Mulheres pintoras documentando a Primeira Guerra Mundial

8 03 2019

 

 

 

Women's Canteen at Phoenix Works, Bradford, 1918, by Flora Lion,ost 106 x 182 cm, Imperial War MuseumCantina das Mulheres na Metalúrgica Phoenix Works, 1918

Flora Lion (GB, 1878 – 1958)

óleo sobre tela, 106 x 182 cm

Imperial War Museum, Londres

 

Uma iniciativa britânica de documentar o que mais tarde seria conhecido como Primeira Guerra Mundial levou algumas pintoras já estabelecidas a pintarem cenas que tinham a ver com a guerra, quer na linha de batalha, quer na terra natal, testemunhando as mudanças na vida diária do país.

 

Olive Mudie-Cooke, Numa ambulância, uma enfermeira acendendo cigaroo para paciente, aquarela sobre papel,29 x 21 cm,Imperial War MuseumInterior de uma ambulância, enfermeira acende cigarro para o paciente

Olive Mudie-Cooke (GB, 1890 — 1925)

aquarela sobre papel, 29 x 21 cm

Imperial War Museum, Londres

 

Grande parte da documentação existente refere-se a mulheres pintoras da Grã-Bretanha.  Mas a Austrália e  a França também têm obras feitas por mulheres durante a Primeiro Guerra Mundial.

 

A Bus Conductress, 1919, by Victoria Monkhouse. aqaurela sobre papel,39 x 27 cm, Imperial War MuseumMotorista de ônibus, 1919

Victoria Monkhouse (GB, 1883 – 1970)

aquarela sobre papel, 39 x 27 cm

Imperial War Museumm Londres

 

Ainda que tenha havido procura para que documentação da guerra estivesse nas mãos de mulheres, ela foram muito poucas quando passamos os olhos sobre aqueles que testemunharam e pintaram o dia a dia do período da guerra.  Aqui vão mais imagens de pintoras “guerreiras”.

 

Clare Atwood (1866–1962) Christmas Day in the London Bridge YMCA Canteen, 1920, ost, 152 x 182 cm, Imperial War MuseumDia de Natal, na Cantina YMCA em London Bridge,  1920

Clare Atwood (GB, 1866–1962)

óleo sobre tela, 152 x 182 cm

Imperial War Museum, Londres

 

After the War, a VAD ambulance bringing in French peasants wounded by shells left on the Somme Battlefield. Beaulencourt Convoy, by Olive Mudie-Cooke © IWM (Art.IWM ART 3087)Depois da Guerra, uma ambulância trazendo feridos civis franceses feridos por balas encontrados nos campos de guerram Beaulencourt Convoy

Olive Mudie-Cooke (GB, 1890 — 1925)

Imperial War Museumm Londres

 

Käthe Kollwitz (German, 1867–1945). Mothers (Mütter), 1919. Lithograph,52 x 70cm). The Metropolitan Museum of Art, New York,Mães, 1919

Käthe Kollwitz (Alemanha, 1867–1945)

Litografia, 52 x 70 cm

The Metropolitan Museum of Art, New York

 

Natalia Goncharova (French [born Russia], 1881–1962). Christian Host from Mystical Images of War, 1914. Lithograph, 30 x 22cm,The Metropolitan Museum of Art, New YorkHóstia cristã da série Imagens Místicas da Guerra, 1914

Natalia Goncharova (Rússia – França, 1881–1962)

Litografia, 30 x 22 cm

The Metropolitan Museum of Art, New York

 

 

The Scottish Women's Hospital, In The Cloister of the Abbaye at Royaumont, 1920, ost, 114x139 cm, by Norah Neilson-Gray.Hospital Feminino da Escócia, no Claustro da Abadia de Royaumont, 1920

Norah Neilson-Gray (GB, 1882- 1931)

Óleo sobre tela,  114 x 139 cm

 

War Allotments in a London Suburb by Dorothy Coke, 1918Loteamento de Guerra em um subúrbio de Londres, 1918

Dorothy Coke (GB, 1897 – 1979)

 

(c) Michael M. Atwood; Supplied by The Public Catalogue FoundationEstação Victoria, 1918

Corpo da Cruz Verde, Ambulância da Reserva de Mulheres, dirigindo soldados em licença, pintado em 1919

Clare Atwood (GB, 1866–1962)





Uma mulher botânica no século XVII

8 03 2019

 

 

 

Mary_Capel_(1630–1715),_Later_Duchess_of_Beaufort,_and_Her_Sister_Elizabeth_(1633–1678),_Countess_of_Carnarvon (2)DETALHE — Lady Mary Capell, Duquesa de Beaufort

Peter Lely (Holanda-Inglaterra, 1618 – 1680)

óleo sobre tela, 130 x 170 cm

Metropolitan Museum of Art, Nova York

 

 

Lady Mary Somerset [Capell], primeira Duquesa de Beaufort na Inglaterra, (1630 -1715) manteve um grande complexo de jardins na sua propriedade em Badminton.  Foi muito mais do que uma pessoa dedicada ao canteiros e jardins, foi uma séria estudiosa e investigadora de plantas.  Seus jardins não eram um hobby para ela, suas observações e experimentos documentam interesse científico sério que trouxe ao conhecimento da época muitas novidades.

Ativa em se corresponder com botânicos conhecidos como Southwell e Sir Hans Sloane e também com Sir Robert Southwell, Presidente da Royal Society, ela manteve notas preciosas sobre plantas, observações sobre a manutenção delas, germinação de sementes, poda e alimentação de plantas raras.

Selecionou folhas e flores colocando-os em livro. Desenhou com cuidado plantas de seu interesse que ainda podem ser vistos hoje nos 12 volumes que formam o seu Herbário.  Infelizmente sua obra nunca foi publicada.  Mas sobreviveu por mais de 300 anos e hoje se encontra na Biblioteca Botânica do Natural History Museum, Londres.

 

duchess-of-beauforts-hortusSpecimens from the Duchess of Beaufort’s Hortus Siccus, Natural History Museum, London.Espécimes do Hortus Siccus,  da Duquesa de Beaufort, no Museu de História Natural de Londres.

 

A propriedade em Badminton no século XIX

BadmintonMorris_edited

Hoje

Badminton_House

 

5b3b80dea040d01037b8b6fc_IMG_7376

 

Abaixo a obra completa dos retratos das irmãs Capell

 

Mary_Capel_(1630–1715),_Later_Duchess_of_Beaufort,_and_Her_Sister_Elizabeth_(1633–1678),_Countess_of_Carnarvon (3)Lady Mary Capell, Duquesa de Beaufort e sua irmã Elizabeth Capell, Condessa de Carnarvon







%d blogueiros gostam disto: