, desde que ficara empacado naquele texto, sozinho, todos os dias em casa, deplorava essa decisão que o privara de seus alunos. Não importava que estes fossem turbulentos,espertalhões, ardilosos, de uma falta de cultura às vezes abissal: devia reconhecer que seus dias com eles eram infinitamente mais animados do que os transcorridos agora diante do computador. Com frequência, a concepção dos alunos sobre literatura era desanimadora. Para eles, a marquesa de Merteuil era uma espécie de cougar e Valmont, um gatão excessivamente cool. Durante um mês, tinham avançado no texto à maneira das séries de TV — Pichier havia decupado trechos: temporada 1, temporada 2… Do título, As ligações perigosas, tinham gostado bastante. Soava moderno, um pouco sexy e subversivo, tudo o que era preciso para despertar a curiosidade. À sua maneira, eles haviam de fato acompanhado o pensamento do autor do século XVIII. Madame Bovary, para os garotos não era mais do que uma história superchata, com uma perua que pirou de vez. Já as garotas compreendiam bem melhor os tormentos de Ema.  Quanto ao universo da mina Germinal, este para a turma inteira tinha algo de pura ficção científica. Um amor de Swann, com seu final: “E pensar que desperdicei anos de minha vida, que desejei morrer, que tive meu maior amor por uma mulher que não me agradava, que não era meu tipo!”, despertava mais interesse. Alguns garotos chegavam a encontrar uma ponte entre o pensamento de Proust e sua experiência pessoal de uma decepção sentimental: “O protagonista acabou se amarrando numa gata mas não era feita para ele. No fim, cai na real e com isso pensa bastante sobre ele mesmo e sobre sua vida”, resumira brilhantemente Hugo — nota 7 –, boa compreensão do texto, mas análise pouco desenvolvida, e cuide de sua ortografia. Hugo. Alguns alunos, garotas na maioria, tinham lido Arcabouço feito de nuvens. A pequena Djamila até lhe pedira uma dedicatória, fazendo perguntas muito pertinentes sobre a construção do livro, o que o emocionara e ao mesmo tempo o deixara otimista.”

 

 

Em: A caderneta vermelha, Antoine Laurain, Rio de Janeiro, Alfaguara:2016, p. 68-9.


Ações

Information

2 responses

22 05 2016
Maria Helena Oswaldo Cruz

Mto interessante e curioso!

23 05 2016
peregrinacultural

Lenah, preste atenção, eles continuam a ensinar Proust, Flaubert, Victor Hugo, e outros clássicos na escola. E a gente aqui achando que o estudante brasileiro não precisa ler Alencar, Machado, Eça.. porque são muito DIFÍCEIS. Depois o nível da nossa educação é baixíssimo e não sabemos porque votamos tão mal, e não conseguimos progredir.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




%d blogueiros gostam disto: