Hoje é dia de feira: frutas e legumes frescos!

24 07 2019

 

 

 

REYNALDO Fonseca (1925) “Maçã”, o.s.t. – 22 x 16 cm. Ass. e dat. 1968Maçã,  1968

Reynaldo Fonseca (Brasil, 1925 – 2019)

óleo sobre tela, 22 x 16 cm





Homenagem: Reynaldo Fonseca (31/1/1925- 23/7/2019)

23 07 2019

 

 

 

RF, a988Anunciação

Reynaldo Fonseca (Brasil, 1925 – 2019)

óleo sobre tela

 

 

Perdemos no Brasil, um dos nossos maiores pintores do século XX.  Reynaldo Fonseca, nascido em 1925, faleceu hoje aos 94 anos.  Pintor único, que não se deixou levar por modismos e que não negou a influência clássica que o orientou através do mundo misterioso que construiu.  Pintor figurativo conseguiu se apoderar do silêncio para rodear suas imagens.  Silêncio no gesto demorado que todos parecem ter. O gesto congelado, pesado, imutável. Sua obra é repleta de poesia.  É meditativa.  Com ele fomos obrigados a refletir sobre o mundo que nos rodeia.  Em cada obra, um momento de pausa.  Um momento de autoconhecimento.  Um pintor, que lidando com a tela plana, nos levou a considerar as profundezas da alma.  Acredito as artes plásticas brasileiras estejam de luto.  Perdemos um GRANDE pintor.

 

Reynaldo Fonseca (Brasil, 1925) Mulher bordando, 1969, ost, 46 x 38cmMulher bordando, 1969

Reynaldo Fonseca (Brasil, 1925 – 2019)

óleo sobre tela, 46 x 38 cm

 

 

Reynaldo Fonseca (Brasil, 1925)Estendendo lençois, 1977, óleo sobre tela, 81x 100cmEstendendo lençóis, 1977

Reynaldo Fonseca (Brasil, 1925-2019)

óleo sobre tela, 81x 100cm

 

 

REYNALDO FONSECA(1925)O CachorroÓleo s telaAss; e datado 2003 cse e versoApresenta no verso selo da Galeria de Arte Ipanema81 x 100 cmO Cachorro, 2003

Reynaldo Fonseca (Brasil, 1925 – 2019)

Óleo sobre tela, 81 x 100 cm

 

 

Reynaldo Fonseca (1925) Menina com bambolê, 1975, nanquim sobre papel, 14x19Menina com bambolê, 1975

Reynaldo Fonseca (1925 – 2019)

nanquim sobre papel, 14 x 19 cm

 

 

REYNALDO FONSECA (1925) Duas figuras - Óleo s tela - 50 x 70 cm - ass. superior direito e verso 2005.Duas figuras, 2005

Reynaldo Fonseca (Brasil, 1925 – 2019)

óleo sobre tela, 50 x 70 cm

 

 

REYNALDO FONSECA (1925).O Silêncio,ost, 22 X 16. Assinado no c.i.e. e datado (1976) no c.i.dO Silêncio, 1976

Reynaldo Fonseca (Brasil 1925 – 2019)

óleo sobre tela, 22 X 16 cm

 

 

Reynaldo Fonseca (Brasil, 1925) Moça deitada, 1961,guache sobre papel, 15 x 20 cm, Col. Gilberto ChauteaubriandMoça deitada, 1961

Reynaldo Fonseca (Brasil, 1925 – 2019)

guache sobre papel, 15 x 20 cm

Col. Gilberto Chauteaubriand

 

ReynaldoFonsecamulher com abanoMulher com abano, 1997

Reynaldo Fonseca (Brasil, 1925 – 2019)

óleo sobre tela

 

 

REYNALDO FONSECA (1925) Afeto Óleo stela Ass. e datado 1993, cse e verso 100 x 81 cmAfeto, 1993

Reynaldo Fonseca (Brasil, 1925 – 2019)

óleo sobre tela, 100 x 81 cm

 

 

REYNALDO FONSECA (1925) Menina no espelho - 100 x 81 cm - ass. inf. direito 1968Menina no espelho, 1968

Reynaldo Fonseca (Brasil, 1925 – 2019)

óleo sobre tela, 100 x 81 cm

 

 

Reynaldo Fonseca (Brasil, 1925) Menina com Maça,1974,75 x 60 cm,óleo sobre telaMenina com maçã, 1974

Reynaldo Fonseca (Brasil, 1925 -2019)

óleo sobre tela, 75 x 60 cm

 

 

Reynaldo Fonseca (Brasil, 1925) Menina, tec mista sobre papel, 1956 48 x 31 cmMenina,  1956

Reynaldo Fonseca (Brasil, 1925 – 2019)

técnica mista sobre papel, 48 x 31 cm

 

 

Reynaldo Fonseca, Figura feminina OST,46 x 38 2008 ACIEFigura feminina, 2008

Reynaldo Fonseca (Brasil, 1925 0- 2019)

óleo sobre tela 46 x 38 cm

 

 

REYNALDO Fonseca,O Menino com Coelho, 1977. óleo s chapa de madeira industrializada, 22 x 16 cmO Menino com Coelho, 1977

Reynaldo Fonseca (Brasil, 1925 – 2019)]

óleo s chapa de madeira industrializada, 22 x 16 cm

 

 

Reynaldo Fonseca, Menino, 1979, ost, 38x46 Menino, 1979

Reynaldo Fonseca (Brasil, 1925 – 2019)

óleo sobre tela, 38 x 46 cm

 

 

REYNALDO FONSECA - 1925 - Figura, o.s.t - 45 x 36 - Assinado e datado 1984 ceFigura, 1984

Reynaldo Fonseca (Brasil, 1925 -2019)

óleo sobre tela,  45 x 36 cm

 

 

Reynaldo Fonseca (Brasil, 1925) O Menino e a Borboleta OST,50 x 70 2008,O Menino e a borboleta, 2008

Reynaldo Fonseca (Brasil, 1925 – 2019)

óleo sobre tela, 50 x 70 cm

 

 

REYNALDO Fonseca,Menino,óleo s cartão, 1973,31 x 23 cmMenino, 1973

Reynaldo Fonseca (1925 – 2019)

óleo sobre cartão, 31 x 23 cm

 

 

Reynaldo Fonseca (Brasil, 1925) Escola de dança, 1976,Óleo sobre tela,81 X 100 cmEscola de dança, 1976

Reynaldo Fonseca (Brasil, 1925 – 2019)

Óleo sobre tela, 81 X 100 cm

 

 

REYNALDO FONSECA (1925) - Janela para o Mar. Óleo stela. Ass. cid. datado 2002. Ass. e datado no verso. Med. 120 x 152 cm.Janela para o mar, 2002.

Reynaldo Fonseca (Brasil, 1925 -2019)

óleo sobre tela, 120 x 152 cm

 

 

REYNALDO FONSÉCA (1925), Moringa e fruta. 1970 Óleo sobre tela, 54 x 73 cm.Moringa e fruta, 1970

Reynaldo Fonseca (Brasil, 1925 -2019)

óleo sobre tela, 54 x 73 cm

 

 

REYNALDO FONSECA (1925) - Natureza Morta,Vaso de Flores, técnica mista, óleo sobre cartão, 63 x 49cm, assinado e datado 1953.Vaso de flores, 1953

Reynaldo Fonseca (Brasil, 1925 -2019)

técnica mista, óleo sobre cartão, 63 x 49cm

 

 

 

 





Nossas cidades: São Luiz

23 07 2019

 

 

 

RAUL DEVEZA (1891 - 1952). Cena Urbana na Praça João Lisboa em São Luiz -Maranhão, óleo s tela, 53 x 45. Assinado no c.i.d. e identificado (São Luiz - 1951)Cena Urbana na Praça João Lisboa em São Luiz -Maranhão

Raul  Deveza ( Brasil, 1891 – 1952)

óleo sobre tela, 53 x 45 cm





Resenha: “Limonov” de Emmanuel Carrère

22 07 2019

 

 

 

s-l1600Sem título, da Série Dois

Martin M (Rússia, contemporâneo)

acrílica sobre tela, 18 x 13 cm

 

 

Limonov, de Emmanuel Carrère, foi best-seller na França e recipiente do Prêmio Renaudot da Língua Francesa e do Prix des Prix, em 2011.  Traduzido por André Telles e publicado pela Alfaguara em 2013, não fez marolas por aqui, até ser indicado por Marcelo Rubens Paiva para uma editora que publica livros por assinatura em 2017.  Não é leitura fácil, em parte porque o biografado, Eduard Limonov, é uma pessoa desprezível, canalha, ordinário e sem-vergonha.  Mas que descrito pelo autor parece uma pessoa fascinante.  “Limonov não é um personagem de ficção. Ele existe.  Eu o conheço. Ele foi delinquente na Ucrânia, ídolo do underground soviético; mendigo, depois mordomo de um bilionário em Manhattan; escritor da moda em Paris, soldado perdido nas guerras dos Balcãs e agora no imenso caos do pós comunismo na Rússia, velho chefe carismático de um partido de jovens desesperados…”  Com essa introdução por Carrère é natural que se espere mais de Eduard Limonov do que o repelente marginal, personalidade secundária, um ser asqueroso, cuja vida seguimos em grande detalhe.

Limonov é descrito como biografia. Mas premiado como romance.  Como?  Por que?  Em parte porque Carrère só entrevistou Eduard Limonov uma vez por duas semanas e a esta altura com o livro quase pronto.  Por outro lado, porque a vida do biografado e a do biógrafo se intercalam e aos poucos descobrimos a paixão, ou até mesmo a inveja de Carrère, não pelo homem Limonov, (Carrère para de escrever o livro por mais ou menos um ano, duvidando da própria razão deste trabalho) mas pela sedução que a vida de aventuras de seu biografado parece ter acendido.  Passei, então, a ver o livro não como uma biografia, mas como um interlóquio entre o escritor e Limonov.

LIMONOV_1378755952B

 

São dois homens que pararam emocionalmente na adolescência.  Basta dizer que para ambos os livros que mais marcaram suas vidas foram os de aventuras de Alexandre Dumas e obras do americano Jack London.  Eduard Limonov ( Eduard Savenko) nasceu na Ucrânia (portanto cidadão de segunda classe na hierarquia soviética) e passou a vida como rebelde. Pobre, sem respeito por mãe ou pai, Limonov se rebela contra o status quo de qualquer situação.  Seu verdadeiro objetivo é ser do contra.  Mesmo quando o que advoga, por anos, acontece, ele rapidamente muda de posição e torna-se um insurgente, um do contra, já que o que defendia tornou-se norma.  Revolta, seu nome é Limonov.  E sua maneira de revoltar-se não passa de grandes gestos juvenis, sem esteio ou fundamento.  Tanto que no frigir dos ovos Limonov não consegue nada, não passa de um energúmeno, machista, inepto e idiota.

Emmanuel Carrère, por outro lado, desfrutou de uma família bem estruturada: pai executivo, mãe historiadora e professora universitária.  Cresceu e continuou como adulto a se beneficiar das benesses da vida burguesa parisiense. Não se revoltou contra o estabelecimento.  É o verdadeiro oposto de Limonov.  E, ainda que pudesse ter interesse intelectual sobre os revolucionários russos, a mim, escapa a fascinação do autor por um membro tão desnorteado da cosmografia russa.  Não posso deixar de pensar numa pequena revolta contra sua própria mãe, especialista em história russa.  Será que Carrère, deveria ter dedicado tanto de seu tempo e indústria construindo um altar ao anti-herói? Talvez sua mãe, se assim quisesse, pudesse nos dar valor mais acertado do verdadeiro papel de Limonov na resistência, se relevante, contra a abertura do sistema soviético do final do século XX.  E ainda, a fascinação com o “revolucionário” lembra-me defensores do comunismo severo, do stalinismo ou seguidores de Trotsky, que, aqui no ocidente, dormindo em camas macias com lençóis de seda, dirigindo carros do ano, comendo e bebendo á vontade, abrigando-se em belas e espaçosas casas, continuam achando que uma revolução ou um sistema semelhante ao que se estabeleceu na antiga URSS seria a solução para as desigualdades no mundo.  É uma visão idealista, sem qualquer pé na realidade e primária. E, nós mesmos, leitores de Limonov testemunhamos a falácia do sistema através da própria narrativa de Carrère.

 

emmanuel-carrere (2)Emmanuel Carrère

 

Há duas grandes qualidades nesta obra.  A primeira é a habilidade de Carrère de nos manter atentos ao texto, de tal modo que mesmo execrando as ações de Eduard Limonov,  o que nos é contado, de maneira muitas vezes rude ou crua, nos faz  continuar página após página a seguir o fanático e imbecil personagem que o autor nos impôs. A segunda qualidade é o retrato da Rússia sob o governo comunista e sob a abertura iniciada por Gorbachev e da Rússia que conhecemos hoje, a Rússia de Putin, que mais do que nunca aparece como cidadão bastante perigoso.  Poucas vezes temos a oportunidade de ler uma obra que nos traz ações tão contemporâneas, referências a momentos históricos que vimos na televisão ou lemos nos jornais. Essa parte política, tenho certeza, foi de grande valia para que o livro se tornasse best seller na França.  Para os franceses o que acontece em Moscou é de grande importância.  Eles estão muito próximos, apesar dos diversos países que os separam: Bélgica, Alemanha,  Polônia, Bielorrússia. A título de curiosidade procurei a distância entre Paris e Moscou.  É um pouco mais de 2.800 km.  Colocando em nossos termos é menor do que a distância entre Porto Alegre e Palmas, esta é superior a 2.900 km.  Assim, tudo que acontece na Rússia é de muito maior interesse para os franceses do que para nós, aqui em outro continente separados por mar e terra imensos.

Não sei para quem devo recomendar este livro.  Li.  Não gostei.  Mas apreciei as informações que me foram dadas.  E apreciei a habilidade de Carrère.  Mas de cinco estrelas, três estão de bom tamanho.

 

NOTA: este blog não está associado a qualquer editora ou livraria, não recebe livros nem incentivos para a promoção de livros.

 

 





Domingo, um passeio no campo!

21 07 2019

 

 

 

reynaldo-fonseca-paisagemPaisagem, 2002

Reynaldo Fonseca (Brasil, 1925)

óleo





Imagem de leitura — Erna Y

21 07 2019

 

 

 

Erna Y,( Brasil) Protetora das ciências, 2000, ost.100x80, col part,Protetora da Ciência, 2000

Erna Y (Macedônia/Brasil, 1926 – 2014)

[Erna Y Antunes]

óleo sobre tela,  100 x 80 cm

Coleção Particular





Uma amiguinha, poesia infantil de Zalina Rolim

20 07 2019

 

 

 

art frahmIlustração Art Frahm

 

 

Uma amiguinha

 

Zalina Rolim

 

É inteligente e graciosa;

Mais limpa, que ela, não há:

Focinhito cor-de-rosa,

E chama-se Resedá.

Muito orgulhosa e faceira,

Não quer saber da cozinha,

E, à sesta, sob a roseira,

Dorme um sono de rainha.

Gosta do sol, ama as flores,

Corre por todo o jardim,

E tem, no dorso, em três cores,

A maciez do cetim.

Em pequenino açafate,

Todo acolchoado e felpudo,

De vivo tom escarlate

Tem o berço de veludo.

É toda mimos da sorte,

Gatinha de estimação,

Defende-a, contra o mais forte,

Das patas vivo arranhão.

Mas é boazinha e correta;

Não provoca ásperos tratos;

Somente mostra-se inquieta,

Se escuta rumor de ratos.

Então – adeus, gentileza! –

É toda instinto animal,

De um salto, atira-se à presa…

E é como as outras, tal qual.








%d blogueiros gostam disto: