Lendo: “Jesus Cristo bebia cerveja”, de Afonso Cruz

20 06 2018

 

 

DSC03854aJESUS CRISTO BEBIA CERVEJA

Afonso Cruz

Alfaguara: 2014, 248 páginas

 

SINOPSE

“Um verdadeiro escritor, tão original quanto profundo, cujos livros maravilham o leitor, forçando-o a desencaminhar-se das certezas correntes e a abrir-se a novas realidades.” – Miguel Real, Jornal de Letras

Filha de um camponês e de uma mulher vinda da cidade, Rosa passou toda a vida no interior de Portugal. Após a morte dos pais, ela fica responsável por cuidar da avó, Antónia, uma senhora idosa que já não escuta bem e precisa de assistência frequente.

Rosa é uma garota linda, e acima de tudo determinada. O último desejo da avó é conhecer Jerusalém. Pois bem; empenhada em realizar este último pedido, e sabendo que a avó não pode mais viajar, a jovem decide levar a Terra Santa até ela; ou melhor, a transformar uma pequena aldeia numa Jerusalém cênica. Mas Rosa não sabe que essa operação irá colocar outras peças em movimento, que mudarão sua própria vida.

Afonso Cruz é um dos autores mais brilhantes da nova geração de escritores portugueses. Com um estilo envolvente, em Jesus Cristo bebia cerveja, o autor fala de acontecimentos que transformam o ser humano, num livro sobre amor, desejo e sacrifício.





Sobre escritores e suas biografias, texto de Hanif Kureishi

14 06 2018

 

 

 

Dennis William Dring (1904-1990) Royaume-Uni,William D. DringMoça lendo

Dennis William Dring (GB, 1904 – 1990)

óleo sobre tela

 

 

“Sentado ao lado do grande homem, Harry ruminava pensamentos sobre os escritores que crescera adorando. Forster, fazendo em pedaços o colonialismo, absurdo dos absurdos; um Orwell sério; Graham Greene, errático, correndo atrás de encrenca e de morte; Evelyn Waugh, que via quase tudo, e odiava o que via. Mamoon era um dos últimos desse tipo, e de mérito equiparável, na opinião de Harry. E Harry estava na casa dele; andava a seu lado e discutia a sério com ele; ia escrever sobre a vida dele. Seus nomes ficariam unidos para sempre; ele teria uma diminuta fatia do poder do velho. Mas a biografia havia aprendido muito com a imprensa de escândalos; tinha sido sugada na direção da imundície, um processo de perda de qualquer ilusão.  Desmascarar era o grande lance, deixando apenas ossos nus. Você acha que gosta desse escritor? Pois veja como ele maltratou a esposa, os filhos e a amante. Ele até gostava de homens! Tenha ódio dele, tenha ódio de sua obra — de qualquer lado que a gente olhe o sujeito, está tudo acabado. A questão agora era outra: o que podemos perdoar nos outros? Até onde eles podem ir antes que a nossa fé neles vire pó?”

 

 

Em: A última palavra, Hanif Kureishi, São Paulo, Cia das Letras: 2016, p. 43





Imagem de leitura: Achille Devéria

11 06 2018

 

 

 

Achille Deveria (1800-1857)Nove horas da manhã

Achille Devéria ( França, 1800 -1857)

Litografia





11 de junho: Batalha Naval de Riachuelo

11 06 2018

 

 

1024px-Palácio_Pedro_Ernesto_-_Batalha_do_Riachuelo_-_cópiaBatalha naval de Riachuelo, 1883

Victor Meirelles (Brasil, 1832 — 1903)

óleo sobre tela, 420 x 820 cm

Museu Histórico Nacional, RJ

 

 

Batalha Naval de Riachuelo aconteceu no dia 11 de junho de 1865, durante a Guerra do Paraguai, no Rio da Prata.





Rio de Janeiro, minha cidade natal!

8 06 2018

 

 

Paisagem do Rio de Janeiro com o Palácio Monroe Manoel Santiago (Brasil, 1897-1987) óleo sobre madeira, 47 x 57 cmPaisagem do Rio de Janeiro com o Palácio Monroe

Manoel Santiago (Brasil, 1897-1987)

óleo sobre madeira, 47 x 57 cm

 

 





Livros de presente, Sarah Crown

7 06 2018
0396d1587568ea3b0ab93b80a1a02722Desconheço a autoria.

 

 

“Livros são ótimos presentes. Primeiro, são economicamente eficientes: decidindo por livros de bolso você pode dar a alguém um mundo inteiro por muito pouco. Segundo, são fáceis de embrulhar.  Terceiro, e crucial, são uma maneira brilhante de expressar carinho:  casando o recipiente com o livro certo você  demonstra o quanto o conhece e o quanto você gosta dele.”

 

 

Em: Sarah Crown, Gaudy Night by Dorothy L Sayers – a weighty novel that still thrills, The Guardian, 6 de Janeiro de 2016.

 





Lendo: “Estamos todos completamente transtornados”, Karen Joy Fowler

7 06 2018

 

 

 

DSC03840Estamos todos completamente transtornados

Karen Joy Fowler

Rio de Janeiro, Rocco: 2018, 336 páginas

 

SINOPSE

Rosemary Cooke já teve uma irmã, repentinamente tirada do convívio familiar, e já sofreu o bastante por conta disso. Aos 22 anos, ela acaba de entrar para a Universidade da Califórnia e decide acertar as contas com a sua infância. Autora do bestseller O clube de leitura de Jane Austen, que virou filme e foi publicado no Brasil pela Rocco em 2017, Karen Joy Fowler ganhou o PEN/Faulkner Award e foi finalista do Man Booker Prize com o delicado e perturbador Estamos todos completamente transtornados, em que conta a história de um casal de cientistas que leva às últimas consequências seus experimentos com chimpanzés, na década de 1970. Narrado em flashback pela filha caçula dos Cooke, Rose, o romance, que também figurou na prestigiada lista anual de livros notáveis do jornal The New York Times e recebeu resenhas elogiosas dos principais veículos internacionais, escancara as fragilidades do comportamento humano e das relações familiares, com doses iguais de humor e amargura.








%d blogueiros gostam disto: