Sublinhando…

9 03 2017

 

 

 

FRANCOIS FRESSINIER, (França, 1968) Reading Room tecnica mista e óleo sobre tela, Martin Lawrence GalleriesSala de leitura

François Fressinier, (França, 1968)

técnica mista e óleo sobre tela

Martin Lawrence Galleries

 

 

 

“O passado é esquisito. Quer dizer, ele existe de verdade? A sensação é de que existe, mas onde ele está? E se existiu mesmo mas não agora, onde ele foi parar?”

 

 

Ruth Ozeki

 

Em: A terra inteira e o céu infinito, Ruth Ozeki, Rio de Janeiro, Casa da Palavra: 2014, p.105

Salvar

Salvar





As fantásticas girafas de Dabous!

9 03 2017

 

 

DabousGiraffeGirafas entalhadas na pedra, Dabou, Niger.

 

 

Em novembro de 1997 foram encontradas girafas entalhadas na pedra, numa região remota do deserto de Saara, conhecida como o Deserto de Tenere, que traduzido, significa o lugar onde não existe nada. O local chamado  Dabous está a meio caminho de Agadez e Arlit, no Níger e hoje dá o nome a essa arte pré-histórica. São duas girafas em tamanho natural, entalhadas por um artista anônimo, entre 9.000 a 5.000 anos atrás.  O entalhe mede cerca de 5,4 metros e é, até hoje, a maior arte rupestre animal conhecida. Elas foram encontradas por David Coulson, fotógrafo, que participava de uma expedição fotográfica ao país.  Um dos membros da expedição é o Dr. Jean Clottes, membro da Bradshaw Foundation, uma organização que se dedica à proteção e preservação desse petroglifo.

O local tem 828 outros entalhes, 704 animais (maioria bovinos) girafas, avestruzes e antílopes, uns poucos leões, rinocerontes e camelos.  Há também 61 figuras humanas e 159 desenhos indeterminados.

É ou não é sensacional?

 

map





São Luís do Maranhão, poesia de Martins D’Alvarez

9 03 2017

 

 

 

Fernando Castelo Branco, Memórias de São Luís do Maranhão

Memórias de São Luís do Maranhão, s/d

Fernando Castelo Branco (Brasil, contemporâneo)

http://casteloartes.blogspot.com.br/

 

 

 

São Luís do Maranhão

 

Martins D’Alvarez

 

 

“Minha terra tem palmeira

onde canta o sabiá…

isso é lirismo do poeta,

a gente pensa de cá!

Mas, ao penetrar-se, em barcos,

na baía de São Marcos,

vemos que há mesmo palmeiras

e muitas palmeiras lá.

 

E, emoldurando as palmeiras,

há jardins verdes, floridos,

ruas que sobem ladeiras,

azulejos e vitrais…

Poesia dos tempos idos:

— chafarizes esquecidos,

romances adormecidos

em solares coloniais.

 

E na fronde das palmeiras,

há mesmo alados cantores

— enlevo dos sonhadores,

— ternura dos namorados…

Dos platônicos mancebos

que se ficam nas calçadas

a acenar para as donzelas

nas janelas dos sobrados.

 

“Minha terra tem primores

que tais não encontrou eu cá…

“Velhos fortins dos franceses,

igrejinhas seculares:

Carmo, Remédios, a Sé

— mãe das primeiras Missões!…

Se cujo púlpito, Vieira,

plantou a fé brasileira,

com a augusta sementeira

de seus famosos sermões.

 

Tem recantos encantados,

de um bucolismo sem-par:

— Sacavém, Ponta da Areia,

São João de Ribamar…

O velho Farol de Alcântara,

o Bumba-meu-boi de Anil…

E outras relíquias da História

pitoresca do Brasil.

 

Tem aquela preta velha

da Rua dos Afogados

que foi preada na Angola,

deu bom preço nos mercados…

Foi tudo para os Senhores…

Amargou de mão em mão…

E traz na pele, gravado,

o drama da escravidão.

 

Tem o português dos “secos”

e o português dos “molhados”…

Tem o turco dos “retalhos”

ë o turco dos “atacados”…

Tem a “pipira morena”,

lá da Rua do Alecrim,

que aos domingos, toda chique,

vai fazer seu piquenique

e à noite, em Campos de Ourique,

quem paga tudo é o Joaquim!

 

“Nosso céu tem mais estrelas”

“na noite calma e deserta…

— Infinita porta aberta

para um mundo de poesias!

“nossas várzeas têm mais flores”,

além das rosas-meninas

que florescem nas esquinas

da Praça Gonçalves Dias!

 

“Nossos bosques têm mais vida”

na magia feiticeira

dessa Atenas Brasileira

de artistas e pensadores.

Graças à luz expendida

por esta estirpe luzida,

“nossos bosques têm mais vida,

nossa vida mais amores”.

 

“Em cismar sozinho à noite

mais prazer encontro eu lá”,

pela Praça João Lisboa,

recitando o “Marabá”…

Ao longo da Praia Grande…

No botequim da Sinhá,

tirando o gosto da pinga

com refresco de cajá…

Ouvindo, ao luar de prata,

acordes de serenata,

com trovador e com flauta

com violão e ganzá.

 

“Não permita Deus que eu morra

sem que eu volte para lá…

“Sem que carregue, contrito,

o andor de São Benedito,

na bênção que ao povo aflito,

em procissão, ele dá…

Sem que inda prove pequi,

cupuaçu, bacuri,

cambica de murici

e um bom arroz de cuchá!…

 

Quero morrer, na verdade,

na minha velha cidade,

namorando a antiguidade,

numa rede de algodão…

Dando um adeus ao passado,

um viva a Pedro II

na melhor terra do mundo:

— São Luís do Maranhão!

Salvar

Salvar








%d blogueiros gostam disto: