Flores para um sábado perfeito!

25 09 2021

Natureza morta

Benjamin Silva  (Brasil, 1927- 2019) 

Óleo sobre tela, 80 x 80cm





Hoje é dia de feira: frutas e legumes frescos!

22 09 2021

Flores e frutos,1999

Helena Cury (Brasil, contemporânea)

óleo sobre tela, 50 x 60 cm





Flores para um sábado perfeito!

18 09 2021

Flores, 1941

Manuel Ferreira de Castro Filho (Brasil, 1910 – ?)

óleo sobre tela, 46 x 38 cm

Acervo UFRGS





Nossas cidades: Recife

14 09 2021

Telhados do Recife

Emiliano di Cavalcanti (Brasil, 1897 – 1976)

óleo sobre tela, 38 x 55 cm





Sublinhando…

9 09 2021
Ilustração de Jean Emile Laboureur, 1912.

“O mundo, meu caro, é um imenso livro de maravilhas. A parte que o homem já leu chama-se passado; o presente é a página em que está aberto o livro, o futuro são as páginas ainda por cortar.”

Em: O presidente negro, Monteiro Lobato, Capítulo IV. Não posso dar a página, porque li em versão eletrônica. Em domínio público.





Na boca do povo: escolha de provérbio popular

6 09 2021

Boca que se beijou nunca mal se desejou.





Flores para um sábado perfeito!

4 09 2021

Cravos, crisântemos e borboleta, 2010

Cláudio Barake (Brasil, 1966)

acrílica sobre tela, 60 x 60 cm

 





Rio de Janeiro, uma joia tropical

3 09 2021

Glória, Relógio e Outeiro, década de 1950

Sylvio Pinto (Brasil, 1918 – 1997)

óleo sobre tela 55 x 46 cm





Trova do sol

2 09 2021
Marina vê o nascer do dia, ilustração Maurício de Sousa.

 

 

O sol, cumprida a rotina,

cerra o painel em que atua,

some por trás da colina

e abre o portão para a lua.

 

(Dorothy Jansson Moretti)

 





Fábula, Cleómenes Campos

31 08 2021
Autoria desta ilustração, desconhecida.

 

 

Fábula

 

Cleómenes Campos

 

 

No começo do mundo,

quando tudo falava, um Monte, certo dia,

interrogou a um Vale, a quem mal conhecia:

— “Quem é mais alto de nós dois?”

 

O Vale respondeu-lhe. admirado, depois:

“Eu só te sei dizer que é o mais profundo…”

 

 

Em: Poesia Brasileira para a Infância, Cassiano Nunes e Mário da Silva Brito, São Paulo, Saraiva: 1967, Coleção Henriqueta, p. 113.

 








%d blogueiros gostam disto: