Reticências, Mário Quintana

30 04 2021
Ilustração de Leslie Trasher
“As reticências são os três primeiros passos do pensamento que continua por conta própria o seu caminho…”

Mário Quintana

Em: Mário Quintana, Prosa e verso – série paradidática — Porto Alegre, Editora Globo: 1978, p.64





Em três dimensões: Mestre Pero

29 04 2021

Nossa Sra do Ó, (1340-1360)

Mestre Pero (Aragão, ativo em Portugal, século XIV)

Museu de Lamego, Portugal

 





Imagem de leitura — Ellen Day Hale

29 04 2021

Notícias matutinas, 1905

Ellen Day Hale (EUA, 1855-1940)

Óleo sobre tela, 127 x 91 cm

Coleção Particular





Andorinha, poesia de Olegário Mariano

28 04 2021
Andorinha

Olegário Mariano

 

A frescura do céu baixou com a tarde calma,

Penetrou pouco a pouco os meus sentidos… Vejo

Em cada boca estuar a volúpia de um beijo,

Arder em cada corpo a chama do desejo

E um frêmito passar vibrando de alma em alma…

 

Voa, chilreando, louca, uma inquieta andorinha.

Cruza o céu, desce  à tona azul da água apressada,

Pousa num fio telegráfico da rua.

— Dá-me um pouco de sol! Eu que não tenho nada,

Preciso de aquecer a minh’alma na tua.

     Andorinha!  Andorinha!

Tens em meu coração tua melhor morada…

Mas és de outro e afinal bem podias ser minha!

 

 

Em: Toda uma vida de poesia — poesias completas, Olegário Mariano, Rio de Janeiro, José Olympio: 1957, volume 2 (1932-1955), p. 433.





Hoje é dia de feira: frutas e legumes frescos

28 04 2021

Jacas, 2010

Péricles Paiva (Brasil, 1948)

óleo sobre tela, 40 x 100 cm





Trova do perfume

27 04 2021
Monica se perfuma.  Ilustração Maurício de Sousa.

Que me traias, tu me negas,

mas, traindo-me, te trais:

– O perfume com que chegas,

nunca é o mesmo com que sais…

 

(Cesídio Ambrogi)





Imagem de leitura — Hilda Fearon

26 04 2021

Retrato do pintor Algernon Talmage, 1912

Hilda Fearon (GB, 1878 -1917)

óleo sobre tela

 





O escritor no museu: Jorge Amado

26 04 2021

Jorge Amado, 1934

Cândido Portinari (Brasil,1903- 1962)

óleo sobre tela, 38 x 46 cm





Minha terra, poesia de Álvaro Moreyra

26 04 2021

Estação de trem

Sylvio Pinto (Brasil, 1918 – 1997)

óleo sobre tela, 40 x 60 cm

 

A minha terra

Álvaro Moreyra

 

A minha terra…

É um céu tão azul que eu nunca mais olhei outro céu tão azul…

É um rio chamado Guaíba que tem uma ilha chamada Pintada…

É uma casa grande…

A minha terra…

Aquela procissão de noite…

O circo de Paulo Cirino…

A estação da estrada de ferro de onde saía o trem para São Leopoldo…

A minha terra cabe toda dentro de mim…

A minha terra é do tamanho de minha infância…

Porto Alegre…

 

Em: Poesia Brasileira para a Infância, Cassiano Nunes e Mário da Silva Brito, São Paulo, Saraiva: 1967, Coleção Henriqueta, pp. 10-11.





Em casa: Frederick Goodall

25 04 2021

Old maid*, 1886

Frederick Goodall (GB, 1822-1904)

óleo sobre tela, 110 x 97 cm

Coleção Particular

*Old maid é um jogo de cartas que no Brasil leva o nome de Mico, Burro, e outras variantes regionais. Trata-se de um jogo de casar cartas iguais. Quem ficar com a única carta que não tem par, na última rodada, perde. Muito jogado entre crianças e avós e crianças.








%d blogueiros gostam disto: