Palavras para lembrar — Francis Carco

31 10 2016

 

 

maria-sherbinina-moscou-russia-1965Lendo, 2005

Maria Sherbinina(Rússia, 1965)

óleo sobre tela, 72 x 80 cm

 

 

“Escrever aos vinte anos, é ter vinte anos. Escrever aos quarenta, é ser poeta.”

 

Francis Carco

 





Da minha mesa de trabalho

31 10 2016

 

 

dsc01530Nesta semana, cravinas com pétalas de bordas vermelhas na leiteirinha da minha avó.

 

Primavera. Para mim neste apartamento isso significa FORMIGAS. De onde elas vêm? Acho que de dentro das paredes. Essas flores, que você vê na foto são foco e atenção de diversos tipos de formiga. Minha mesa parece organizada e limpinha? Porque todos os dias limpo sua superfície com álcool e mais de uma vez por semana, passo remédio contra formigas? Já passei horas seguindo caminhos, longas filas de trabalhadeiras… que desaparecem aqui ou ali, por debaixo de um rodapé, na fresta de uma janela de correr. Vai que um dia o edifício, que esconde tantos seres cai por causa dos formigueiros dentro dele?

As flores que compro as atraem. Principalmente as flores, como essas cravinas, que têm uma coloração artificial: as bordas vermelhas. Fora os crisântemos brancos, praticamente todas as outras flores, coloridas e alegres, chamam para si formiguinhas famintas, que encontram os caminhos mais trabalhosos para chegar os seus caules.

As Formigas é o título de um livro de grande sucesso de Bernard Weber. Ficção científica em três volumes. Eu estava prestes a dizer que não gosto de ficção científica, mas não é verdade. Gosto. Mas sou muito seletiva. Gostei de Haruki Murakami 1Q84, que considero uma das obras primas deste século. Gostei de Fahrenheit 451, que li há muitos anos. E de muitos outros. Fiquei no primeiro volume dessa série chamada O Império das Formigas. Mas muitos leitores que conheço gostaram. O autor nos mostra como elas construíram um universo paralelo. Não consigo parar de pensar neste livro enquanto me defendo diariamente das tropas invasivas de formigas na minha mesa de trabalho. Chamemos as papa-moscas, as lagartixas e demais controladores da super população de formigas, porque assim como está não dá.

—-

Livros lidos, esperando respectivas resenhas:

A garota do trem — Paula Hawkins

A última palavra — Hanif Kureishi

Guerra de gueixas — Nagai Kafu

Balzac e a costureirinha chinesa, Dai Sijie

O fuzil e a caça — Yasushi Inoue

Enclausurado — Ian McEwan

Dois extras:

Lido há anos e aqui para textos no blog:

As confissões do meu tio Gonzaga, de Luís Jardim.

Leitura no meio —

Night of Many Dreams de Gail Tsukiyama

Sem aparecer na foto, mas lendo no Kindle:

Sapiens:uma breve história da humanidade, de Yuval Noah Harari

Salvar

Salvar

Salvar





Nossas cidades — Niterói

31 10 2016

 

 

alcy-vianna-pedra-de-itapuca-niteroi-o-s-t-assinado-no-canto-inferior-direito-40x55-cmPedra de Itapuca, Niterói

Alcy Vianna (Brasil, 1937)

óleo sobre tela, 40 x 55 cm








%d blogueiros gostam disto: