Imagem de leitura — Félix Mestres y Borrel

30 09 2018

 

 

La lectura. Óleo sobre lienzo, 88 x 50 cm. Félix Mestres y Borrel (Espanha, 1873 - 1932)A leitura

Félix Mestres y Borrel (Espanha, 1872 – 1933)

Óleo sobre tela, 88 x 50 cm





Domingo, um passeio no campo!

30 09 2018

 

 

 

EDGAR WALTER - Paisagem - Óleo sobre tela - 33 x 41 - Década de 1940Paisagem, 1944

Edgar Walter (Brasil, 1917- 1994)

óleo sobre tela,  33 x 44 cm





Em três dimensões: Coderch & Malavia

30 09 2018

 

 

Coderch-Malavia-Sculptors1Aprendendo a voar, 2017

Joan Coderch i Pares (Espanha, 1959) e Javier Malavia Tabares (Espanha, 1970)

Bronze, 110 x 108 x 40 cm  Tiragem de 8

 

 

Learning-to-fly-Life-size-Bronzop0ok





O mundo animal de Sir Alfred James Munnings

29 09 2018

 

Munnings, Alfred James, 1878-1959; Pigs at Great Thurlow, SuffolkPorcos em  Great Thurlow

Sir Alfred James Munnings (GB, 1878-1959)

Oleo sobre tela

The Munnings Art Museum, Dedham, Essex

 

 

_Sir_Alfred_James_Munnings_-_The_Plough_in_Early_SpringO arado no inicio da primavera

Sir Alfred James Munnings (GB, 1878-1959)

Óleo sobre tela

 

 

Munnings, Alfred James, 1878-1959; Sunny JuneDia de sol em junho

Sir Alfred James Munnings (GB, 1878-1959)

Oleo sobre tela

Norfolk Museums

 

 

dairy cows by a stream By Sir Alfred James MunningsVacas leiteiras no riacho

Sir Alfred James Munnings (GB, 1878-1959)

Óleo sobre tela

 

 

Sir Alfred James Munnings (GB, 1878-1959) um cacador com seus cachorrosCaçador com seus cachorros

Sir Alfred James Munnings (GB, 1878-1959)

Oleo sobre tela, 52 x 57 cm

 

 

Sir Alfred James Munnings (GB, 1878-1959), chamberlain e irmãA caminho do encontro equestre, Capitão F. G. Chamberlin e sua irmã, 1907

Sir Alfred James Munnings (GB, 1878-1959)

óleo sobre tela, 127 x 167 cm

 

 

herdsman and cattle, a. james munningsPastor com suas vacas

Sir Alfred James Munnings (GB, 1878-1959)

Óleo sobre tela, 100  x 120cm

 

 

atravessando o rioAtravessando o rio

Sir Alfred James Munnings (GB, 1878-1959)

Óleo sobre tela, 76 x 61 cm

 

 

porcos no bosquePorcos no bosque

Sir Alfred James Munnings (GB, 1878-1959)

Oleo sobre tela, 52 x 57 cm

 

 

larkLark III, a red setter

Sir Alfred James Munnings (GB, 1878-1959)

óleo sobre tela,  44 x 44 cm

 

 

égua e potroÉgua e potro

Sir Alfred James Munnings (GB, 1878-1959)

óleo sobre tela, 63 x 76 cm

 

 

na beira da feira aquarelaÀ margem da feira

Sir Alfred James Munnings (GB, 1878-1959)

Aquarela sobre papel,  20 x 27 cm

 

 

MAragaretta Park retratoRetrato da Sra. Margaretta Park Frews em montaria

Sir Alfred James Munnings (GB, 1878-1959)

óleo sobre tela, 76 x 76 cm

 

um ponei e burricosUm Pônei e burricos, 1904

Sir Alfred James Munnings (GB, 1878-1959)

Oleo sobre tela, 51 x 61 cm

caladores e houndsCaçadores e cães de caça, 1922

Sir Alfred James Munnings (GB, 1878-1959)

Litografia policromada,  44 x 52 cm





Flores para um sábado perfeito!

29 09 2018

 

 

Lucília Fraga, Prímulas óleo sobre tela, 26,5 X 20Prímulas, 1949

Lucília Fraga (Brasil, 1895-1979)

óleo sobre tela, 20 x 26 cm

PESP- São Paulo





Família moderna, Hanif Kureishi

29 09 2018

 

Patricia_schappler (EUA, ) Eve, graphite & collage drawing 156x 118 cm, 2011-12.Eve, 2012

Patricia Schappler (EUA, contemporânea)

carvão, grafite e colagem, 156 x 118 cm

 

 

“O senhor disse, faz tempo, que se todas as épocas têm sua questão filosófica central, na nossa época essa questão será o renascimento da religião como política. E assim o senhor começou a relacionar o Islã radical e sua sexualidade bizarra com o ódio ao corpo, o corpo queimado na automorte sacrificial. Esse é um gesto da mais profunda submissão. Sabemos que o Ocidente tentou, nos anos 1960, remover o pai, autoritário ou não. Foi assim que acabamos, como o senhor apontou muitas vezes e com grande proveito, com uma cultura de mães solteiras. […]

‘O pai — como sempre fazem os pais — voltou ou na forma de gângster, como em O poderoso chefão e no seu predileto Os Sopranos, ou na forma de autoridade religiosa. Existe também a tentativa do pai de excluir, quando não pisotear, a sexualidade. Pelo menos nos outros. […]

 

 

Em: A última palavra, Hanif Kureishi, tradução de Rubens Figueiredo, São Paulo, Cia das Letras:2016, p. 211





Rio de Janeiro, minha cidade natal!

28 09 2018

 

 

Armando Balloni (Itália, 1901 - São Paulo SP, 1969) - `Arco dos Teles` - Gravura aquarelada, assinatura a lápis no CID e datado 1954. Emoldurada. Med. 57x41 cm.Arco dos Teles, 1954

Armando Balloni (Itália, 1901 – São Paulo SP, 1969)

Gravura aquarelada,  57×41 cm.

 

 





Cuidado, quebra!

27 09 2018

 

 

DSC02299

Um de muitos Vasos Retratos, ano I — 800 E.C.

Cerâmica

Cultura Mocha, Peru

Museu Larco, Lima

 

DSC02292Um de muitos Vasos Retratos, ano I — 800 E.C.

Cerâmica

Cultura Mocha, Peru

Museu Larco, Lima





Hoje é dia de feira: frutas e legumes frescos!

26 09 2018

 

 

Oscar Pereira da Silva (1867-1939) Romãs 1910Óleo sobre tela 48 x 60 cm.Romãs e uvas sobre a mesa, 1910

Oscar Pereira da Silva (Brasil, 1867 – 1939)

óleo sobre tela, 48 x 60 cm





Tradutor americano seleciona leituras japonesas para as férias

26 09 2018

 

Kasyou TakabatakeBela senhora de kimono

Kasyou Takabatake (Japão, 1888 – 1966)

 

 

O tradutor americano Dan Bradley publicou na revista GRANTA uma lista de obras japonesas que ele recomenda para leitura nas suas férias de verão.  Como todos sabem por aqui, adoro listas de livros porque estou sempre à procura de um bom livro de uma boa semana de leituras.  Assim sendo, passo logo a listar por aqui as obras que ele mencionou e que já se encontram traduzidas para o português.  Literatura japonesa tem sido objeto de interesse para mim.  É um amor maduro.  Descobri-a graças a amigos leitores, e não tenho nenhum conhecimento formal da história da literatura japonesa.  Mas diria que tenho lido sistematicamente uns 4 a 5 livros japoneses por ano.

 

1 — O homem que passeia, de Jiro Taniguchi, Editora Devir: 2017

O_HOMEM_QUE_PASSEIA_1502810676691424SK1502810676B

Com desenhos de Taniguchi e roteiro de Masayuki Kusumi (o mesmo roteirista de “Gourmet”), “O homem que passeia” é formado por oito passeios de um mesmo homem por sua cidade japonesa. O quinto passeio, “Os pepinos amargos no meio da noite”, é bem emblemático da maneira taniguchiana de pensar a (ou passear pela) vida. Começa com uma visita à casa de um amigo, que termina às 3 da madrugada. Nosso querido passeador resolve voltar para casa a pé, caminhada que levará uma hora e quinze minutos. Há algum suspense no ar: pepinos amargos e a travessia de ruas desertas. Mas nada de ruim acontece. Apenas reflexões ambulantes sobre a cidade que dorme e o amigo que acaba de se separar da mulher. Tudo menos dramático que o som do mergulho de uma rã ou o movimento sutil do pousar de uma borboleta em haiku mais que perfeito e tranquilo. Essas qualidades de Taniguchi, mais sua sensibilidade diante daquilo que existe de poesia na banalidade do cotidiano (tanto na natureza quanto na cidade), já produziram uma legião de admiradores para sua obra, como o cineasta belga Sam Garbarski, que levou para as telas – em 2010 – um de seus mangás, Bairro Distante.

 

2 — Opus, Satoshi Kon, Editora Panini: 2017

 

4e1e1a529fe8dfdb48510e3a7f85069fB

Antes de se tornar um dos diretores de animes mais conceituados, Satoshi Kon trabalhou com mangás. Opus é da década de 90. Com roteiro e arte dele, mistura elementos de realidade e imaginação, de sonho, podemos dizer. Os fãs de filmes como Perfect Blue e Paprika perceberão o traço marcante, lembrando o mestre Katsushiro Otomo, de Akira (mangá no qual Kon trabalhou), e a tensão vivida pelos personagens, em enquadramentos de tirar o fôlego. Há também uma metalinguagem com o universo dos mangás levada às ultimas consequências. A Panini acaba de lançar o primeiro volume de dois. Opus é uma joia escondida nas bancas.

 

3 — O país das neves, Yasunari Kawabata, Estação Liberdade: 2004

PAIS_DAS_NEVES_1231109603B

Neste livro, de grande repercussão no Japão e no exterior (inclusive com adaptações para o cinema), Kawabata expõe a densidade e as contradições das relações humanas por meio do encontro entre Shimamura, um culto senhor de posses, Komako, uma gueixa das montanhas, e Yoko, uma bela jovem provinciana, trazendo ao leitor um texto comovente e lírico ao extremo. Em vez de provocantes paixões, o desperdício do amor e o sacrifício pessoal dos personagens conduzem-nos a uma atmosfera gélida, com pinceladas de forte afetividade, em que o branco da neve e o frio penetrante contribuem para dar o tom melancólico da narrativa. Não à toa: a estação termal de Yusawa, que o escritor visitou pela primeira vez em 1934, serviu de inspiração para a criação do cenário onde a história se passa.

 

Outros escritores mencionados por ele não têm as obras em tradução, mas a maioria tem outras outras obras em português. Eles são: Yoko Ogawa, Hiromi Kawakami, Ryu Murakami, Hideo Yokoyama e Alex Kerr. 

Está na hora de começarmos a planejar as leituras de verão.

 

 








%d blogueiros gostam disto: