Domingo, um passeio no campo!

26 05 2019

 

 

 

GEZA HELLER, Paisagem - Oleo sobre placa - 33x46 cm - ACID 1966 Coleção do Professor e Dr. Luiz Fernando da Costa e Silva Paisagem, 1966

Geza Heller (Hungria/Brasil, 1902-1992)

óleo sobre eucatex, 33 X 46 cm





Flores para um sábado perfeito!

25 05 2019

 

 

 

Paulo Rossi, Vaso com Flores, aquarela, medindo 25 cm x 30 cm, assinado no canto superior direito.Vaso com Flores, 1924

Paulo Rossi Osir (Brasil, 1890 – 1959)

aquarela, 25 cm x 30 cm





Rio de Janeiro, à beira da Guanabara!

24 05 2019

 

 

 

Mauro Ferreira - Praia de São Conrado-RJ - 46 x 75 cm - OST - Ass. CID e Dat. 2012Praia de São Conrado, 2012

Mauro Ferreira (Brasil, 1958)

óleo sobre tela, 46 x 75 cm

 





Imagem de leitura –George Goodwin Kilburne

23 05 2019

 

 

 

the-nursemaid-by-1924-george-goodwin-kilburne-english-18391924-watercolourA enfermeira, 1924

George Goodwin Kilburne (GB, 1839 — 1924)

aquarela





Hoje é dia de feira: frutas e legumes frescos!

22 05 2019

 

 

 

Lucia Helena Redig de Campos , Frutas, 2005, ost, 70 x 50 cm

Frutas, 2005

Lucia Helena Redig de Campos (Brasil, 1945)

óleo sobre tela, 70 x 50 cm





Nossas cidades: Amparo, SP

21 05 2019

 

 

NILO SIQUEIRA, Fazenda Paraiso em Amparo, SP - Óleo sobre placa - 22x33 cm - ACIE (Coleção do Professor e Dr. Luiz Fernando da Costa e Silva)Fazenda Paraíso, Amparo

Nilo Siqueira (Brasil, 1943)

óleo sobre placa, 22 x 33 cm





O som mais triste… poesia, Ladyce West

20 05 2019

 

 

 

Lasar Segall- titulo Auto-Retrato Retratando o Cotidino em Vina-Lituânia, óleo sobre placa de papelão, medindo 67cm x 47cmAuto-retrato, Retratando o cotidiano em Vina-Lituânia, s/d

Lasar Segall (Lituânia/Brasil, 1889 – 1957)

óleo sobre papelão, 67 x 47 cm

 

 

O som mais triste…

 

Ladyce West

 

Na indolência de um domingo de verão,

quando o sol cerceia o movimento e o calor detém a brisa,

 

Quando o bafo quente das calçadas se ergue lento,

envolve o corpo e reprime pensamentos,

 

Quando a inércia paralisa insetos,

cala pássaros, esconde peixes,

 

No meio da tarde indiferente,

preguiçosa, frouxa e incandescente,

 

Um solitário acordeon se faz ouvir.

 

É gemido desditoso, lamento sofrido.

Queixume penoso.

 

No ar estagnado do bairro,

por entre casas sonolentas e mudas torres de igrejas,

 

por cima do asfalto amolecido das ruas,

mascarando o borbulhar do riacho,

 

vibram notas saudosas, melodias sofridas,

canções de outras eras, de outras terras.

 

Gemidas.

 

A nostalgia se espalha.

Manta transparente, que envolve.

Aderente.

 

Libação sonora, suadouro enlutado,

carpindo na tarde.

 

Canto solitário de imigrante europeu,

Chora a terra, a distância,

a perda do lugar em que nasceu.

 

 

©Ladyce West, Rio de Janeiro, 2019.








%d blogueiros gostam disto: