Imagem de leitura — Georges van Houten

26 02 2017

 

 

 

van Houten, Georges, 1888-1964; Portrait of a Seated Lady in Yellow and Green Reading

Sra. em amarelo e verde lendo, 1927

Georges van Houten (Bélgica, 1888–1964)

óleo sobre tela

Examination Schools, University of Oxford

Salvar





A máscara, de Ladyce West

26 02 2017

 

 

lucia-helena-redig-de-campos-brasil-1945

Mulher com máscara, 2005

Lucia Helena Redig de Campos (Brasil, 1945)

óleo sobre tela

 

 

 

A máscara

 

Ladyce West

 

 

Máscara?

Que máscara?

Somos todos mascarados.

Cada qual com seu disfarce

Na passarela, no palco,

Na escola, na corte,

No hospital, no bar da esquina,

Na reunião em família,

Na lágrima sem dor.

No Bom Dia! Na Boa Noite!

No “foi bom para você”?

No obrigado ingrato.

Até os super-herois precisam de suas máscaras.

Não me venha com essa de tirar a minha máscara.

Você me reconheceria?

E ao espelho de manhã?

Fazendo a barba.

Tem certeza de que sabe quem está do outro lado?

 

 

©Ladyce West, Rio de Janeiro, dezembro, 2016.




Domingo, um passeio no campo!

26 02 2017

 

 

 

a-volpi-casario-decada-de-40-ost-eucatex-assinado-frente-verso-no-verso-vem-escrito-reconheco-esta-obra-sendo-de-minha-autoria-da-decada-de-40-s-paulo-1978-tela-38-cm-x-34-cm

Casario, década de 40

Alfredo Volpi (Itália/Brasil, 1896 – 1988)

óleo sobre tela colada em eucatex, 38 x 34 cm

Salvar





Resenha: “A resistência” de Julián Fuks

26 02 2017

 

 

 

santa-rosa-figuras-1956-tmspapel-50-x-66-macau

Figuras, 1956

Tomás Santa Rosa ( Brasil, 1909-1956)

técnica mista sobre papel, 50 x 66 cm

 

 

 

Meu grupo de leitura se dividiu a favor e contra o livro A resistência, de Julián Fuks.  Somos vinte.  Foi meio a meio.  Para minha surpresa estou do lado dos que gostaram.  Surpresa porque eu e o Prêmio Jabuti temos tido através dos anos visões opostas de valor. Minha discordância tem sido sistemática.  Em geral, prefiro os segundo e terceiro colocados ou nenhum deles.  Portanto, já começo a ver Julián Fuks como exceção.  Ou será que meus parâmetros estão mudando?  Fica a dúvida.  Qualquer que seja a resposta, o fato persiste, li o livro, fui até o fim (acreditem-me não tenho pena de deixar livros de lado, se não gosto), e ao final gostei da experiência.

O que me pegou nessa pequena obra, foi o tom. Bom narrador, Julián Fuks navega com  destreza do início ao fim, através das inúmeras reflexões do personagem principal. Tom e voz narrativa são valores difíceis de quantificar, mas, para mim, são a porta de entrada para leitura. Além disso,  A resistência  combina o gênero da memória com reflexão, combinação que ao longo dos anos tem-se tornado um dos meios narrativos que mais me satisfazem.

 

 

a_resistencia__1442375354527078sk1442375354b

 

 

A história trata de uma obsessão: o narrador, Sebastián, quer entender o que levou o irmão mais velho a se afastar emocionalmente do resto da família na época em que se tornava um jovem rapaz. O narrador é um de três filhos de um casal de imigrantes argentinos que se estabeleceu em São Paulo. O filho mais velho foi adotado, ilicitamente, ainda na Argentina, no período em que o casal se esforçava, sem sucesso, para ter filhos.  Adotaram afinal um menino, na mesma época de instabilidade política no país que eventualmente os levaria a imigrar para o Brasil.

Acredito que no afã do marketing, na vontade de seduzir o leitor com um assunto politizado, de vanguarda,  tomou-se a infeliz decisão de enfatizar passagens da política argentina, como se fossem centrais à trama. Ainda que a palavra ‘resistência’ tenha tido um cunho político, principalmente durante governos ditatoriais, aqui a política não passa de evento circunstancial, cortina de fumo, distração ilusória que encobre a verdadeira trama, explicitamente colocada no primeiro parágrafo do livro. “…Meu irmão é adotado, mas não quero reforçar o estigma que a palavra evoca, o estigma que é a própria palavra convertida em caráter.  Não quero aprofundar sua cicatriz e, se não quero, não posso dizer cicatriz.” Aí está toda linha dramática do texto. Quanto mais Sebastián pretende não aludir à adoção do irmão, mais ele é incapaz de esquecê-la; mais ele resiste. Como não pode se referir a ela, mesmo que essa adoção, seja conhecida  por todos os familiares, inclusive o adotado, ela se torna o elefante branco familiar, invisível e não reconhecido problema, estatelado no dia a dia da família, imóvel e ocupando um grande espaço, aquilo que todos resistem a admitir.

 

 

 

topo-blog-1-800x445
Julián Fuks

A procura pela memória, pelo fatos, ações, circunstâncias do passado que justificariam o comportamento do irmão mais velho, fazem com que o narrador desenvolva uma linha narrativa primorosa, revendo mais de uma vez, por diferente ângulo não só os eventos do passado como suas próprias reações, questionando-se sempre. Evoca e medita sobre o passado em comum com Sebastián e com a família e explora as possibilidades daquilo que lhe é desconhecido. Esmiúça tudo, sem resultado plausível. A resolução vem do próprio irmão adotado, numa catártica explosão, muito bem desenvolvida. Este é um belo livro.  Meditativo.  Reflexivo.  Um livro que extrapola a história contada. Recomendo.

Salvar

Salvar

Salvar





Flores para um sábado perfeito!

25 02 2017

 

 

verena-matzen-vaso-de-prata-guache-acrilicostela-med-92-x-70-cm-acidJarra de prata

Verena Matzen (Argentina/Brasil, 1965)

guache e acrílica sobre tela,  92 x 70 cm





Imagem de leitura — John Arthur Elsley

25 02 2017

 

 

arthur-john-elsley-inglaterra1860-1952-o-guardiao-fiel-ost

O guardião fiel, 1911

Arthur John Elsley (Inglaterra, 1860-1952)

óleo sobre tela, 100 x 75 cm





Rio de Janeiro, minha cidade natal!

24 02 2017

 

 

 

eliseu-meneses-de-lemos-jokey-club-brasileiro-rio-de-janeiro-ost-assinado-no-canto-inferior-direito-medindo-60-x-80Jockey Club Brasileiro, Rio de Janeiro

Eliseu Meneses de Lemos (Brasil, contemporâneo)

óleo sobre tela, 60 x 80 cm








%d blogueiros gostam disto: