Canção da breve serenidade, poesia de Augusto Frederico Schmidt

18 04 2019

 

 

 

Lluís_Borrassà_-_Young_Man_Leaning_out_of_the_Window_-_Google_Art_ProjectJovem se debruçando na janela, 1400 – 1415

Lluís Borrassà (1360 – 1425)

têmpera sobre madeira, 38 x 24 cm

Museu Nacional d’Art de Catalunha, Barcelona

 

 

Canção da breve serenidade

 

Augusto Frederico Schmidt

 

 

Ouço a chuva cair. Olho as ruas molhadas.

Penso nas violetas e nos jardins em flor.

Desce ao meu coração uma paz sem memória.

Desce ao meu coração uma doçura imensa…

 

Lembro o amor a dormir tranquilo e sossegado

A rua esquiva e sem pregões, a rua pobre,

A rua humilde e a casa pequenina, em que se abriga

Lembro a infância que foi e outras manhãs já longe.

 

Sinto a vida como a chuva descendo

Sobre os quietos beirais, sobre as ruas, descendo

Sinto que o tempo é bom porque não para nunca

 

Um ritmo de abrigo envolve as coisas, tudo,

Vontade de dormir o grande sono calmo

Ouvindo a chuva triste e mansa a descer sobre mim.

 

 

Em: Letras e Artes, 23 de novembro de 1952, [Suplemento de A manhã], ano 7. nº 271


Ações

Information

2 responses

19 04 2019
mariel

Que lindo

19 04 2019
Magda Roque

Ameiiiiiiiii!!!!! Grata, sempre.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s




%d blogueiros gostam disto: