O tempo passa, soneto de Maria Braga Horta

31 10 2020
Ilustração, Clara M. Burd
         V

 

Maria Braga Horta

 

O tempo passa.  E passam sol e lua

tantas vezes no céu, que perco a conta

do tempo que, passando, se insinua

na vida que a velhice hoje defronta.

 

O tempo passa, a história continua.

É uma história de amor que se reconta.

Uma história de amor que perpetua

a vida: ora uma acaba, outra desponta.

 

Venho outra vez com bruxas e dragões

e princesas e príncipes e anões

para o mundo irreal dos dois netinhos.

 

Vejo em seus olhos sempre o mesmo brilho

que pairava no olhar de cada filho

…e ainda vão passando os carneirinhos…

 

Brasília, 28-2-1968

 

 

Em: Caminho de Estrelas, Maria Braga Horta, São Paulo,  Massao Ohno Editor: 1996, p. 239





Trova da roseira

31 10 2020
Cartão postal.

 

Da vida, pelos caminhos,

uma coisa aprendi bem:

a roseira dá espinhos,

mas nos dá rosas, também…

 

(A. Isaias Ramires)





Flores para um sábado perfeito!

31 10 2020

Dálias, 1959

Ettore Federighi (Brasil, 1909-1978)

Óleo sobre placa 70 x 90 cm.





Preferências, por Anne Fadiman

30 10 2020

Lendo na sombra móvel

Michael de Bono (GB, contemporâneo)

óleo sobre tela

 

 

 

“…Os americanos apreciam o sucesso. Os ingleses admiram o fracasso heroico. Se me for dado escolher – ao menos em minhas leituras – sou antiamericana o bastante para dar precedência ao quixotismo sobre a eficiência a qualquer momento. Sempre considerei o aspecto de crepúsculo-de-um-império da era vitoriana pungente ao extremo, e ninguém conseguiria ser mais vitoriano do que aqueles homens corajosos, sérios, otimistas, abnegados, patriotas, honrados, magnânimos e completamente incompetentes, que deixaram que deixaram seus nomes em todos os mapas do Ártico e da Antártica, embora fracassassem ao navegar a Passagem Noroeste e perdessem a corrida para ambos os Pólos.”

 

Em: Ex-libris: confissões de uma leitora comum, Anne Fadiman, tradução de Ricardo Quintana, Rio de Janeiro, Jorge Zahar Editor: 2002, p. 30





Rio de Janeiro, um parque à beira-mar

30 10 2020

Jardim de Alá, 1962

Yvonne Visconti Cavalleiro (Brasil, 1901 – 1965)

óleo sobre eucatex, 30 x 40 cm





Imagem de leitura: John Everett Millais

29 10 2020

A Passagem Norte-Oeste, 1874

Sir John Everett Millais, (GB,  1829-1896)

óleo sobre tela

Tate Gallery, Londres





Imperadores romanos, como eram? — César Augusto

29 10 2020
Augusto reconstrução facial pelo artista, Haround Binous (Suíça, contemporâneo)

Gaius Iulius Caesar Octavianus Augustus, nasceu em Roma, em 23 de setembro do ano 63 aEC.  Faleceu  em Nuvlana (Região de Nápoles) a 19 de agosto do ano 14 EC.   Fundador do Império Romano e seu primeiro imperador.   Período de governo: 27 aEC até 14 EC, ou seja 31 anos. 

Expansão do Império Romano durante o governo de Augusto.





Hoje é dia de feira: frutas e legumes frescos!

28 10 2020

Melancias e Janela, 1966

Djanira da Motta e Silva (Brasil, 1914-1979)

serigrafia a cores sobre papel, 50 x 33 cm





Resenha: “A espiã vermelha” de Jennie Rooney

27 10 2020

O casal Zaitsev no interior de sua casa, 1955

Igor Radomano (Rússia, 1921-1992)

óleo sobre tela, 139 x 111 cm

Quando recebi de presente de Natal em 2019 este livro, não sabia que havia um  filme baseado na obra, estrelado por Judy Dench.  Pode ter sido muito bom se fez jus a obra de Jeannie Rooney, lançada no Brasil pela Record com tradução do inglês por Cláudia Mello Belhassof.  Pensei no início tratar-se de história de espionagem nos termos tradicionais, próxima às obras de Ian Fleming que  fizeram do agente 007 do MI5, um dos mais populares e sedutores personagens no mundo inteiro. Foi surpreendente realizar que esta espiã, personagem principal, não era figmento da imaginação de um escritor, mas obra de ficção baseada na biografia de verdadeira espiã que passou segredos importantes do governo britânico para as mãos dos russos.  Tão importante foram eles que ela foi considerada a agente da maior importância para a KGB.  A espiã vermelha, portanto é uma biografia ficcionalizada de Melita Norwood, a mulher que passou segredos de estado para as mãos do inimigo.

Ainda que a maioria dos leitores  considere este livro uma “trama envolvente sobre o amor e o significado da lealdade” como informa a orelha do livro, acredito que seja principalmente um longo ensaio, uma obra de apreciação sobre  traição.  Ou melhor, a constatação das infinitas maneiras em que uma pessoa pode ser traída ou trair.

A primeira consideração que me ocorreu foi a diferença  entre inglês e português  ao tratarmos de traição.  Em inglês para traição, há duas palavras distintas.  “Treason” que limita a traição a um ato de quebra de confiança nos interesses de estado e “Betrayal” cujo significado também é traição, mas abraça um maior número de situações de quebra de confiança, incluindo a traição amorosa. A espiã vermelha trata de ambos os significados.  Não só Joan Stanley (o nome de Melita Norwood  no livro) trai seu país, mas trai e é traída por amigos, familiares e parceiros amorosos.

Depois voltei ao significado de traição do ponto de vista histórico.  É atribuído, sem qualquer documentação, a Winston Churchill a máxima “é o vencedor quem escreve a história”, ou “cabe ao vencedor escrever a história”. Questionar a traição de estado é não aceitar o rumo da história. Joan Stanley  é traidora porque a Grã Bretanha estava no grupo que venceu a Segunda Guerra Mundial.  O mesmo aconteceu aqui no Brasil, com Domingos Fernandes Calabar, traidor por apoiar a colonização holandesa, quando Portugal vencia os invasores no nordeste brasileiro.   Nos anos 70,  Chico Buarque de Hollanda e Ruy Guerra lançaram a peça, musicada:  Calabar: o elogio da traição (1973)  que pretende questionar esta traição.  Mas não se consegue contar a história pelo lado dos que perderam, pois qualquer situação mencionada de como  seria a realidade caso outros tivessem vencido,  não passa de fantasia, paisagens  imaginárias, idealizadas de uma história que nunca aconteceu.  E por mais que na biografia ficcional essa espiã inglesa pareça pretender o equilíbrio entre potências mundiais, suas ações são imperdoáveis por submeter o mundo inteiro à perigosa corrida nuclear. Só por essas considerações suscitadas pela leitura de  A espiã vermelha este livro já teria me satisfeito pelo saudável exercício filosófico que evoca.

Jennie Rooney

Bom notar que a narrativa em capítulos intercalados entre o presente e o passado é muito eficiente e mantém o interesse do leitor do início ao fim.  Descobrimos também ao longo do texto outras maneiras em que uma pessoa pode trair e ser traída. É um livro rico de observações, passagens que requerem do leitor atento, uma pausa para avaliar, desde “a nacionalidade é uma falsa distinção” [108] a “que coisa horrível envelhecer. Não tem certeza se recomendaria isso a alguém;” [182]. Este é um livro que questiona aquilo que tomamos como certo.  Levanta questões.  Tem sucesso fazendo isso, obliquamente.

Joan Stanley é uma personagem muito rica.  Repleta de dúvidas sobre si mesma acaba se revelando mais complexa do que se imaginaria no início. É uma cientista, uma raridade na época, mulher moderna até pelos dias de hoje.  Mas enquanto é intrépida para algumas coisas, também precisa da aprovação dos outros.  Recomendo a leitura.  Mesmo que não se saiba onde a ficção se desvia dos fatos desta recente história.  Recomendo.

NOTA: este blog não está associado a qualquer editora ou livraria, não recebe livros nem incentivos para a promoção de livros.





“O acendedor de lampiões” poema de Jorge de Lima

26 10 2020
lamplighter-carrying-out-his-duty-mary-evans-picture-libraryGravura anônima do Século XIX.
O acendedor de lampiões

 

Jorge de Lima

 

 

Lá vem o acendedor de lampiões da rua!

Este mesmo que vem infatigavelmente,

Parodiar o sol e associar-se à lua

Quando a sombra da noite enegrece o poente!

 

Um, dois, três lampiões, acende e continua

Outros mais a acender imperturbavelmente,

À medida que a noite aos poucos se acentua

E a palidez da lua apenas pressente.

 

Triste ironia atroz que o senso humano irrita: —

Ele que doira a noite e ilumina a cidade,

Talvez não tenha luz na choupana em que habita.

 

Tanta gente também nos outros insinua

Crenças, religiões, amor, felicidade,

Como este acendedor de lampiões de rua!

 

 

Em: Poesias Completas, Jorge de Lima, vol. I, Rio de Janeiro, Cia. José Aguilar Editora: 1974.p. 62








%d blogueiros gostam disto: